Robert Spalding descreve vírus da China como "guerra irrestrita"

01/04/2020


- THE EPOCH TIMES -

Tradução César Tonheiro


Brigadeiro-general reformado da Força Aérea Robert Spalding em Washington em 29 de maio de 2019 (Samira Bouaou / The Epoch Times)

Vídeo clique no link

https://www.youtube.com/watch?time_continue=9&v=DfuV7K3A08g&feature=emb_logo


Regime chinês está usando a pandemia para promover ambições globais, afirma especialista


1 de abril de 2020 por Eva Fu e Jan Jekielek


Enquanto o mundo enfrenta uma crise de saúde generalizada, o Partido Comunista Chinês está usando a pandemia para expandir sua influência global, de acordo com o especialista em China Robert Spalding.


O regime chinês aproveitou as conseqüências da pandemia como uma oportunidade para ampliar seu controle sobre a cadeia de suprimentos global e desviar a responsabilidade por ter criado o desastre, disse o escritor e general reformado da Força Aérea dos EUA em entrevista ao Epoch Times.


Ele a descreve como "guerra irrestrita" com força total.


Uma estratégia elaborada por oficiais militares chineses no final dos anos 90, guerra irrestrita — como ele explicou em seu livro "Guerra furtiva: como a China assumiu o poder enquanto a elite americana dormia" — refere-se ao uso de uma série de táticas de guerra não convencionais projetadas para atingir os objetivos de guerra sem se envolver em combate real.


Ao realizar esta campanha, o regime combinou diferentes elementos da guerra — econômica, comercial, política, informação — para "criar uma convergência de desafios" para os Estados Unidos e outras democracias ocidentais, disse Spalding.


"É difícil para as pessoas entenderem o quão poderoso é esse novo tipo de guerra, porque estamos muito acostumados ao tipo tradicional de guerra, com aviões e navios, bombas e tanques", disse ele.


Na frente da guerra de informação, diplomatas chineses e mídia estatal recentemente venderam teorias da conspiração especulando sobre a origem do vírus e colocando a culpa nos Estados Unidos, enquanto mensagens falsas vinculadas a Pequim inundaram o Twitter para atuar como "líderes de torcida do governo".


"Eles estão encobrindo a verdade real, enquanto criam essencialmente uma nova verdade no terreno e novos fatos no terreno", disse Spalding. "Como eles controlam todos os dados que saem sobre o coronavírus ou o PCC vírus, tudo está de acordo com a narrativa que eles mesmos controlam".


Lucrando em meio a uma crise


À medida que o surto afeta o sistema de saúde global e pesa nas cadeias de suprimentos médicos, há preocupações de que a China esteja usando os suprimentos tão procurados para obter seus próprios ganhos. O consultor econômico da Casa Branca Peter Navarro disse à Fox Business no mês passado que a China estava  estocando as máscaras do N95 ao impor uma restrição de exportação.


Enquanto isso, milhões de máscaras estão fluindo para países europeus da China como parte de pacotes de ajuda.


"Eles veem o coronavírus como uma oportunidade para fazer isso, principalmente porque os países dependem deles para suprimentos médicos, porque terão as únicas fábricas abertas", disse Spalding. "Eles estão tentando essencialmente fazer parecer que o Partido Comunista Chinês é o salvador da Europa Ocidental".


Os Estados Unidos dependem fortemente de suprimentos médicos da China, o maior produtor mundial de ingredientes farmacêuticos ativos, de acordo com um relatório do Congresso dos EUA em novembro de 2019 (pdf); o patógeno em expansão só exacerbou o problema. Embora as autoridades chinesas tenham negado a proibição oficial de exportação, no final de janeiro a fevereiro, os fabricantes de equipamentos de proteção foram convidados a vender seus produtos internamente. A China também produziu metade das máscaras do mundo antes do surto.


A agência de notícias estatal chinesa Xinhua, em uma ameaça implícita no início de março, disse que os Estados Unidos "mergulhariam no poderoso mar de coronavírus" se a China optar por retaliar controlando as exportações de suprimentos médicos.


“Nós terceirizamos, não temos mais fábricas. Não podemos nem produzir para nós mesmos ”, disse Spalding.


