Semicondutores emergem como campo de batalha na corrida EUA-China

- THE EPOCH TIMES - Jessica Mao - TRADUÇÃO CÉSAR TONHEIRO - 7 AGO, 2022 -

Bolachas de 300 milímetros são revestidas com ouro em uma máquina num ambiente livre de contaminação durante a produção em massa de chips semicondutores na fábrica de semicondutores da Bosch em Dresden, leste da Alemanha, em 12 de julho de 2022. (Jens Schlueter/AFP via Getty Images)

Semicondutores emergem como campo de batalha na corrida EUA-China para criar normas tecnológicas globais à sua imagem


Fabricantes de chips chineses sofrem com sanções e alianças dos EUA


Em Breve: "O EIXO DO MAL LATINO AMERICANO E A NOVA ORDEM MUNDIAL" em livro IMPRESSO.

Uma versão completa e atualizada!


À medida que cada aspecto da vida moderna se torna cada vez mais digitalizado, não apenas as economias das nações, mas sua influência soberana dependerá cada vez mais do domínio da tecnologia.


Embora os Estados Unidos e a China não estejam engajados na guerra tradicional, eles estão engajados em uma guerra de ideias, comércio e tecnologia, especialmente na hegemonia de semicondutores, onde ambos os lados estão lutando por suprimento e avanço.


Nos últimos anos, os Estados Unidos tomaram uma série de medidas para impedir e ultrapassar o desenvolvimento chinês em semicondutores, incluindo persuadir as potências asiáticas de semicondutores a se juntarem à sua aliança, aprovar uma enorme conta de gastos para ajudar na produção doméstica de chips e proibir as exportações de equipamentos de fabricação de chips de alta qualidade para a China.


No final de julho, os Estados Unidos expandiram suas proibições à exportação para a China de equipamentos que podem fabricar semicondutores de até 14 nanômetros (nm) de tamanho, de acordo com grandes fornecedores de equipamentos de fabricação de chips dos EUA, como Lam Research Corp. e KLA, que foram notificadas pelo governo sobre as restrições ampliadas.


Anteriormente, os Estados Unidos haviam proibido a venda de equipamentos que podem produzir chips de 10 nm ou menores para fabricantes chineses de chips.


Geralmente na fabricação de semicondutores, quanto menor a tecnologia do processo, mais avançado é o chip. Quanto menor o nó de tecnologia, maior a densidade do transistor e menor o consumo de energia do chip, resultando em maior desempenho. No entanto, o processo de fabricação menor requer materiais e equipamentos mais avançados e incorrerá em um custo maior em Pesquisa e Desenvolvimento (P&D) e produção.

Semicondutores são vistos em uma placa de circuito que alimenta uma câmera de vídeo Samsung no evento de mídia e analistas da Samsung MOBILE-ization em San Jose, Califórnia, em 23 de março de 2011. (Justin Sullivan/Getty Images)

O desenvolvimento segue um projeto de lei histórico de US$ 52 bilhões aprovado pelo Congresso dos EUA em 27 de julho para ajudar os fabricantes nacionais de chips em pesquisa, desenvolvimento e volume de produção. Uma das condições é que as empresas que recebem os fundos não aumentem a produção de chips avançados na China continental.


Em Breve: "O EIXO DO MAL LATINO AMERICANO E A NOVA ORDEM MUNDIAL" em livro IMPRESSO.

Uma versão completa e atualizada!


O Departamento de Comércio dos EUA disse que as políticas de arrocho prejudicam “os esforços da República Popular da China (RPC) na fabricação de semicondutores avançados que representam riscos significativos para a segurança nacional dos Estados Unidos”.


Enquanto isso, os Estados Unidos também planejam proibir as exportações de equipamentos de fabricação de chips dos EUA que produzem chips NAND avançados para grandes fabricantes de chips chineses, como a Yangtze Memory Technologies Corp (YMTC).


A YMTC é uma empresa estatal e a única fabricante de memória flash NAND de armazenamento da China competindo com os principais fabricantes dos EUA. Sua participação no mercado global é de cerca de 5%. Em um relatório divulgado pela Casa Branca em junho de 2021, a YMTC foi identificada como a empresa “campeã nacional” do regime chinês, tendo recebido US$ 24 bilhões em subsídios do governo chinês.


