Segurança alimentar da China e dos países emergentes pode ser afetada

30/03/2020


- SOUTH CHINA MORNING POST -

Tradução César Tonheiro


Coronavírus pode causar escassez global de alimentos, com restrições de compra e exportação em pânico


A Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação diz que pode haver escassez global de alimentos em abril e maio, como resultado de problemas de fornecimento causados pelo coronavírus


A China depende fortemente das importações de algumas culturas, como a soja, que pode ser afetada por interrupções nas redes globais de logística


30 mar, 2020 por Amanda Lee, Su-Lin Tan e Lilian Cheng


A pandemia de coronavírus pode atrapalhar seriamente as cadeias globais de suprimento de alimentos e elevar os preços, especialmente para as economias com estruturas vulneráveis de suprimento, se os principais países produtores aumentarem as restrições à exportação, alertaram agências internacionais e especialistas em alimentos.


Espera-se que a China esteja protegida de escassez severa de suprimentos, já que o país depende de sua própria produção de arroz e trigo para alimentar 1,4 bilhão de pessoas, mas sua dependência de importações de certas culturas, como a soja, pode causar um aumento no preço dos alimentos e adicionar mais miséria aos consumidores domésticos.


A Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO) disse na semana passada que “já havia notado sinais de pressões devido aos bloqueios que estão começando a impactar nas cadeias de suprimentos, como a desaceleração do setor de transporte marítimo. Interrupções, principalmente na área de logística, podem se materializar nos próximos meses.”


O Comitê de Segurança Alimentar Mundial das Nações Unidas emitiu um alerta ainda mais forte de que “interrupções nas fronteiras e nas cadeias de suprimentos podem causar eco no sistema alimentar com efeitos potencialmente desastrosos”.


Nas últimas semanas, foram impostas restrições à exportação de alimentos básicos como arroz e trigo, à medida que surto se espalha ao redor do globo.


"Juntamente com a atual crise de enxame de gafanhotos [na África e no Oriente Médio] que está afetando a produção de alimentos, pode piorar o mercado global de alimentos, levando a pânico na compra, restrições à exportação e interrupções na cadeia de suprimentos, fazendo com que os preços dos alimentos subam" Cheng Guoqiang, professor da Escola de Economia e Administração da Universidade Tongji, em Xangai, disse ao Economic Daily. 


"Portanto, se o surto não puder ser efetivamente controlado, poderá causar uma grave crise mundial de alimentos e ameaçar diretamente a segurança alimentar da China e dos países emergentes".


Vietnã, o terceiro maior exportador mundial de arroz, disse na sexta-feira que planeja estocar o grão e suspender novos contratos de exportação até o final do mês. A Tailândia proibiu os embarques de ovos de galinha por uma semana, depois que a escassez de oferta doméstica causou um aumento na demanda e nos preços dobrando.


Em Hong Kong, onde Tailândia e Vietnã respondem por 80% das importações de arroz, longas filas reapareceu fora das lojas no fim de semana, enquanto os moradores se esforçavam para estocar itens essenciais.


Na segunda-feira, o arroz estava esgotado em muitos grandes supermercados e limites de compra de até dois sacos de arroz e duas caixas de ovos haviam sido impostos em várias lojas.


Analistas esperam mais restrições à exportação, mas dizem que a escassez de alimentos será mais proeminente nos países que importam produtos básicos de apenas uma ou duas fontes.


Embora imagens de prateleiras vazias de supermercados e enormes filas do lado de fora das lojas tenham sido divulgadas em todo o mundo, a FAO não prevê escassez significativa se as cadeias de suprimentos globais forem mantidas.


As interrupções no fornecimento de alimentos podem ocorrer durante abril e maio por causa das medidas de contenção e surto de rápida expansão, disse Maximo Torero Cullen, economista-chefe da FAO.


Mas quão severas serão essas interrupções depende do desenvolvimento da pandemia do Covid-19, disse ele em comentários publicados no site da agência.


A propagação do surto acelerou fora da China nas últimas semanas, especialmente na América do Norte e Europa, ambos grandes exportadores de alimentos. A doença infectou mais de 727,00 e matou mais de 34.000 pessoas em todo o mundo.


A China deve ser capaz de manter a segurança geral de seu suprimento de alimentos. Para o arroz, o principal grão da região sul do país, a China importou 2,5 milhões de toneladas em 2019, mas também exportou 2,7 milhões de toneladas, segundo o ministério da Agricultura. A quantidade importada, por sua vez, era menos de 2% do consumo anual de arroz da China, de 140 milhões de toneladas.


Para o trigo, a China importou 3,5 milhões de toneladas no ano passado, o que representou apenas 2,8% do consumo de trigo do país, de 124 milhões de toneladas.


Mas, para algumas culturas, como a soja, o país tinha "um alto grau de dependência de países estrangeiros", disse Cheng. A China tem uma taxa de auto-suficiência inferior a 20% para a soja, que é amplamente utilizada na alimentação animal, acrescentou.


O país mais populoso do mundo já foi atingido pelo aumento dos preços da carne suína importada, depois que 60% do rebanho suíno do país morreu ou foi abatido no ano passado por causa da peste suína africana.


"A principal preocupação para a produção de proteína animal na China é a soja, pois o uso da soja na China é fornecido principalmente por outros países, incluindo Brasil, EUA e Argentina", disse Pan Chenjun, analista sênior de proteína animal do Rabobank.


"Até agora, os embarques de soja eram normais, mas é difícil prever se pode haver interrupções nos portos ou na logística nos países exportadores."


“Para alguns alimentos específicos, como salmão, camarão e pangasius [espécies de tubarões], para os quais a China depende muito das importações, o suprimento está atualmente sendo impactado por interrupções na logística desses países exportadores, como Índia, Vietnã e Noruega."


Rosa Wang, analista de Xangai da JCI China, fornecedora de dados agrícolas, disse que algumas importações de carne suína da Alemanha, Estados Unidos e América do Sul podem ser interrompidas, aumentando a preço da carne de porco.


"Se eles tiverem problemas de logística nos portos, isso pode reduzir as importações da China [a partir deles]", disse Wang, acrescentando que a China importa apenas uma parcela relativamente pequena de sua oferta total de carne de porco, a carne mais popular para os consumidores chineses.


A Austrália, que é exportadora líquida de alimentos, já está enfrentando dificuldades em manter os alimentos nas prateleiras das lojas, já que a compra de pânico diante da pandemia aumentou a demanda, disse a empresa de pesquisa social McCrindle.


Apesar de uma seca prolongada na Austrália e uma severa temporada de incêndios florestais que durou seis meses até fevereiro, o país deve ter suprimentos suficientes para enfrentar a crise, disse Mark McCrindle, diretor da empresa.


O problema não era a oferta, ele disse, mas um processo de distribuição "just in time" inflexível, juntamente com um aumento repentino na demanda.


"A Austrália está preparada para a seca, a produção não sofre um impacto maciço", disse McCrindle. "O maior problema está em demanda, especialmente nos supermercados."


Pesquisas realizadas pela empresa entre 19 e 23 de março descobriram que mais de quatro em cada cinco australianos mudaram seu comportamento em resposta ao coronavírus e 6% disseram que entraram em pânico, o que foi suficiente para desequilibrar as cadeias de suprimentos. Cerca de 30% compraram mais do que costumam comprar, motivados por quem estava em pânico.



https://www.scmp.com/economy/global-economy/article/3077621/coronavirus-may-cause-food-shortages-panic-buying-and-export

46 views

© Todos os Direitos Reservados - heitordepaola.online

  • Facebook
  • Twitter
  • YouTube