Regime comunista chinês distorce passagem da Bíblia e classifica Jesus como assassino

- THE EPOCH TIMES - 26 de setembro de 2020 por Alex Wu - Tradução César Tonheiro



Livro didático chinês altera a passagem da Bíblia, diz que Jesus apedrejou mulher até a morte


Um livro de ética chinês alterou uma história da Bíblia, que distorce o seu final dizendo que Jesus teria apedrejado uma mulher até a morte, e que ele próprio teria afirmado ser um "pecador".


A distorção, a mais recente de uma longa linha de medidas do ateísta Partido Comunista Chinês (PCC) para controlar e suprimir a religião no país, gerou indignação entre os cristãos, com muitos também pedindo ao Vaticano que reconsidere sua parceria com o regime.


O livro em questão é intitulado “Ética Profissional e a Lei” e é usado em escolas de treinamento vocacional em toda a China. Foi aprovado pelo comitê de revisão editorial supervisionado pelo ministério da educação do regime em 2018, de acordo com o ChinaAid, um grupo de defesa cristão com sede nos Estados Unidos.


Citava uma história bem conhecida do Novo Testamento, “Jesus e a mulher apanhada em adultério”, mas em vez de citá-la fielmente (João 8:1-11), o livro altera a conclusão do assunto, classificando Jesus como um assassino.


Na passagem original do Evangelho de João, um grupo de homens interrompe a sessão de ensino de Jesus, trazendo uma mulher acusada de adultério. Eles perguntaram a Jesus se ela deveria ser apedrejada até a morte, conforme prescrito pela Lei mosaica. Depois de primeiro ignorar a interrupção, Jesus disse que a pessoa que não tem pecado deve atirar a primeira pedra. Os acusadores então saem sabendo que ninguém está sem pecado. Jesus então se volta para a mulher e pergunta se alguém a condenou, e ela responde que não. Jesus então diz: “Nem eu te condeno; vá, e de agora em diante não peques mais.”


Em vez disso, o livro subverte o final para ler: “Quando todos foram embora, Jesus mesmo apedrejou a mulher até a morte, dizendo: 'Eu também sou um pecador. Mas se a lei só pudesse ser aplicada por homens sem mancha, a lei estaria morta.’”


A seção de perguntas sob a passagem indaga ao leitor: "Por meio desta pequena história, como você vê a lei?"


A alteração veio à tona depois que um paroquiano postou uma imagem da passagem nas redes sociais no início deste mês. Um professor cristão de uma escola profissionalizante posteriormente confirmou o conteúdo, acrescentando que o conteúdo do livro didático varia em diferentes regiões da China, de acordo com a agência de notícias católica UCA News de Hong Kong.


Os internautas ficaram furiosos com o livro didático, com muitos condenando a passagem como "blasfêmia". Alguns comentários nas redes sociais dizem: “O PCCh é o diabo”. “O pecado da blasfêmia contra o Espírito Santo é imperdoável.” “O que é que não é demônio?!”

A Associação ChinaAid, um grupo de defesa dos cristãos com sede nos Estados Unidos, condenou a "distorção maliciosa", dizendo que "distorce seriamente e contamina a imagem de Jesus Cristo no cristianismo".


O grupo disse que o falso relato serve para servir à filosofia de governo do Partido.

“O livro-texto do PCCh infere que se apenas pessoas sem pecado puderem aplicar a lei, a lei se tornará impotente”, disse a ChinaAid em um comunicado . “Isso implica que, como os comportamentos ilegais dos funcionários judiciais chineses na aplicação da lei são inevitáveis, eles devem ser tolerados.”


Eles disseram que o regime vem há anos "tentando reinterpretar a doutrina e teologia bíblica para se conformar aos valores socialistas defendidos pelo líder Xi Jinping".


O PCCh presidiu uma forte repressão aos cristãos clandestinos e outros grupos religiosos, demolindo igrejas e detendo membros e líderes da igreja.


Em setembro de 2019, as autoridades chinesas forçaram uma igreja católica na província oriental de Jiangxi a substituir uma imagem da Virgem Maria e seu filho pela do líder chinês Xi Jinping, de acordo com a Bitter Winter, uma revista online que informa sobre questões de liberdade religiosa na China . Os oficiais também ordenaram que a igreja exibisse a bandeira nacional na entrada e substituísse o nome da igreja por uma faixa que dizia “Siga o Partido, agradeça ao Partido e obedeça ao Partido”.


Muitos também estão pedindo ao Vaticano que reveja sua relação com o regime. Em setembro de 2018, a Santa Sé assinou um acordo histórico com o PCCh sobre a nomeação de bispos no país. Antes disso, os católicos chineses estavam divididos entre aqueles que adoravam em igrejas clandestinas não oficiais leais ao Vaticano e a igreja católica sancionada pelo estado liderada por bispos nomeados pelo regime. Após o acordo, o Papa Francisco imediatamente reconheceu sete bispos que foram nomeados por Pequim sem a aprovação do Vaticano.


O acordo, cujos detalhes não foram divulgados, desencadeou fortes críticas de católicos estrangeiros e defensores dos direitos, que descreveram o movimento na época como uma "capitulação" ao regime comunista, citando a perseguição sistemática do PCCh aos cristãos clandestinos.


Os dois lados devem renovar o acordo que deve expirar em breve, de acordo com a Reuters citando uma fonte sênior do Vaticano.


O secretário de Estado dos Estados Unidos, Mike Pompeo, recentemente pediu ao Vaticano que tome uma posição mais firme contra os agravos aos abusos de direitos do PCCh.

“É claro que o acordo sino-vaticano não protegeu os católicos das depredações do Partido, para não falar do tratamento horrível do Partido aos cristãos, budistas tibetanos, devotos do Falun Gong e outros crentes religiosos”, escreveu Pompeo em um artigo publicado na U.S. religious magazine First em 18 de setembro.


“O Vaticano põe em risco sua autoridade moral, caso renove o acordo”, acrescentou ele no Twitter.

Pompeo deve se encontrar com o Papa Francisco quando ele viajar a Roma no final do mês.

Eva Fu contribuiu para este relatório. 


ARTIGO ORIGINAL:

https://www.theepochtimes.com/chinese-textbook-alters-bible-passage-says-jesus-stoned-a-woman-to-death_3515108.html

44 views

© Todos os Direitos Reservados - heitordepaola.online

  • Facebook
  • Twitter
  • YouTube