UM VISITANTE ILUSTRE - I

Jacy de Souza Mendonça 06/07/2020


Em conformidade com as regras da VW, ao completar 60 anos de idade, o Presidente de um órgão da administração foi aposentado compulsoriamente e brindado com uma viagem. Escolheu a Amazônia; e sobrou para mim.


Como meu conhecimento da região não era tão grande, conversei com um concessionário VW lá sediado, que me disse estar acostumado a receber essas visitas e poderia cuidar de tudo. seguindo recomendação dele, fiquei descansado.


Recebi, no aeroporto, o personagem com quatro acompanhantes. Pela manhã do dia seguinte, no avião da empresa, viajamos para Manaus. No desembarque estranhei não ver o concessionário; em seguida, dois cidadãos mal trajados, mas teve um contratempos chegaram a mim para informar que ele lamentava por não pôde vir; cuidara, todavia, de todos os preparativos. Tranquilizei os visitantes e acrescentei que faríamos, de início, um tour pela cidade.


Dois carros, antigos VW-Passat, estavam à nossa disposição. Dividimos o grupo. A partida foi, no entanto, tumultuada, pois o motor de arranque só funcionava aos trancos. Discretamente, meu visitante perguntou:


- Não é carro de nosso concessionário VW?


Fui obrigado a inventar uma desculpa...


Partimos. O primeiro objetivo era o Teatro de Manaus, mas para chegar lá devíamos percorrer várias ruas. O elevado índice pluviométrico da cidade tinha cuidado de deixar poças d’água por todos os lados. Como o serviço de limpeza pública não tinha ainda funcionado, ao lixo somara-se o que os cidadãos costumam jogar na rua. Nada disso servia como bom cartão de apresentação para os alemães.


O Teatro de Manaus pode ser motivo de orgulho para a cidade, mas está longe de encantar europeus. Serviu como curiosidade no meio da maior floresta natural do planeta.


Terminada a visita, seguimos para o hotel, passando novamente pelo vexame dos carros com problema no motor de partida. Na chegada, expliquei que nossa próxima etapa seria o encontro das águas, espetáculo conhecido em todo o mundo. As volumosas águas do Rio Solimões e as do Rio Negro, ao se encontrarem, permanecem lado a lado, sem se misturar, por vários quilômetros. Para chegar ao local, o concessionário tinha deixado à nossa disposição sua lancha particular e para ela devíamos nos dirigir. Fui obrigado, no entanto, a prevenir que ninguém deveria permanecer de preto, com paletó, gravata, sapatos lustrados... precisavam de roupas muito leves. Foram todos, então, para seus apartamentos, de onde retornariam em meia hora

19 views

© Todos os Direitos Reservados - heitordepaola.online

  • Facebook
  • Twitter
  • YouTube