Vacinas fabricadas na China podem causar efeitos, como dor de cabeça, febre, vômito e diarreia

- THE EPOCH TIMES - 23 Dez, 2020 -

NICOLE HAO - Tradução César Tonheiro -


Pequim exige que milhões de pessoas recebam vacina COVID-19 fabricada na China enquanto os testes continuam


POR NICOLE HAO 23 de dezembro de 2020


O regime chinês determinou recentemente que 50 milhões de doses de vacinas COVID-19 devem ser administradas a pessoas designadas como de alto risco até 15 de fevereiro de 2021 embora as empresas farmacêuticas ainda não tenham concluído os testes e as vacinas ainda não tenham sido aprovadas pelos reguladores.

Enquanto isso, a Fosun Pharmaceutical anunciou que encomendou 100 milhões de doses da vacina COVID-19 desenvolvida pela empresa farmacêutica alemã BioNTech, que chegará à China em 2021. A BioNTech fez parceria com a Pfizer para fornecer vacinas para os mercados dos EUA e da UE, que foram aprovadas por seus respectivos reguladores, mas a vacina desenvolvida para o mercado chinês ainda está em teste de Fase II.


A China tem cinco vacinas COVID-19 diferentes em desenvolvimento, de acordo com autoridades de saúde.

Atualmente, todas as cinco ainda estão sob o ensaio de fase III, que é um ensaio clínico conduzido em um grande grupo de pessoas para ver se a droga é eficiente ou tem efeitos colaterais.

Duas delas são desenvolvidas em colaboração com institutos de pesquisa estatais chineses, Academia de Ciências Médicas Militares e Academia Chinesa de Ciências.

As autoridades chinesas também alertaram recentemente que as vacinas fabricadas na China podem causar efeitos colaterais, como dor de cabeça, febre, vômito e diarreia.

Reportagens da mídia revelaram que centenas de trabalhadores chineses no exterior foram infectados com COVID-19, mesmo após receber vacinas fabricadas na China .

Técnicos que processam testes COVID-19 em um laboratório em Tianjin, China, em 23 de novembro de 2020. (STR / CNS / AFP via Getty Images)

50 milhões de vacinas

O Conselho de Estado da China, semelhante a um gabinete, anunciou em uma entrevista coletiva em 19 de dezembro que arranjaria “grupos de alto risco” para receber a vacina COVID-19.

São eles: pessoas que trabalham na logística de alimentos congelados, pessoal de fronteira alfandegária, pessoal médico e de controle de doenças, trabalhadores em feiras de produtores e de frutos do mar e trabalhadores em transporte público.

O vice-diretor da Comissão Nacional de Saúde da China, Zeng Yixin, esclareceu que as vacinas ainda não foram aprovadas para venda no mercado. Ele disse que idosos e pessoas com problemas de saúde que os colocam em risco de complicações do COVID-19 receberão as vacinas após obterem a aprovação regulamentar.

A mídia chinesa informou que o governo central planejou 50 milhões de vacinações, com 25 milhões de pessoas recebendo a primeira dose antes de 15 de janeiro de 2021, e depois recebendo a segunda dose antes de 15 de fevereiro de 2021.

Um ex-especialista em vacinas do programa de imunização do Centro para Controle e Prevenção de Doenças de Xangai, Tao Lina, disse ao Health Times que estimou que os reguladores poderiam aprovar a primeira vacina COVID-19 até abril de 2021.

Enquanto isso, o comentário recente de um especialista em saúde atraiu a ira de internautas. O diretor do departamento de doenças infecciosas do Hospital Fudan University Huashan, Zhang Wenhong, sugeriu durante uma reunião da associação médica em 22 de dezembro que as autoridades estaduais deveriam ser vacinadas primeiro, alegando que seria um escândalo se um líder do governo estivesse infectado com COVID-19.

Um menino olha para a vacina candidata da Sinovac Biotech para COVID-19 em exibição na Feira Internacional de Comércio de Serviços da China em Pequim, China, em 6 de setembro de 2020. (NOEL CELIS / AFP via Getty Images)

Efeitos colaterais

Em 19 de dezembro, o Conselho de Estado postou em seu site oficial sobre os efeitos colaterais das vacinas COVID-19 fabricadas na China.

“Os efeitos colaterais comuns incluem principalmente dor de cabeça, febre, vermelhidão ou caroços no local da injeção, tosse, perda de apetite, vômitos e diarréia”, disse o post. “Os efeitos colaterais negativos geralmente aparecem 30 minutos após o recebimento da vacina”.

O conselho disse às pessoas que elas deveriam receber vacinas em hospitais qualificados e não deveriam deixar as instalações por pelo menos 30 minutos após a inoculação, pois o tratamento pode ser necessário para neutralizar os efeitos colaterais.

Além disso, o Conselho disse que a vacina só pode proteger as pessoas por cerca de seis meses.

“Depois de receber a vacina COVID-19, todos ainda precisam manter proteção privada adequada, como usar máscaras, manter distância social, lavar as mãos com frequência e assim por diante, porque nenhuma vacina pode proteger você 100%”, dizia o aviso.

A província de Jiangsu, no leste da China, anunciou em 17 de dezembro que adquiriu vacinas COVID-19 desenvolvidas pelas empresas estatais Sinovac e Beijing Biological Products Institute em 15 de dezembro, ambas com preço de 200 yuans ($ 30,58) por dose muito mais alto do que o preço em países onde essas empresas vão exportar suas vacinas, em torno de US $ 2 por dose.

Um funcionário trabalha em kits de detecção COVID-19 em um laboratório em Shenyang, China, em 14 de dezembro de 2020. (STR / AFP via Getty Images)

O mandato para administrar vacinas que não foram aprovadas pelos reguladores está gerando preocupação. O portal de mídia de Hong Kong HK01 publicou um comentário em 22 de dezembro que instava Pequim a repensar a decisão.

Dentro da China continental, os internautas também expressaram que estavam preocupados com a segurança das vacinas.

ARTIGO ORIGINAL:

https://www.theepochtimes.com/beijing-mandates-millions-to-get-china-made-covid-19-vaccine-shots-despite-still-undergoing-testing_3630915.html

221 views0 comments