Carruagem sem cavalo

21/10/2019


- THE EPOCH TIMES -

Tradução César Tonheiro




UM DILEMA DE CRESCIMENTO: A CHINA EM UMA GANGORRA ECONÔMICA


20 de outubro de 2019 por Cheng Xiaonong



O declínio na economia chinesa é uma conseqüência natural da busca cega e implacável do Partido Comunista Chinês (PCC) por alto crescimento. 


Longe vão os dias de prosperidade temporária impulsionada pelas exportações e pelos preços dos imóveis. Agora, Pequim está tentando desesperadamente sustentar a economia jogando um perigoso jogo de gangorra entre o aumento dos preços da habitação e o declínio do consumo. 


Este é um último recurso, insatisfatório e ineficaz, que falhará em parar ou esconder a desaceleração cada vez mais óbvia da economia chinesa.



DO FRENESI DO CRESCIMENTO AO DILEMA DO CRESCIMENTO

O crescimento econômico de um país se baseia em três fatores, geralmente chamados de carruagem de três cavalos. São exportação, consumo e investimento. O crescimento econômico diminuiria significativamente quando um ou dois cavalos perdessem a mobilidade. Se todos os três falharem, a economia não pode ir longe.


A economia chinesa hoje é como uma carruagem sem cavalo. Devido à recente deterioração do relacionamento China-EUA, as exportações da China sofreram perdas significativas, com o volume de exportações em agosto caindo 4,3% em relação ao ano passado, o primeiro declínio em quase três anos. Nesse meio tempo, tanto o investimento quanto o consumo também diminuíram. O crescimento do investimento imobiliário diminuiu por quatro meses consecutivos, e a atividade manufatureira de agosto caiu 1,6% em comparação com o ano anterior. O poder de compra do consumidor também está enfraquecendo. Embora as autoridades chinesas tenham que admitir a tendência de queda, não estão dispostas a reconhecer que o frenesi do passado por alto crescimento é a verdadeira causa do declínio atual.


Vamos primeiro discutir o absurdo da corrida ao ouro nas exportações da China. Depois que a China ingressou na OMC em 2001, ela se baseou em exportações para impulsionar sua economia. Entre 2003 e 2007, as exportações da China aumentaram 25% a cada ano.


A dependência do comércio exterior da China (ou FTD, proporção da quantidade total de comércio exterior de um país em relação ao seu PIB) subiu de 38,5% em 2001 para 67% em 2006, mais de quatro vezes mais que o pico de FTD do Japão no final de sua era da bolha dos preços dos ativos. Bêbada com sua prosperidade sem esforço, a China não percebeu que esse crescimento dependente de exportação não é apenas insustentável, mas também muito frágil.


Um país pode manter uma taxa de crescimento anual de 25% nas exportações por décadas? Obviamente não. Para um país muito pequeno com baixo volume de exportação, teoricamente pode ser possível manter um superávit comercial de longo prazo. Mas para um país grande como a China, com 26% da força de trabalho mundial, o mercado global é pequeno demais para manter o crescimento das exportações a longo prazo, mesmo que todos os outros países industrializados parem de exportar. Do ponto de vista do equilíbrio econômico internacional, o comércio só é sustentável quando ambas as partes se beneficiam. Se a China foi a única vencedora com um superávit comercial permanente sobre todos os outros países, algum país terá a capacidade de importar continuamente da China? Isso é simplesmente irreal. Portanto, é apenas uma questão de tempo para que esse crescimento nas exportações termine.


Sem surpresa, as exportações da China começaram a enfraquecer por volta de 2012, e sua expansão agressiva nos Estados Unidos e sua violação da propriedade intelectual dos EUA levaram à guerra comercial no ano passado. Para a China, isso marca o fim de muitos anos de prática em acumular reservas de divisas através de superávit comercial de centenas de bilhões de dólares com os Estados Unidos. Em retrospectiva, a guerra comercial era facilmente previsível.


Agora vamos ver como a bolha imobiliária foi criada. A China começou a impulsionar o desenvolvimento imobiliário em 2008, a fim de impulsionar o crescimento econômico. Na década passada, a rápida inflação da bolha imobiliária levou a um mercado em que a oferta excede em muito a demanda. 


Também criou uma cadeia industrial anormalmente desenvolvida em torno do setor imobiliário. Os governos locais levantaram dívidas para construir infraestrutura para permitir o desenvolvimento imobiliário. Também existe uma potencial crise financeira devido à dependência de imóveis entre bancos e credores privados. Hoje, a estratégia de crescimento liderada pelo setor imobiliário chegou ao fim.


