Wall Street sob ameaça pior que o vírus da China

18/03/2020


- PRESENT DANGER CHINA -

Tradução César Tonheiro



O colunista do Washington Post, Josh Rogin, considera a penetração chinesa dos índices de Wall Street uma "maior ameaça financeira que o coronavírus"


18 de março de 2020 pelo Comitê sobre o Perigo Presente: China


Cita a preocupação do conselheiro de segurança nacional O'Brian sobre o financiamento do Exército da República Popular da China (RPC).


WASHINGTON, DC - Em 12 de março, o Washington Post publicou uma poderosa acusação dos veículos de investimentos passivos conhecidos como índices que agora dominam o mercado de capitais dos EUA. O colunista Josh Rogin descreveu a prática de Wall Street de usar esses instrumentos para instilar empresas chinesas problemáticas em nossos mercados de capitais como "uma ameaça financeira ainda maior" que o coronavírus.


Rogin cita com presteza o Conselheiro de Segurança Nacional do Presidente Trump, Robert O'Brien , que disse ao público da Heritage Foundation na quarta-feira passada: "Não vejo por que devemos apoiar a indústria de defesa chinesa". A questão é recorrente em relação ao motivo pelo qual os investidores americanos desejam financiar as atividades de outras empresas, que permitem ao Partido Comunista Chinês, por exemplo,: reprimir seu povo; colonizar nações ao redor do mundo; construir bastiões fortificados no mar da China Meridional; e dominar o espaço — para não falar daqueles que foram realmente sancionados pelo governo dos EUA por suas atividades de proliferação ou violações dos direitos humanos.


Indicações dos sentimentos reais do povo americano em relação a esses tópicos podem ser encontradas em uma notável pesquisa com 1.000 prováveis eleitores conduzidos para o Comitê sobre o perigo presente: China por McLaughlin and Associates no final de janeiro de 2020 — antes das implicações de o vírus Wuhan começar a inflamar nossos compatriotas e mulheres sobre os perigos da pandemia. Quando séries de perguntas foram feitas sobre porque Wall Street permitia atividades chinesas ameaçadoras, a vasta maioria se opunha a essa infração financeira. Curiosamente, esse foi o caso em todos os subgrupos demográficos indagados nesta pesquisa.


Decorre que o aviso de Josh Rogin chega em um momento mais propício: todas as outras coisas são semelhantes, espera-se que, no futuro próximo, o Plano de Poupança do governo federal tome medidas que obriguem o pessoal militar de nosso país, legisladores e outros funcionários do governo a começar [des]investir nessas empresas chinesas. Até o presente momento o Federal Retirement Thrift Investment Board (FRTIB) rejeitou a oposição bicameral e bipartidária à sua decisão de "espelhar" o índice Morgan Stanley Capital International All-Country World ex-U.S. index, que em breve deverá ter 7% de seu portfólio em empresas da RPC.


Também em 12 de março, o senador Marco Rubio convocou uma audiência do Comitê de Pequenas Empresas para avaliar o impacto do coronavírus nas cadeias de suprimentos de pequenas empresas da América. Uma das testemunhas foi Tim Morrison, ex-membro do Conselho de Segurança Nacional de Trump (mais conhecido por seu vigoroso testemunho durante o processo de impeachment da Câmara). Durante sua aparição no Senado, Morrison observou: “Nossas pequenas e médias empresas e outros empreendimentos americanos estão cumprindo um conjunto de regras e os chineses estão jogando por outro conjunto de regras. Em outro campo da segurança nacional, chamaríamos isso de desarmamento unilateral ... Não coloque nossos negócios em um campo de atuação diferente e vincule-os a regras diferentes das que os chineses mantêm [seus] negócios”.


Embora os comentários de Morrison tenham sido feitos em outro contexto, eles se aplicam igualmente à prática que permitiu às empresas chinesas acumularem estimativas de até US $ 3 trilhões em nossos mercados de capitais até o momento: a Securities and Exchange Commission (SEC) permitiu que simplesmente ignorassem as leis federais em relação à transparência, responsabilidade, governança e divulgação de riscos relevantes que as empresas americanas devem cumprir. De acordo com um artigo publicado na Real Clear Politics no ano passado por Christopher Iacovella, CEO da American Securities Association, esse acordo de amor se traduz em uma considerável vantagem chinesa sobre as empresas listadas no país. Este último deve pagar, em média, US $ 1,5 milhão para atender aos requisitos estatutários de auditoria, relatórios e divulgação.


O absurdo — para não dizer imprudência — de um padrão tão duplo é confirmado pela pesquisa inestimável realizada pelo ex-diretor sênior de Assuntos Econômicos Internacionais do Reagan National Security Council, Roger Robinson, e seu grupo consultivo da RWR Advisory LLC.  A coluna Rogin cita a observação de Robinson de que, tendo em vista que nem a SEC nem os índices estão realizando a devida diligência em relação a empresas chinesas no mercado de capitais dos EUA, no mínimo os responsáveis por investir em nome de funcionários públicos devem ser responsabilizados pelos riscos materiais associados aos investimentos em empresas chinesas: “O CalPERS e outros sistemas públicos de pensão do estado devem assumir adequadamente a responsabilidade direta pelos maus gestores sancionados pelos EUA e por outros chineses que acabam em suas carteiras de investimentos e não tentar simplesmente transferir a culpa para os provedores de índices.”

Outra exposição digna de nota em 12 de março foi uma apresentação de Robinson, que se juntou ao vice-presidente do CPDC , Frank Gaffney, em Manchester, New Hampshire, na abordagem dos perigos cada vez maiores para os Estados Unidos e a liberdade em geral pelo Partido Comunista Chinês.  Eles discutiram longamente o grau em que os investidores individuais e institucionais americanos estão — graças à falta de divulgação, presume-se involuntária — contribuindo para essas ameaças através das compras com seus fundos de ações e títulos corporativos da RPC pelos MSCI, FTSE, Bloomberg-Barclay e outros índices. Robinson observou que, além dos trilhões de dólares que já foram transferidos de nossos mercados de capitais para o Partido Comunista Chinês (PCC), todas as outras coisas são idênticas, o Partido pode tentar extrair entre US $ 3 trilhões a US $ 5 trilhões a mais nos próximos anos. O vídeo que trata do tema estará disponível no site do Comitê, www.PresentDangerChina.org


Comissão do Perigo Presente: China elogia fortemente os membros do Poder Executivo, como Conselheiro de Segurança Nacional Robert O'Brien, aqueles no Congresso liderado pelo senador Marco Rubio, líderes de opinião pública como Josh Rogin e profissionais de segurança nacionais como Roger Robinson por seus esforços para impedir que este país, parafraseando Vladimir Lenin, financie ainda mais a compra da corda com a qual os chineses comunistas nos enforcarão.



https://presentdangerchina.org/2020/03/washington-post-columnist-josh-rogin-calls-chinese-penetration-of-wall-street-indexes-a-bigger-financial-threat-than-coronavirus/

© Todos os Direitos Reservados - heitordepaola.online

  • Facebook
  • Twitter
  • YouTube