Os chips NAND são usados para armazenar dados em uma ampla gama de dispositivos eletrônicos, como smartphones e computadores pessoais, bem como em data-centers de empresas como Amazon, Facebook e Google.


Se as iniciativas do chip NAND forem lançadas oficialmente, será a primeira vez que os Estados Unidos usarão restrições comerciais para conter a capacidade da China de produzir chips de memória de uso não militar, ampliando o escopo de proteção da segurança nacional dos EUA e causando um grande golpe na indústria de chips de memória da China.


Em 1º de agosto, senadores dos EUA, incluindo o líder da maioria no Senado, Chuck Schumer (DN.Y.), solicitaram que o Departamento de Comércio adicionasse a YMTC à lista negra de comércio dos EUA.


A medida pode prejudicar ainda mais o crescimento da indústria de semicondutores da China e proteger as empresas americanas; os dois únicos fabricantes de chips de memória dos EUA, Western Digital e Micron Technology. Os dois respondem por cerca de 1/4 da participação no mercado de chips NAND.


De acordo com um relatório da Bloomberg, os Estados Unidos também estão pressionando a Holanda e o Japão a impedir que os fornecedores de equipamentos de fabricação de chips, ASML e Nikon, vendam máquinas de litografia para a China. A medida pode ser um duro golpe para grandes fabricantes de chips chineses, como a Semiconductor Manufacturing International Corp. (SMIC) e Hua Hong Semiconductor Ltd.


Lei de CHIPS dos EUA


Em 26 de julho, o Senado dos EUA votou a favor do avanço de sua Lei de Chips e Ciência destinada a aumentar a produção doméstica de semicondutores e melhorar a competitividade tecnológica com a China.


O projeto de lei foi posteriormente aprovado na Câmara dos Representantes dos EUA em 28 de julho e sancionado pelo presidente Joe Biden em 2 de agosto.

O líder da maioria no Senado Chuck Schumer (DN.Y.) fala ao lado de um grupo bipartidário de senadores dos EUA, incluindo (ED) Roger Wicker (R-Miss.); Mark Warner (D-Va.); Todd Young (R-Ind.) e Maria Cantwell (D-Wash.), após a aprovação da Lei CHIPS, fornecendo aos fabricantes de semicondutores domésticos US$ 52 bilhões em subsídios para reduzir a dependência de fontes estrangeiras, no Capitólio dos EUA em Washington, DC, em 27 de julho de 2022. (Saul Loeb/AFP via Getty Images)

A legislação fornecerá US$ 280 bilhões em financiamento para sustentar e impulsionar a fabricação e pesquisa doméstica de semicondutores; o preço está muito acima da legislação anterior que visava fornecer apenas US$ 52 bilhões aos fabricantes.


Em Breve: "O EIXO DO MAL LATINO AMERICANO E A NOVA ORDEM MUNDIAL" em livro IMPRESSO.

Uma versão completa e atualizada!


Oficialmente apelidado de Lei CHIPS [Criando Incentivos Úteis para Produzir Semicondutores para a América] de 2022, a medida forneceria dezenas de bilhões de dólares em subsídios e isenções fiscais para empresas de tecnologia em um esforço para estimular o crescimento de novos mercados, bem como financiamento para pesquisas tecnológicas apoiadas pelo governo.


Os defensores da legislação há muito dizem que ela é necessária para manter uma vantagem competitiva com a China, que está investindo dinheiro em sua própria produção doméstica de chips.


A legislação também esclarece que as entidades que recebem financiamento do governo dos EUA estão proibidas de se envolver em transações que envolvam expansão substancial da fabricação de semicondutores na China ou em qualquer outro país estrangeiro de interesse por pelo menos dez anos após a entrada da lei em vigor.


Essas restrições são projetadas para impedir que os fabricantes de chips expandam significativamente a produção de chips mais avançados que 28nm na China na próxima década.


Embora os chips de 28 nanômetros estejam algumas gerações atrás dos semicondutores avançados de hoje, eles ainda são amplamente usados em carros, smartphones de última geração, eletrodomésticos e muito mais.


Aliança Chip 4 (EUA, Taiwan, Coréia do Sul e Japão)


Os Estados Unidos também estão trabalhando para persuadir as potências asiáticas de semicondutores a participar de sua aliança “Chip 4”.


