UE deixa Itália na rua da amargura

16/03/2020


- NATIONAL INTEREST -

Tradução César Tonheiro



O coronavírus matará a União Europeia?

16 de março de 2020 por Doug Bandow 


O COVID-19 levou várias semanas para migrar em massa da China para a Europa, mas o continente agora está inundado pelo vírus. A pandemia chegou totalmente à Itália e à Espanha. Outras nações aguardam a doença, na esperança de retardar sua propagação. Isso matará muitos europeus. Também pode matar a União Europeia, pelo menos a ideia de uma comunidade europeia em qualquer sentido significativo.


Em nome da solidariedade, a Itália procurou de seus vizinhos para ajudá-la na crise do coronavírus que ameaçava sobrecarregar seus recursos de saúde. Ficando sem leitos de terapia intensiva, os médicos receberam ordens de "procurar garantir tratamento intensivo para pacientes com maior chance de sucesso terapêutico". Aqueles com maior probabilidade de morrer serão deixados para ... morrer.


Os europeus podem não se surpreender ao ver isso acontecer no interior menos abastado da China. Mas no continente industrializado, avançado e liberal da Europa? Roma telefonou para seus vizinhos, países com os quais se uniu na União Européia. Estados que rotineiramente se auxiliam por causa de sua suposta superioridade moral ao "capitalismo anglo-saxão" resultante de suas economias mais conscientes socialmente, que promoviam "solidariedade" com os outros.


Infelizmente, os italianos descobriram que os telefones dos europeus estavam todos ocupados. Ninguém ofereceu nada. A Áustria fechou sua fronteira com os italianos, que não conseguiram provar que estavam livres de doenças. A Alemanha proibiu a exportação de equipamentos de proteção médica, como máscaras. A empresa 3M não deu explicações sobre a proibição de que não poderia suprir as necessidades da Itália.


Isso não significa que o apelo de Roma tenha sido totalmente ignorado. A China enviou um avião contendo 31 toneladas de suprimentos, acompanhado por profissionais médicos.


A recusa de seus vizinhos em ajudar foi agravada por Christine Lagarde, presidente francesa do Banco Central Europeu, que afirmou não ser responsabilidade de sua instituição "fechar os spreads" (redução de juro) entre os títulos do governo italiano e alemão. Seus comentários provocaram um aumento maciço nos custos de empréstimos de Roma. Isso, por sua vez, provocou uma queda de 17% no mercado de ações da Itália.


A Itália tem sido um dos homens doentes econômicos do continente. Embora a Grécia tenha recebido mais atenção do público com seu quase calote, a ameaça representada por Roma, cujas operações e regulamentações industriais escleróticas impediam a produtividade e a eficiência, era muito pior. A Itália possui a quarta maior economia do continente; o PIB de US $ 2,1 trilhões é maior que o da Rússia, e está além da capacidade de resgate da UE. A Itália pode trucidar o euro e derrubar bancos em todo o continente.


No entanto, os europeus não têm interesse em subsidiar o que consideram esbanjamento italiano. Roma tem estado frequentemente em desacordo com a UE e seus membros dominantes, principalmente Alemanha e França. Durante a crise do euro, há uma década, Berlim trabalhou para forçar o primeiro-ministro Silvio Berlusconi, enfraquecido pela perda de sua maioria parlamentar, o que provocou queixas de que o país estava sendo tratado como uma colônia. Esse foi apenas um dos conflitos de Roma com Bruxelas e suas principais potências, que ajudaram a dar origem a um poderoso movimento populista.


O colunista do Financial Times, Tony Barber, observou que “entre os 19 membros da zona do euro, a Itália se destaca como aquela que nunca se recuperou totalmente da dívida soberana e das crises bancárias que varreram a união monetária depois de 2000. O setor manufatureiro da Itália encolheu 25% nessa crise. Muitos de seus bancos, carregados de dívida do governo, permanecem frágeis.” A pandemia do COVID-19 provavelmente derrubará a economia da Itália.


No entanto, opinou Nathalie Tocci, do Instituto de Assuntos Internacionais de Roma: "De volta para o futuro, onde a Itália é deixada sozinha." Ela acrescentou: “Foi o caso da crise da zona do euro, depois a crise dos migrantes de 2015-16 e agora a crise do coronavírus. É a velha história de sempre e as implicações políticas podem ser enormes.”


Em 2018, uma coalizão populista de esquerda-direita assumiu o poder, com Matteo Salvini a figura dominante. Roma brigou com Bruxelas por causa de seu orçamento violador de regras e severo tratamento dos migrantes. No ano passado, ele terminou a parceria na tentativa de catapultar sua Liga do Norte para o controle. Esse esforço falhou, mas ele continua sendo o político mais popular do país e provavelmente conseguirá o posto de primeiro-ministro. De fato, ele atacou os esforços inadequados de contenção do governo, reforçando a linha dura de seu partido sobre migração internacional e segurança nas fronteiras.


O fracasso da Europa em agir ofereceu-lhe outra causa notável. Salvini reclamou: "A Itália precisava de ajuda e recebeu um tapa na cara". Ele disse que queria uma compensação do BCE: "A única ajuda que veio da Europa foi causar o colapso do mercado de ações e propagar a loucura". Até o primeiro ministro e presidente mais centrista criticou a resposta do continente. Segundo o presidente Sergio Mattarella, a Itália esperava "iniciativas de solidariedade e não obstáculos à ação".


