Diplomacia do Lobo-Guerreiro

NEWS.COM.AU - 10 Ago, 2020 - Tradução César Tonheiro



Os "lobos-guerreiros" representam um tipo completamente diferente de famosos diplomatas chineses das últimas décadas. Em vez de declarações longas e prolixas, essas autoridades chinesas estão acessando o Twitter e outras plataformas de mídia social para responder diretamente a qualquer crítica à China ou ao Partido Comunista no poder.


Mas a essa tática do PCC foi desastrosa, confira:


Líder chinês Xi Jinping criticado por suas táticas de 'Diplomacia do Lobo-Guerreiro'

Importantes Generais atacaram Xi Jinping por desperdiçar a grande chance da China. Eles dizem que suas táticas arruinaram suas chances de dominação mundial.


10 de agosto de 2020 por Jamie Seidel


Um homem. Um partido. Um país de 1,4 bilhão de pessoas. Não é de admirar que o líder vitalício Xi Jinping esteja preocupado em manter a sua autoridade absoluta.


Para fazer isso, ele pintou um quadro nacionalista do futuro da China. É tão bom quanto — senão maior — do que em qualquer ponto de sua história em 2.000 anos.


Agora, ele tem que entregar. Isso não está sendo tão fácil.


Inundações. Pragas. Fome. COVID-19. Todos estão afetando o abastecimento e os preços dos alimentos.


Xi rapidamente recuou na experimentada e testada posição de cautela que é peculiar na maioria dos líderes autoritários em batalha: exaltar a grandeza de sua nação, sua história gloriosa, seu destino manifesto — e culpar todos os outros por seus infortúnios.


Mas o mundo não está se encolhendo diante da 'diplomacia lobo-guerreiro' como esperado.

Países estão revidando.


Austrália. Grã-Bretanha. Canadá. Índia. Japão. Vietnã. Todos permaneceram firmes diante das ameaças e intimidações chinesas extraordinárias. E, para o presidente Xi, isso é humilhante.


Agora os rumores estão começando dentro de seus átrios de poder. Xi desperdiçou a grande chance da China de ocupar seu lugar de direito no cenário mundial?


Em vez de recuar diante da ameaça de sanções econômicas, Canberra endureceu sua insistência no domínio do direito internacional nos mares do leste e do sul da China.


A Malásia, que está enfrentando incursões frequentes em sua zona econômica (ZEE) e interferência em suas operações comerciais no Mar do Sul da China, emitiu uma nota formal de reclamação sobre as ações da China no final do ano passado. Vietnã, Brunei, Indonésia e Filipinas seguiram o exemplo.


Até a Somália se posicionou. O embaixador chinês Qin Jian supostamente tentou uma abordagem de 'logo-guerreiro' em conversas recentes com o presidente Muse Bihi. Ele recebeu “ordens de marcha” (que se retirasse) e o governo da Somália iniciou contato diplomático com Taiwan. (aqui).


Crítica de alto perfil


Richard McGregor, do Lowy Institute, aponta que há sinais ocultos de dissidência entre a elite de Pequim.


A recente prisão de alto nível do professor de direito constitucional Xu Zhangrun em Pequim pode ser um aviso velado para todos eles. O crime do jurista foi defender a igualdade perante a lei para todos os cidadãos chineses.


Foram necessários uma dúzia de policiais para prender o intelectual de 57 anos em seu apartamento em Pequim no mês passado. Mas ele estava pronto. Ele disse que há tempos mantinha um conjunto de roupas sobressalentes perto da porta para levar quando fosse detido.


Agora ele é um sujeito do sistema legal controlado pelo Partido Comunista que ousou criticar.

A coerção pode funcionar bem para silenciar a dissidência interna. Internacionalmente? Não muito.


E por trás dos latidos e rosnados de seus diplomatas "lobos-guerreiros", Xi agora deve lidar com generais resmungões.


Vozes dissidentes na hierarquia das forças armadas


O general reformado Qiao Liang e um coronel sênior da Força Aérea do PLA em serviço, Dai Xu, são duas vozes proeminentes que soaram uma nota de discórdia em Pequim nas últimas semanas.


Qiao é um dos fundadores da moderna doutrina militar da China depois de publicar seu livro Unrestricted Warfare em 1999.


Ele ousou contradizer as ameaças agressivas do presidente Xi de assumir à força o controle da vizinha Taiwan.



“O objetivo final da China não é a reunificação de Taiwan, mas alcançar o sonho do rejuvenescimento nacional para que todos os 1,4 bilhão de chineses possam ter uma vida boa”, disse ele em uma entrevista recente. “Isso poderia ser alcançado retomando Taiwan? Claro que não."


O coronel Dai foi ainda mais direto sobre o custo potencial de uma guerra fria com os EUA em um ensaio intitulado: 2020, quatro coisas inesperadas e dez novos entendimentos sobre os Estados Unidos.


“Os EUA foram tão duros, ao impor aumento de tarifas cumulativos de 30 bilhões, 50 bilhões e depois 200 bilhões”, escreve ele. “Lembre-se: os 30 bilhões em tarifas impostas a você tem um efeito de 60 bilhões, 90 bilhões ou mais. Nesse quesito a América Imperial é verdadeiramente poderosa. Devemos ser racionais em vez de ficarmos irados e lutar com sabedoria.”


