Ambiente de mercado da China se deteriora à medida que a confiança do investimento estrangeiro cai

THE EPOCH TIMES - Kathleen Li e Sean Tseng - TRADUÇÃO CÉSAR TONHEIRO - NOV 9, 2022


As perspectivas de negócios da China caíram para um mínimo histórico, enquanto as previsões de receita atingiram o menor nível em uma década, de acordo com centenas de empresas americanas que operam no país.


Um relatório anual de negócios divulgado pela Câmara Americana de Comércio em Xangai (AmCham Shanghai) em 28 de outubro mostrou que apenas 55% das empresas pesquisadas estavam otimistas ou ligeiramente otimistas sobre as perspectivas de negócios da China em cinco anos, uma queda significativa de 23 pontos em relação a 2021.


As principais descobertas do Relatório de Negócios da China de 2022 indicam que 47% dos entrevistados projetam que a receita em 2022 cairá 29 pontos em relação ao ano passado, expectativa mais baixa em pelo menos uma década.



Da mesma forma, 47% dos entrevistados esperam que o crescimento da receita na China ultrapasse o crescimento mundial de suas empresas nos próximos três a cinco anos, caindo 22 pontos em relação ao ano passado.


Além disso, 52% das empresas pesquisadas disseram que a confiança de suas sedes corporativas na gestão econômica da China piorou no ano passado, enquanto apenas 18% classificaram a China como seu principal destino de investimento, abaixo dos 27% em 2021.


O relatório também revelou que apenas 17% das empresas pesquisadas disseram que as políticas e regulamentações governamentais do país para empresas estrangeiras melhoraram no ano passado, uma queda de 19% em relação a 2021.

Além da AmCham Shanghai, a Câmara de Comércio Europeia publicou avisos semelhantes em um documento que disse ter informações de 1.800 empresas membros, que também continha 967 recomendações para a China, a União Europeia e empresas europeias relacionadas a fazer negócios no país.


Em setembro, o principal grupo da indústria europeia alertou que as empresas estavam perdendo a confiança na China e que sua posição como destino de investimento estava sendo corroída, citando sua política COVID-zero de “inflexível e implementada de forma inconsistente” como um fator-chave.


O relatório, que abordou questões de Taiwan ao comércio, disse, por exemplo, que o regime chinês deveria se abster de “mudanças políticas erráticas”.


“O mundo vive com imunidade de rebanho, e a China espera até que o mundo se livre da Omicron, o que é, obviamente, improvável”, disse o presidente da câmara, Joerg Wuttke, em uma coletiva de imprensa, referindo-se à rígida postura de zero COVID do regime chinês, que levou a bloqueios frequentes e manteve as fronteiras fechadas principalmente para viagens internacionais.


Além do COVID-19, a câmara disse que as reformas paralisadas das empresas estatais da China, provocou um êxodo de cidadãos europeus da China, juntamente com restrições de viagem para funcionários chineses irem para o exterior, e o aumento da politização dos negócios também estão prejudicando a atratividade da China.


O relatório disse que números recordes de empresas procuram transferir investimentos atuais ou planejados para outros mercados.


Saída Significativa de Capital Estrangeiro


Embora os relatórios divulgados pela AmCham Shanghai e pela Câmara Europeia indiquem um ambiente de negócios severamente deteriorado e o investimento estrangeiro em declínio na China, a mídia estatal China Securities Journal publicou um artigo sugerindo que as empresas estrangeiras estão “coletivamente otimistas” sobre o mercado chinês e que o investimento estrangeiro aumentou em relação ao ano anterior.


Em resposta às alegações feitas pela mídia estatal chinesa, Grace Li, economista de Cingapura especializada na economia chinesa, disse ao Epoch Times que os dados chineses carecem de credibilidade.


“Por exemplo, em setembro, a Bloomberg informou que o uso de capital estrangeiro pela China aumentou 17,3% nos primeiros sete meses deste ano em comparação com o mesmo período do ano passado. No entanto, descobriu-se que 76% do chamado capital estrangeiro eram fundos transferidos de volta para a China continental por meio de empresas financiadas por chineses com sede em Hong Kong”, disse Li.


“A política de COVID-zero de Pequim, a forte desaceleração do mercado imobiliário e da economia, a crescente tensão EUA-China, a postura pró-Rússia na guerra Rússia-Ucrânia e a ameaça de guerra contra Taiwan são fatores que levaram à contínua retirada de capital estrangeiro da China”.