Em vez de serem castigados pelas críticas de Roma, os europeus escolheram mais isolamento. Para sua reputação, o francês Emmanuel Macron permaneceu fiel à sua filosofia, pedindo uma maior cooperação continental. No entanto, a República Tcheca, a Polônia e a Eslováquia fecharam suas fronteiras para todos os estrangeiros. A Dinamarca proibiu qualquer pessoa sem um objetivo essencial de atravessar. A Áustria suspendeu as viagens aéreas não apenas com a Itália, mas também com a França, a Espanha e a Suíça. A Croácia está testando alguns visitantes, insistindo que outros — da Itália e de outros lugares — passem 14 dias em quarentena oficial do governo.


Chipre faz o mesmo com os italianos enquanto envia residentes de várias outras nações europeias para o auto-isolamento monitorado. A Estônia instrui os residentes da Itália e de outros sete países europeus a passar duas semanas em quarentena. A Alemanha interrompeu em grande parte visitantes da Áustria, Dinamarca, França, Luxemburgo e Suíça. A Hungria se recusa a admitir italianos e residentes de outras nações com infecções pesadas. Malta exige que os turistas passem 14 dias de quarentena e proíbem os residentes da Itália, além de França, Alemanha, Espanha e Suíça. A Noruega fechou sua fronteira para todos, exceto os residentes de seus vizinhos escandinavos. Portugal está restringindo o tráfego da Espanha. A Ucrânia impede todos os visitantes. É provável que haja mais restrições, pois todo país europeu coloca seu próprio povo em primeiro lugar, como os governos têm desde tempos imemoriais.


Tudo isso era previsível. A UE começou como um veículo limitado para reunir Alemanha e França economicamente. Depois, tornou-se um "mercado comum", isto é, uma zona de livre comércio em expansão. Essas eram medidas cooperativas sensatas que não violavam a soberania de nenhum Estado. No entanto, houve forte pressão em Bruxelas pela criação do equivalente aos Estados Unidos da Europa, um novo país para competir com os Estados Unidos. Um grupo de eurocratas — políticos, burocratas, acadêmicos, jornalistas, empresários e outras elites de mentalidade internacional — se tornou uma força influente que promove um governo cada vez mais consolidado. No entanto, o esforço foi quase inteiramente de cima para baixo.


O presidente tcheco Vaclav Klaus, entre outros, alertou para o déficit democrático da UE. Quando uma constituição foi apresentada aos eleitores holandeses e franceses, eles recusaram. Assim, os eurocratas retornaram com um tratado que exigia apenas a aprovação dos eleitores na Irlanda (devido à sua constituição), que também recusou. Bruxelas insistiu em outra votação, quando a medida foi aprovada. Poucos europeus votam em membros do Parlamento Europeu com base em questões europeias; a maioria usa sua cédula para recompensar ou punir os partidos com base em seu desempenho doméstico. Ninguém no executivo da UE é eleito por um público em nenhum lugar da Europa.


Além de alguns habitantes descoordenados de Bruxelas, praticamente nenhum europeu se vê primeiro como europeu. Ninguém saúda a bandeira da UE. Ninguém canta o hino da UE. Ninguém torce pelo time de futebol da UE. Em vez disso, os eventos esportivos demonstram como a lealdade é quase inteiramente nacional. E, agora vemos, ninguém mostra solidariedade com os vizinhos quando há uma crise de saúde em casa. A Itália está essencialmente por si só. Como todos os outros membros da UE.


Macron trabalhou assiduamente para criar apoio a uma UE mais forte, com poderes orçamentários independentes, mas enfrentou oposição da Alemanha e de outros estados. A saída do Reino Unido, fonte do governo parlamentar que nunca daria de bom grado o controle de suas finanças, esperava impulsionar a campanha de Macron. Contudo, a maioria dos europeus ainda quer tomar suas próprias decisões. Embora nenhuma outra saída da UE pareça provável, há pouco apoio à expansão dos poderes de Bruxelas. Além disso, Macron atrasou o processo de adesão para os países dos Balcãs, que pelo visto não querem mais se associar.


A raiva da resposta em branco ao apelo da Itália provavelmente persistirá além da crise da saúde. Só isso não vai acabar com a UE. Mas ninguém ficaria surpreso se outra crise financeira europeia se seguisse. A Itália já está fraca; o custo do tratamento de milhares de italianos doentes combinado com os custos de fechamento do país para interromper infecções poderia quebrar a economia.


De fato, alguns economistas afirmam que Roma deveria solicitar preventivamente assistência financeira do fundo de resgate da zona do euro da UE e do Fundo Monetário Internacional. No entanto, observou Barber: “Acima de tudo, pensa-se que, se a Itália precisar de ajuda, o custo poderá chegar a centenas de bilhões de euros. Quase certo que não seria uma questão simples de obter a aprovação de outros governos europeus, divididos quanto à reforma da zona do euro, políticas de refugiados e outras questões que afetam a soberania nacional.”



https://nationalinterest.org/blog/skeptics/will-coronavirus-kill-european-union-133432

71 views

© Todos os Direitos Reservados - heitordepaola.online

  • Facebook
  • Twitter
  • YouTube