Vários países, entre eles Espanha, Turquia e Holanda, recentemente se queixaram de defeitos nas exportações chinesas de suprimentos médicos para combater o vírus.


Enquanto isso, Pequim delineia medidas políticas desde fevereiro para reforçar suas ambições econômicas, informou em um relatório a Horizon Advisory, uma consultoria independente sediada nos EUA.


"Pequim pretende usar o deslocamento e a desaceleração global para atrair investimentos estrangeiros, aproveitar participação de mercado e recursos estratégicos — especialmente aqueles que forçam a dependência [da China]", segundo o relatório.


O governo municipal de Chengdu, capital da província de Sichuan, disse a um jornal local que "é possível transformar a crise em uma oportunidade — aumentar a confiança e a dependência de todos os países do mundo 'Made in China'".


O Conselho de Estado, uma agência do tipo gabinete, também destacou a tecnologia 5G e a inteligência artificial — as ferramentas de assinatura do amplo sistema de vigilância da China — como dois dos seus principais objetivos estratégicos a serem exibidos.


"Em tempos de medo, parece atraente, mas o que você permitiu que eles fizessem é essencialmente se insinuar ainda mais profundamente nas veias da sua sociedade", disse Spalding. "O objetivo deles é ter esse poder coercitivo sobre o mundo, e eles estão usando o vírus do PCC para basicamente perpetuar, acelerar e aprofundar isso".


Reescrever o Histórico


Durante o surto, a resposta de Pequim pode ser caracterizada como uma rede de encobrimento, negação e mentiras que o tornam o culpado inconfundível, de acordo com Spalding.


"O que podemos dizer com certeza, com 100% de certeza absoluta, é que o Partido Comunista Chinês criou a pandemia global", disse ele.


Pelo menos em duas ocasiões — 1º de janeiro e 3 de janeiro — Hubei e as autoridades nacionais de saúde disseram aos laboratórios chineses que parassem de testar e destruíssem as evidências existentes, de acordo com relatos da mídia chinesa Caixin.


Enquanto as autoridades federais de saúde dos EUA se ofereceram repetidamente para enviar pesquisadores para a China desde 6 de janeiro, apenas dois foram finalmente autorizados a entrar no país — mais de um mês depois.


No momento em que Wuhan impôs um bloqueio drástico em 23 de janeiro, mais de 5 milhões de moradores haviam saído sem serem submetidos a uma triagem de saúde, levando o vírus para outras partes do mundo. Então, quando o surto se tornou grave nos Estados Unidos em março, diplomatas chineses começaram uma campanha de desinformação agressiva que acusava o Exército dos EUA de levar o vírus para Wuhan.


Um princípio central sobre a natureza do regime é sua necessidade de controle, diz Spalding.


"Quando ele viu esse vírus sair, estava preocupado com sua legitimidade".


Documentos internos obtidos pelo Epoch Times, bem como mensagens internas, indicam que as autoridades chinesas fizeram uma prioridade para controlar a narrativa do surto, dentro e fora da China.


Spalding é crítico do nome da Organização Mundial da Saúde para a doença causada pelo vírus. O nome COVID-19 — que a OMS diz que significa "doença de coronavírus 2019" — não designa claramente sua origem na China, permitindo que o regime chinês anule sua resposta estridente ao surto, disse ele.


"Nós, de certa forma, ainda estamos perpetuando a propaganda do Partido Comunista Chinês porque permitimos que eles nomeiem as coisas", disse ele. "Nomear as coisas é muito poderoso."


Essa crise, diz ele, também demonstra as limitações do comércio global e a importância de ser auto-suficiente na fabricação de suprimentos cruciais.


"Não devemos confiar em um regime que repudia tudo o que defendemos e praticamos ... esse vínculo da cadeia de suprimentos para nos coagir a abandonar nossos próprios princípios", disse ele.


https://www.theepochtimes.com/chinese-regime-using-pandemic-to-advance-global-ambitions-expert-says_3294231.html

288 views

© Todos os Direitos Reservados - heitordepaola.online

  • Facebook
  • Twitter
  • YouTube