Ela disse que dados do Instituto de Finanças Internacionais (IIF), uma associação comercial global, mostraram que nos oito meses de fevereiro a setembro deste ano, mais de US$ 98,2 bilhões em capital estrangeiro foram retirados do mercado de títulos chinês.


“Após o 20º Congresso do Partido Comunista Chinês (PCC), não apenas as ações de Hong Kong, o mercado de A-shares (ações negociadas nas duas bolsas de valores do continente chinês) despencou, assim como a taxa de câmbio do yuan e as ações chinesas nos EUA e na China também despencaram. Estas são fortes indicações de que os investidores estrangeiros não estão otimistas com o mercado chinês e estão 'batendo em retirada' e acelerando a fuga de capital da China”, acrescentou Li.

Investidores chineses em frente a um quadro de preços de ações mostrando preços em queda em uma empresa de segurança privada em Xangai em 6 de outubro de 2008. (Mark Ralston/AFP via Getty Images)

Confiança de Negócios Estrangeiros Rejeitada: Três Fatores Principais


Em um pequeno vídeo de introdução ao Relatório de Negócios da China de 2022, Sean Stein, presidente da AmCham Shanghai, identificou “três fatores principais” que as empresas pesquisadas disseram que fariam o máximo para ajudar seus negócios na China.


A resposta mais recebida foi “flexibilizar as políticas de COVID-zero da China”, seguida por “uma melhoria nas relações EUA-China” e “o crescimento do mercado consumidor da China”.


De acordo com o relatório, 19% das empresas pesquisadas estão reduzindo seus investimentos na China este ano em relação ao ano passado. Os principais motivos estão todos relacionados às políticas de prevenção à pandemia do país.

Enquanto países em todo o mundo suspenderam completamente ou aliviaram substancialmente as restrições de viagem relacionadas ao COVID, a China não mostrou sinais de afrouxar sua rigorosa política de COVID-zero.


Os comentários do líder chinês Xi Jinping no recém-concluído 20º congresso do Partido parecem frustrar as esperanças do povo chinês que procura sinais de afrouxamento da política. A abordagem draconiana visa eliminar todas as infecções entre as comunidades por meio de bloqueios rigorosos, testes repetidos e vigilância em massa.

O líder chinês Xi Jinping faz um discurso durante a sessão de abertura de uma importante conferência política do Partido Comunista Chinês em Pequim, em 16 de outubro de 2022. (Noel Celis/AFP via Getty Images)

Da mesma forma, as perspectivas das relações EUA-China continuam sombrias, conforme percebido pela mídia e especialistas.


Li disse que o PCC parece estar se preparando para possíveis conflitos EUA-China no futuro. E que a China está ativamente reconstruindo cooperativas de abastecimento e comercialização, cantinas estatais para guerras e fomes, e acelerando em direção a uma economia planejada.


“O mercado consumidor chinês também está muito lento”, disse Li. “As medidas de confinamento impactaram significativamente tanto a produção quanto o consumo, levando ao aumento do desemprego e à diminuição da renda, formando um círculo vicioso. Muitos da chamada classe média voltaram à pobreza.”


Enquanto isso, as vendas de imóveis na China continuam caindo, as empresas imobiliárias estão passando por crises de dívida e os riscos financeiros continuam aumentando.


O relatório da AmCham indica que mais de 56% das empresas pesquisadas acreditam que as atuais políticas do governo chinês favorecem as empresas locais, 5% acima do ano passado e o nível mais alto desde 2017.


A Tiger Global Management, uma empresa de investimento americana e investidora de longa data na China, suspendeu o investimento na China enquanto reavalia os riscos. A empresa reduziu suas participações em ações chinesas este ano e mudou seu foco de investimento para a Índia e o Sudeste Asiático. A medida foi supostamente impulsionada pelo aumento das tensões geopolíticas e a continuidade de Pequim com sua política de COVID-zero.


Li acrescentou que, enquanto a China continuar reprimindo sua própria economia privada, é improvável que veja um aumento na entrada de capital estrangeiro.

A Reuters contribuiu para este relatório.


Kathleen Li contribui para o Epoch Times desde 2009 e se concentra em tópicos relacionados à China. Ela é engenheira, formada em engenharia civil e estrutural na Austrália.


Sean Tseng é um escritor de Taiwan. Ele se concentra nas notícias da China.


ORIGINAL >

https://www.theepochtimes.com/chinas-market-environment-deteriorates-as-foreign-investment-confidence-drops-to-new-low_4852694.html


19 views0 comments