Vacinas COVID-19

- THE EPOCH TIMES - Oct 6, 2020 -

Nicole Hao - Tradução César Tonheiro -



Pequim busca exportar agressivamente suas vacinas COVID-19 a preços baratos

6 de outubro de 2020 por Nicole Hao


Relatórios recentes da mídia chinesa revelaram que Pequim estava tentando exportar vacinas COVID-19 a preços extremamente baixos, enquanto as vendia a taxas consideravelmente mais altas — mais de 22,5 vezes em um caso — dentro da China.


Enquanto os países correm para desenvolver uma vacina segura, o regime chinês pressiona agressivamente para que os fabricantes chineses exportem suas doses para países estrangeiros.


Uma empresa farmacêutica chinesa disse que venderia a vacina ao Brasil por cerca de US $ 2 a dose. Mas em entrevistas com a mídia chinesa, o CEO da empresa disse que venderia a vacina por 300 yuans (cerca de US $ 44) por dose na China.


Os US $ 2 por dose são mais baixos do que os preços de outros fabricantes globais.


Em 5 de agosto, a Johnson & Johnson anunciou que chegou a um acordo com o governo dos EUA para fornecer 100 milhões de doses de sua vacina experimental, Ad26.COV2.S, após obter a aprovação do FDA (Food and Drug Administration). O governo dos Estados Unidos está financiando os custos de fabricação e oferecerá a vacina “sem fins lucrativos” a US $ 10 por dose.


Outra gigante farmacêutica americana, a MODeRNA, disse em agosto que os contratos de menor volume para a vacina experimental da empresa terão preços na faixa de US $ 32 a US $ 37 por dose. Os negócios de maior volume teriam preços mais baixos.


Enquanto isso, a AstraZeneca, com sede no Reino Unido, disse que sua vacina seria distribuída pelo Instituto Serum da Índia e outros países em desenvolvimento por cerca de US $ 3 por dose.


A Pfizer e a BioNTech, entretanto, anunciaram que ofereceriam suas 100 milhões de doses de uma vacina COVID-19 baseada em mRNA de graça, já que o governo dos Estados Unidos se comprometeu a pagar por elas.


As autoridades chinesas incentivaram publicamente as empresas farmacêuticas chinesas a exportar suas vacinas desenvolvidas.



Tang Jingyuan, comentarista de assuntos da China com sede nos EUA, disse que Pequim pretende dominar o mercado global com vacinas baratas para que possa construir sua imagem como salvador global no combate à pandemia.

“Ele quer mostrar ao mundo que um sistema de governo totalitário é mais eficaz”, disse Tang.

O regime chinês também quer influenciar outros países a apoiar sua agenda. “É provável que os países subdesenvolvidos dependam de suas vacinas, então esses países o apoiariam nas Nações Unidas e em outras organizações internacionais”, disse Tang.



Preço chinês

O Global Times, estatal chinês, relatou em seu site em inglês em 2 de outubro que o governo do estado de São Paulo encomendou 46 milhões de doses da vacina COVID-19 da empresa chinesa Sinovac Biotech a um preço de US $ 90 milhões.


O Global Times citou uma fonte da empresa que disse que o preço unitário do negócio seria em torno de US $ 2 por dose.


O governador de São Paulo, João Doria, confirmou o negócio em 2 de outubro. Ele disse que havia pedido à agência reguladora de saúde brasileira, Anvisa, o registro da vacina candidata COVID-19 da SinoVac.


No entanto, o Global Times não noticiou esse negócio no idioma chinês. Nem outros estabelecimentos estatais da China continental.


O veículo de mídia pró-Pequim Phoenix, de Hong Kong, relatou o acordo em 2 de outubro, mas o artigo foi rapidamente removido de seu site e contas de mídia social .


De acordo com uma versão do artigo em cache na web, o veículo citou o CEO e presidente da Sinovac, Yin Weidong, que disse que a empresa adotará um “preço de mercado internacional” para vender sua vacina na China, estimando que o custo no mercado interno deve ser menor de 600 yuans (US $ 88,35) para duas doses.


Para potenciais compradores na Indonésia e na Turquia, Yin disse que a Sinovac lhes daria um preço baixo, mas não citou um valor.


O relatório observou que a vacina pode ter efeitos colaterais. “Se os efeitos colaterais não forem sérios ou apenas uma porção relativamente pequena das pessoas inoculadas apresentarem efeitos colaterais, isso não será um problema e a vacina candidata é segura”, disse.


Durante o ensaio clínico de fase III do Sinovac, algumas pessoas relataram efeitos colaterais de febre, braços ou outros locais onde a vacina foi injetada, sentindo dores, e assim por diante, afirmou o relatório.


Outras farmacêuticas chinesas que estão desenvolvendo vacinas COVID-19 incluem a empresa farmacêutica estatal China National Pharmaceutical Group (Sinopharm), que está em testes de fase III.


Em 10 de setembro, a Sinopharm anunciou em seu site oficial que o preço de sua vacina COVID-19 seria inferior a 1.000 yuans (US $ 147,26) para duas ou três doses no mercado doméstico.


ARTIGO ORIGINAL:

https://www.theepochtimes.com/beijing-seeks-to-aggressively-export-its-covid-19-vaccines-at-cheap-prices_3527010.html

22 views

© Todos os Direitos Reservados - heitordepaola.online

  • Facebook
  • Twitter
  • YouTube