A aliança liderada pelos EUA visa fortalecer a cooperação na indústria de semicondutores entre os Estados Unidos e as potências do leste asiático de Taiwan, Coréia do Sul e Japão para construir uma cadeia de suprimentos segura que exclua a China.


Taiwan e Japão já concordaram em participar da aliança Chip 4 proposta pelos Estados Unidos em março deste ano e estão aguardando a decisão da adesão da Coreia do Sul.


Os Estados Unidos deram à Coreia do Sul um prazo para decidir se irá aderir à aliança “Chip 4″ até 31 de agosto, de acordo com relatórios locais sul-coreanos citando fontes não identificadas em Washington.

O presidente dos EUA, Joe Biden, aperta a mão do presidente sul-coreano Yoon Suk-yeol enquanto eles visitam o campus da Samsung Electronics Pyeongtaek em Pyeongtaek, Coreia do Sul, em 20 de maio de 2022. O presidente Joe Biden chegou à Coreia do Sul na sexta-feira para sua primeira cúpula com o presidente Yoon Suk-yeol em uma série de questões, incluindo o programa nuclear da Coreia do Norte e os riscos da cadeia de suprimentos. (Kim Min-Hee/Pool/Imagens Getty)

Apesar da crescente pressão da China, seu maior parceiro comercial, especialistas sul-coreanos e a opinião pública dizem que o país provavelmente participará da aliança de chips proposta.


Em Breve: "O EIXO DO MAL LATINO AMERICANO E A NOVA ORDEM MUNDIAL" em livro IMPRESSO.

Uma versão completa e atualizada!


“Os Estados Unidos estão liderando os segmentos de equipamentos e software da indústria, Taiwan é o líder de fundição, o Japão está liderando os componentes e materiais, e a Coreia do Sul não pode produzir chips sem eles”, disse um especialista sul-coreano à Business Coreia em um relatório de 15 de julho.


Durante a recente cúpula EUA-Coreia do Sul, Biden e o presidente Yoon Suk-yeol se comprometeram a fortalecer as alianças de semicondutores entre os maiores países fabricantes de chips do mundo para aliviar a escassez global.


Como parte da parceria econômica, a Coreia do Sul também anunciou formalmente a participação no Indo-Pacific Economic Framework (IPEF), liderado pelos EUA, uma estrutura que descreve as principais prioridades dos Estados Unidos para se alinhar com aliados e parceiros para competir de forma mais eficaz contra a China comunista na corrida para liderar o desenvolvimento e as normas de tecnologia global.


Plano 'Grande Fundo' da China


Por muitos anos, o Partido Comunista Chinês (PCC) investiu pesadamente na solução do problema com a interrupção no fornecimento de semicondutores.


Em 2014, Pequim prometeu investir entre US$ 100 bilhões e US$ 150 bilhões em fundos públicos e privados para permitir que o país ultrapasse as empresas líderes mundiais em tecnologia de semicondutores, incluindo design, montagem e embalagem de chips, até 2030.

Funcionário produzindo um chip em uma fábrica da Jiejie Semiconductor Company em Nantong, na província de Jiangsu, leste da China, em 17 de março de 2021. (STR/AFP via Getty Images)

Em setembro de 2014, o regime estabeleceu o Fundo Nacional de Investimento da Indústria de Semicondutores da China, conhecido como “Big Fund”. O investimento inicial foi de 138,7 bilhões de yuans (cerca de US$ 22,19 bilhões), com foco na fabricação de circuitos integrados, incluindo equipamentos, materiais, vedação e testes.


Em Breve: "O EIXO DO MAL LATINO AMERICANO E A NOVA ORDEM MUNDIAL" em livro IMPRESSO.

Uma versão completa e atualizada!


Em outubro de 2019, diante das sanções dos EUA às empresas de tecnologia chinesas, foi anunciado um segundo “Big Fund”, com uma escala de 204,1 bilhões de yuans (aproximadamente US$ 32,66 bilhões).


No entanto, de acordo com Liu Pei-chen, pesquisador do Instituto de Pesquisa Econômica de Taiwan, o processo de desenvolvimento de semicondutores do PCC ainda é mais lento do que o esperado, apesar do investimento maciço do governo, especialmente em processos avançados de fabricação ou P&D independente.


Liu disse ao Epoch Times que o lento desenvolvimento da China se deve principalmente às sanções europeias e americanas, tornando difícil ou quase impossível obter equipamentos semicondutores e chips essenciais.