O coronel Zhou Bo, do Exército de Libertação Popular (PLA), também rejeitou o tom beligerante de seu grande líder em um artigo recente para o South China Morning Post de Hong Kong. Em vez de ser uma crise, ele argumentou que a última disputa com Washington foi apenas um “vento contrário”. Era de se esperar, pois Pequim continuou a “se desenvolver pacificamente” e Washington definhou em declínio.


“Mesmo que os EUA estejam recuando, Pequim tem negócios mais sérios para resolver do que enfrentar Washington, o mais importante é o 'grande rejuvenescimento da nação chinesa' até 2049”.


De acordo com McGregor, tudo isso sugere a política sombria nos corredores de poder de Pequim.


“Xi sempre teve seus críticos entre os acadêmicos liberais da China, que o culpam por provocar os Estados Unidos com suas políticas militares e diplomáticas assertivas”, escreve ele.


Eles preferem a política "esconda suas forças, espere seu tempo", promulgada pelo presidente Deng Xiaoping na década de 1980.


“Mas ao citar a doutrina de um líder político reverenciado como Deng, os liberais foram extremamente cuidadosos para criticar Xi, sem mencioná-lo pelo nome.”


Liderança vitalícia


A mídia controlada pelo estado chinês é quase estridente em sua declaração repetida: “O PCC deve ter liderança absoluta sobre os militares”.


Não é o estado. Não é o governo. Não é a lei. É o partido comunista. E Xi é seu líder vitalício.

“O PLA liderado por nosso Partido tem sido o pilar firme da república popular, uma grande muralha de aço em defesa da mãe-pátria e uma importante força na construção socialista”, diz um editorial no site oficial do PLA ChinaMil.


“E a lealdade ao CPC é a alma e a força vital do PLA e a razão pela qual o PLA pode superar as dificuldades e alcançar vitórias.”


Artigo após artigo. Vídeo após vídeo. Esta mensagem é proclamada repetidamente.


Como Pequim aprendeu várias vezes no século passado, um exército poderoso pode ser uma espada de dois gumes. Um motim em 1927 levou à militarização do PCCh e à bem-sucedida revolução de 1949.


“A China continuará a defender e melhorar a liderança absoluta do Partido sobre as forças armadas e garantir que eles cumprirão fielmente suas missões na nova era”, decretou o Comitê Central no ano passado.


Este ano, eles têm dado motivos para distração do PLA — tensões aumentadas no Mar Oriental e Meridional da China, no Himalaia, contra Taiwan e os Estados Unidos.

Xi instruiu suas tropas em maio — “Preparem-se para os piores cenários”.


“Embora o principal objetivo da campanha nacionalista de Pequim tenha sido construir apoio doméstico para o Partido Comunista Chinês (PCC), isso também alimentou tensões com Washington, à medida que cada lado tenta superar o outro ao transferir a culpa e evitar responsabilidades”, professora Jessica Chen Weiss, da Cornell University, que escreve sobre Relações Exteriores.


“A diplomacia do lobo-guerreiro pode apaziguar os nacionalistas chineses em casa, mas limitará o apelo da China no exterior. A xenofobia e a repressão em nome da estabilidade nacional — seja em relação aos migrantes africanos em Guangzhou, às minorias da Ásia Central em Xinjiang ou à etnia chinesa em Hong Kong — desmascararam os esforços chineses de projetar uma imagem benevolente e magnânima”.


Amigos perdidos


Pequim está perdendo rapidamente os amigos que possui.


“A China prestou assistência a tantos países, beneficiando-os de tantas maneiras, mas, neste momento crítico, nenhum deles realizou qualquer ação unificada com a China”, lamenta o Coronel Dai.


Essa precipitação também está afetando gravemente muitas corporações chinesas importantes, com fortes laços com a liderança militar. Alibaba, Huawei e Tencent são apenas os nomes mais proeminentes que enfrentam uma intensa reação internacional.


Suas perdas financeiras serão sentidas pessoalmente por muitos generais do PLA.

E generais insatisfeitos tornam os líderes autoritários apreensivos.


Xi deve recuar? Ou Xi deve avançar?


McGregor diz que é improvável que Pequim ceda, pois tem “um sistema militar e político poderoso com uma mentalidade profundamente adversária em relação ao Ocidente”.


“Esses fatores por si só, juntamente com as ambições de Xi para a China e sua disciplina de ferro em executá-las, tornam difícil para a China definir um novo rumo”, escreve ele. “Eles já 'deixaram a América com raiva' e será difícil reverter isso. Da mesma forma, esses fatores também garantiram que a resistência global mais coordenada contra a China será sustentada por algum tempo ”.


Weiss concorda. “Mesmo que Pequim reconheça esses problemas, o custo será elevado — embora não impossível — para a liderança chinesa restringir o nacionalismo que desencadeou.”


Jamie Seidel é um escritor freelance | @JamieSeidel


ARTIGO ORIGINAL:

https://www.news.com.au/technology/innovation/military/china-leader-xi-jinping-slammed-for-his-wolf-warrior-tactics/news-story/46a01fa8a30eba1a7cad0e217c726d23

23 views

© Todos os Direitos Reservados - heitordepaola.online

  • Facebook
  • Twitter
  • YouTube