União Européia exige do PCC "Neutralidade Competitiva"

16/10/2019


- THE EPOCH TIMES -

Tradução César Tonheiro




UNIÃO EUROPÉIA EXIGE O MESMO ACORDO COMERCIAL QUE OS EUA BUSCAM NA CHINA

15 de outubro de 2019 POR CHRISS STREET



A Câmara de Comércio da União Européia (UE) na China emitiu um novo “Position_Paper” exigindo as mesmas concessões comerciais que os Estados Unidos buscaram na guerra comercial sino-americana .


O presidente da Câmara de Comércio da UE, Jörg Wuttke, publicou o "Position Paper 2019/2020" que exige que a China adote "Neutralidade Competitiva" para acabar com a proteção injusta e o favoritismo financeiro para suas SOEs (empresas estatais) — que está no coração da Guerra comercial China-EUA.


A China procurou controlar a expansão de sua guerra comercial com os Estados Unidos servindo-se de outras economias ocidentais avançadas desde o início do conflito. Enquanto tentava infligir dor retaliatória aos Estados Unidos, elevando a tarifa média dos bens dos EUA de 8% para 21,8% em 1º de setembro, a China reduziu lentamente a tarifa média do resto do mundo de 8% para 6,7%, de acordo com o Instituto Peterson de Economia Internacional.


À medida que a guerra comercial sino-americana aumentou, o interesse comercial europeu na China inicialmente evitou tomar partido. Mas com o aumento incessante das tarifas do governo Trump em 30%, forçando a China a trégua negociada, a Câmara da UE está exigindo agora que a China mude para a "Neutralidade Competitiva"  para encerrar sua política que "favorece prioritariamente às SOEs (empresas estatais), depois empresas privadas (nacionais) e danosamente por último às empresas estrangeiras", o governo deve por princípio oferecer tratamento igual a todas as empresas, independentemente da propriedade”.


A China e a UE de 28 nações foram classificadas como as duas maiores exportadoras do mundo em 2018. Mas a UE exportou cerca de US $ 230 bilhões para a China e importou cerca de US $ 435 bilhões da China, resultando em um déficit comercial de US $ 205 bilhões. Com as importações da UE da China crescendo duas vezes mais rápido que suas exportações para a China na última década, a China detém um quinto das importações da UE.


De acordo com o “Position Paper” da Câmara UE, a liderança do Partido Comunista (PCC) prometeu na Terceira Plenária da 18ª reunião do Comitê Central da China em 2013 que “o mercado deve desempenhar o papel ‘decisivo’ na alocação de recursos. O PCC declarou que “o fracasso da reforma das SOEs e o avanço da liberalização econômica deixarão o mercado sobrecarregado por um setor estatal inchado e ineficiente que pesa sobre o país enquanto tenta sair da armadilha da renda média”.


A UE alega que, apesar das declarações de apoio do líder chinês Xi Jinping e de outros líderes importantes nos últimos seis anos, o acesso ao mercado da China encolheu e as vantagens competitivas patrocinadas pelo PCC concedidas às empresas estatais aumentaram.


Em vez de fazer reformas competitivas, a meta do regime chinês para as empresas estatais é torná-las "mais fortes, melhores e maiores". A porcentagem de empréstimos corporativos da China de bancos estatais a empresas privadas domésticas caiu de 57% em 2013 para 11% em 2016; enquanto a parcela dos empréstimos das empresas estatais chinesas disparou "de 35% para 80% no mesmo período".


No comércio intensivo de telecomunicações e bens automáticos para processamento de dados, as SOEs da China agora dominam 95% do comércio sino-UEO único comércio que a UE domina são os automóveis, mas mais de 60% das exportações de automóveis da UE vêm da AlemanhaComo resultado, o déficit comercial da China e as perdas de empregos são maiores nos países menores da UE. [Eis a forte razão do Brexit com potencial debandada de outros países Comunidade Européia].


Segundo a UE, "os parafusos também foram apertados no setor privado, com as empresas estatais (chinesas) impondo longos períodos para pagamentos em seus acordos, esses prazos dilatados são como empréstimos dos fornecedores às SOEs". As empresas da UE foram impactadas injustamente porque seus fornecedores chineses do setor privado se tornaram instáveis, causando perdas de clientes devido a entregas com atrasos.


As SEOs também se envolvem em conflitos de interesse com seus “executivos e reguladores que trocam frequentemente desconversam segundo a conveniência, o que adiciona outra camada de injustiça para as empresas privadas superarem”. Isso explica por que as empresas da UE na China estão sujeitas a longos atrasos no licenciamento.


As SEOs também se envolvem em conflitos de interesse por seus "executivos e reguladores que freqüentemente mudam as regras do jogo, expediente que acrescenta outra camada de injustiça para as empresas privadas superarem." Isto explica porque as empresas da UE na China estão sujeitas a longos atrasos na obtenção de licenciamentos.


O “Position_Paper” da UE afirma que a melhor solução para criar condições equitativas para o comércio com a China seria o respeito e a cooperação mútuos. Mas se a reforma da China não se concretizar, o "Position_Paper" ameaça que seja estruturada uma "política industrial da UE adequada à sua economia de mercado" que adote a mesma proteção injusta e favoritismo financeiro que a "política industrial da China".


Chriss Street é especialista em macroeconomia, tecnologia e segurança nacional. Ele atuou como CEO de várias empresas e é um escritor ativo com mais de 1.500 publicações. Ele também fornece palestras de estratégia regularmente para estudantes de graduação nas principais universidades do sul da Califórnia.


Artigo original:

https://www.theepochtimes.com/european-union-demands-same-trade-deal-as-us-seeks-from-china_3116798.html

© Todos os Direitos Reservados - heitordepaola.online

  • Facebook
  • Twitter
  • YouTube