O plano “Made in China 2025” de Pequim prevê que a produção doméstica de chips chineses atinja 70% até 2025. No entanto, é quase impossível atingir essa meta no ritmo atual de desenvolvimento, acrescentou Liu.


A China depende do roubo de talentos de Taiwan


“A China ainda não é capaz de fabricar chips avançados”, disse Ren Zhengfei, fundador da gigante de tecnologia chinesa Huawei, em setembro de 2020 durante um discurso público.


Ren disse que a indústria doméstica não pode produzir os chips avançados que a empresa projetou e não pode fabricar produtos e chips ao mesmo tempo.


“O maior obstáculo para a China alcançar a autossuficiência em semicondutores não é a falta de fundos, mas a falta de talentos na indústria de longo prazo”, manifestou Zhang Rujing, fundador da SMIC, a maior fundição de chips da China, em um comunicado público em novembro de 2021.


Durante décadas, a China respondeu à sua escassez de talentos nas indústrias de alta tecnologia roubando talentos de Taiwan, muitas vezes por meios ilegais.


“A caça ilegal de talentos de alta tecnologia de Taiwan por empresas chinesas impactou severamente nossa competitividade internacional e colocou em risco nossa segurança nacional”, disse o Departamento de Investigação do Ministério da Justiça de Taiwan em 26 de maio.


A segurança da indústria de chips tornou-se a principal preocupação das autoridades da potência tecnológica de Taiwan, que torna a maioria dos chips semicondutores mais avançados do mundo, uma parte indispensável de tudo, de telefones celulares a jatos militares.


A Taiwan Semiconductor Manufacturing Company (TSMC) é a maior e mais avançada fabricante de chips por contrato do mundo. Ela sozinha é responsável pela produção de mais da metade dos semicondutores do mundo.

Uma fábrica do fabricante taiwanês de semicondutores TSMC no Central Taiwan Science Park em Taichung, Taiwan, em 25 de março de 2021. (Sam Yeh/AFP via Getty Images)

Apesar de sua posição de liderança, a empresa teve que lidar com uma fuga de cérebros para a China. Taiwan perdeu cerca de 3.000 engenheiros de semicondutores – representando um décimo dos talentos da ilha na indústria de chips – para a China, de acordo com uma pesquisa de 2020 publicada pelo Conselho de Assuntos do Continente de Taiwan.


Em Breve: "O EIXO DO MAL LATINO AMERICANO E A NOVA ORDEM MUNDIAL" em livro IMPRESSO.

Uma versão completa e atualizada!


Os esforços da China para garantir talentos de engenharia de chips principalmente de Taiwan se intensificaram nos últimos anos depois que o PCC estabeleceu uma meta de alcançar a autossuficiência em chips avançados, um objetivo sob um programa econômico de 10 anos conhecido como Made in China 2025, acompanhado pelo plano “Grande Fundo”.


Em resposta, o Departamento de Investigação de Taiwan iniciou investigações sobre cerca de 100 empresas chinesas suspeitas de caça ilegal de engenheiros de semicondutores e outros talentos de tecnologia, de acordo com um relatório de abril da Reuters, citando um alto funcionário do departamento.


Em 20 de maio, a legislatura de Taiwan aprovou emendas à sua lei de segurança nacional e uma lei que rege as relações com a China. A legislação de segurança nacional alterada criminalizou a “espionagem econômica”, estabelecendo uma punição de até 12 anos de prisão e uma multa de até US$ 3,4 milhões para pessoas que transferem ilegalmente tecnologia básica da ilha.


Taiwan proibiu o investimento chinês em algumas partes da cadeia de suprimentos de semicondutores, incluindo design de chips, e exige revisões para outras áreas, como embalagem de chips.


Alex Wu, Andrew Thornebrooke e Dorothy Li contribuíram para este relatório.

Jéssica Mao é escritora do Epoch Times com foco em tópicos relacionados à China.


PUBLICAÇÃO ORGINAL >

https://www.theepochtimes.com/semiconductors-emerge-as-battleground-in-us-china-race-to-make-global-tech-norms-in-their-image_4648523.html


Em Breve: "O EIXO DO MAL LATINO AMERICANO E A NOVA ORDEM MUNDIAL" em livro IMPRESSO.

Uma versão completa e atualizada!

14 views0 comments