Pequim costuma lembrar ao mundo que a população de mais de um bilhão de habitantes da China é igual a um alto potencial de consumo para estimular e manter o crescimento econômico. No entanto, a comunidade empresarial chinesa está apreensiva porque não vê oportunidades de negócios. A maioria deles não percebeu que estava testemunhando a materialização das amargas conseqüências da irresponsável política imobiliária do PCC.


Os altos preços da habitação resultantes da bolha imobiliária há muito vêm esmagando o poder de compra dos consumidores chineses. O medo de Pequim de uma grave crise financeira colocou a economia chinesa em uma gangorra perigosa, com a bolha imobiliária de um lado e o consumo interno do outro. Enquanto faz malabarismos e diminui os dois fatores, Pequim emite promessas vazias sobre estimular a economia com o consumo.


Para ser mais específico, se os preços da habitação continuarem a aumentar (tornando-se mais inacessíveis), os consumidores não terão escolha a não ser reduzir os gastos, o que levará a um menor consumo. 


Por outro lado, se os preços da habitação caírem significativamente, os bancos serão inundados com dívidas incobráveis, enquanto os tomadores de empréstimos ficarão submersos (a dívida é maior que o valor da habitação). Nesse caso, embora os novos compradores de imóveis possam ter maior poder de consumo devido a preços mais baixos da habitação, a classe média que muitas vezes possui várias propriedades sofrerá uma grande perda de ativos, levando a gangorra a se inclinar na direção oposta. Seja qual for o lado, são apenas dois cenários diferentes de adversidades econômicas e nenhum deles levará a uma saída do dilema.


DÍVIDAS DOMÉSTICAS QUE SUFOCAM O CONSUMO


O Instituto de Pesquisa do Banco da China admitiu em um relatório de 25 de setembro que "a pressão descendente sobre a economia da China tem aumentado significativamente" por causa da "demanda doméstica reduzida". 


Desde 2015, a dívida das famílias chinesas com relação à renda disponível aumentou rapidamente de 89% para 120%, um aumento anual de 10 pontos percentuais. A proporção parece ser uma métrica tabu na China, com os pesquisadores combinando frequentemente as famílias com dívida e as que não têm um índice de dívida mais baixo.


No entanto, o Financial Times da China revelou em abril que uma pesquisa de 2017 revelou que o índice de cobertura do serviço da dívida (DSCR) dos consumidores chineses é maior do que países desenvolvidos como Reino Unido, Estados Unidos, Japão, França e Alemanha. Para muitas famílias urbanas chinesas, as obrigações de pagamento da dívida comprimiram amplamente seu orçamento.


As compras de carros representam apenas uma pequena parcela das dívidas das famílias. De acordo com o Banco do Povo Chinês (PBOC), 61,4% dos empréstimos anuais de 52,8 trilhões de yuans a residentes são empréstimos consumados de médio/longo prazo, ou hipotecas de habitação. Não é de surpreender que os chineses emprestem principalmente para comprar imóveis.


À medida que os altos preços e hipotecas da habitação sangram as carteiras dos consumidores chineses, o poder de consumo naturalmente murcha. Não são apenas os millennials chineses afetados, mas seus pais também sofrem porque muitas vezes precisam ajudar a financiar o adiantamento.


ESTABILIZAR A ECONOMIA POR GANGORRA?


Hoje a estratégia do PCC é manter o nível da gangorra. Por um lado, Pequim tem tentado controlar os preços da habitação para evitar suprimir o poder de compra; por outro lado, lançou várias políticas (por exemplo, veículos para combustíveis alternativos, incentivos à compra de carros rurais e promoções para a atualização de equipamentos) no intuito de estimular os gastos dos consumidores.


Mas, assim como a mídia oficial chinesa disse, essas políticas de estímulo são muito menos efetivas do que o esperado. Simplificando, os chineses têm de se endividar demais para aumentar gradualmente o consumo.


Sem dúvida, o jogo da gangorra gerará pouca força para a economia. Qualquer criança que já brincou em uma gangorra sabe como é difícil manter o nível da tábua. No entanto, o PCCh realmente não tem outra maneira de tentar reconstruir a economia.


Na China de hoje, a tendência econômica descendente se tornou um problema sem solução óbvia. A desaceleração econômica se tornará apenas mais grave com o tempo. 


Para o PCC, as dificuldades econômicas irritantes se tornaram uma nova norma que o partido não quer admitir.


As opiniões expressas neste artigo são de opinião do autor e não refletem necessariamente as opiniões do Epoch Times.


Artigo original:

https://www.theepochtimes.com/%c2%ad%c2%ada-growth-dilemma-china-on-an-economic-seesaw_3121927.html

31 views

© Todos os Direitos Reservados - heitordepaola.online

  • Facebook
  • Twitter
  • YouTube