Se os EUA cortarem exportação de alimentos à China poderá ser mais brutal que a guerra comercial

SOUTH CHINA MORNING POST - Aug 7, 2020 -



Comerciantes aguardam clientes no mercado de grãos de Xudong, na província de Hubei. Membros da indústria disseram que muitos agricultores decidiram este ano acumular grãos - em vez de vendê-los ao governo - como resultado da pandemia do coronavírus. Foto: AP

Especialistas da indústria dizem que a pandemia do coronavírus resultou em fazendeiros mantendo cerca de 20 a 30 por cento a mais de grãos em reserva em seus armazéns domésticos.


A Administração Nacional de Alimentos e Reservas Estratégicas não comenta o motivo da queda nas compras de grãos em Henan, mas diz que a compra da safra de verão pela China está no caminho certo


7 de agosto de 2020 por Orange Wang


Os preços do trigo e do milho estão subindo acentuadamente no país mais populoso do mundo, levantando novas questões sobre se o suprimento de alimentos da China é realmente seguro em meio a uma crescente dependência das importações de grãos, encolhimento das terras cultiváveis e interrupções causadas por desastres naturais.


A última evidência veio por meio de um declínio na compra estatal das safras de verão de trigo — um grão importante para as famílias chinesas. De acordo com dados divulgados pela Administração Nacional de Alimentos e Reservas Estratégicas da China (NFSRA), o sistema estatal de reserva de grãos da China comprou 41 milhões de toneladas (45 milhões de toneladas curtas [907,18474 kg]) de trigo fresco de 1 de junho a 31 de julho, uma queda de 17,2% em relação ao ano anterior. 


Integrantes da indústria disseram que muitos agricultores decidiram acumular grãos — em vez de vendê-los ao governo — como resultado da pandemia do coronavírus.


Ma Xiaojuan, vice-gerente geral da Henan Oil and Grain Foreign Trade General Company, disse que os agricultores colocaram cerca de 20 a 30 por cento a mais na reserva em seus armazéns domésticos, enquanto os comerciantes, que desempenham o papel de agentes entre os agricultores e armazéns administrados pelo estado também estão acumulando grãos na expectativa de novos aumentos de preços.


Em Henan, uma das principais províncias produtoras de trigo da China, um sistema de comércio online para compras de grãos por armazéns estatais foi fechado na quinta-feira, de acordo com um aviso emitido pela subsidiária local da China Grain Reserves Cooperative que foi conferido pelo South China Morning Post.


A cooperativa não explicou o motivo do fechamento do sistema. Mas é óbvio que poucos comerciantes estão dispostos a vender grãos para o comprador estatal ao preço relativamente baixo sancionado pelo Estado de 1,12 yuans (US $ 0,16) por 500g, ou 2.240 yuans (US $ 322) por tonelada.


O NFSRA se recusou a comentar o motivo da queda nas compras em Henan, mas disse que a compra da safra de verão pela China está no caminho certo.


Em Shandong, outra província produtora de trigo, o preço do trigo em julho aumentou para 2.380 yuans por tonelada, ou cerca de 5% a mais do que em julho do ano passado.


Um declínio nas compras de grãos de verão pelo estado, entretanto, não é uma indicação de qualquer problema iminente — as compras de grãos de verão caíram em 2018 e 2016, também. Olhando em um quadro mais amplo, o Bureau Nacional de Estatísticas da China disse que a produção de grãos do país no verão, incluindo trigo e arroz, atingiu um recorde de 142,81 milhões de toneladas este ano — um aumento de 0,9% em relação ao ano passado, apesar da coronavírus e grave inundações ao longo do rio Yangtze.


No entanto, a pressão de oferta no mercado de grãos da China é óbvia.


O preço do milho, que é usado principalmente para ração animal, atingiu a maior alta em cinco anos na China, forçando fábricas e agricultores a mudarem para o trigo como alternativa.


O governo chinês, em uma tentativa clara de amenizar os aumentos de preço do trigo, leiloou 6,17 milhões de toneladas de trigo estocado este ano, a partir de 27 de julho, ou cerca de quatro vezes o volume leiloado no mesmo período do ano passado, de acordo com os números oficiais do leilão da China.


A China também está comprando grãos de outras partes do mundo. Ela importou 910.000 toneladas de trigo somente em junho, um aumento de 197% em relação ao ano anterior, mostraram dados alfandegários.


Os líderes e funcionários da China têm garantido repetidamente ao público que a situação do abastecimento de alimentos está sob controle, embora isso, por sua vez, tenha gerado suspeitas de problemas de abastecimento. O presidente Xi Jinping pediu às autoridades do país que garantam a segurança do abastecimento de grãos durante uma visita no mês passado à província de Jilin, uma importante província produtora de milho e soja.


Han Changfu, o ministro da Agricultura da China, escreveu em um artigo de opinião publicado na sexta-feira no People's Daily, porta-voz do Partido Comunista, que a China está “confiante e capaz de garantir a segurança alimentar”.


Ao mesmo tempo, aumentam as preocupações com a dependência da China de produtos agrícolas dos EUA, que por sua vez faz parte da fase 1 do acordo comercial assinado entre Pequim e Washington.


Analistas do Heilongjiang Agricultural Investment Group, uma grande empresa agrícola estatal, escreveram em um artigo de opinião em 1º de agosto que os EUA poderiam lançar uma "guerra alimentar" contra a China cortando o fornecimento de alimentos, que poderia ser "mais brutal do que a guerra comercial”.


“Como a China é agora o maior importador de alimentos do mundo, [se] os Estados Unidos lançarem uma 'guerra alimentar', a segurança alimentar de nosso país estará sob enorme pressão”, escreveram os analistas.


Zhang Hongyu, ex-diretor do Departamento de Sistema Econômico e Gestão Rural do Ministério da Agricultura e Assuntos Rurais, disse em um evento online na terça-feira que a China não deveria desperdiçar um único centímetro de terra arável no plantio de grãos.

“Devemos garantir área de plantio suficiente para garantir a segurança absoluta do fornecimento de alimentos básicos”, disse ele.


https://www.scmp.com/economy/china-economy/article/3096545/china-food-security-theres-no-crisis-supply-risks-are-growing

© Todos os Direitos Reservados - heitordepaola.online

  • Facebook
  • Twitter
  • YouTube