Rand Paul: Guerra Sem Fim

- NAIONAL INTEREST - Feb 10, 2021 -

Rand Paul - TRADUÇÃO CÉSAR TONHEIRO -


Imagem: Reuters

Rand Paul: Porque precisamos acabar com as eternas guerras agora

Liderei continuamente a luta para reavaliar nossa política externa, para encerrar nossa “guerra sem fim” e trazer nossas forças de combate para casa.

10 de fevereiro de 2021 por Rand Paul


Depois de quase vinte anos, perdemos mais de 7.000 mortos, sofremos mais de 50.000 feridos e gastamos mais de US $ 5,4 trilhões, apenas no Iraque e no Afeganistão. E isso nem mesmo contabiliza nossos custos humanos e monetários totais no Grande Oriente Médio no mesmo período de tempo. Mais ainda, não há como começar a contar o impacto de vidas destruídas, relacionamentos destruídos e contínua perda de vidas por suicídios.


Alguns diriam que este é o custo da guerra. Possivelmente. Mas em uma guerra, a perda deve ter um objetivo.


Esse objetivo deve ser proporcionar um melhor estado de paz. Deve haver uma teoria de vitória para fazer isso acontecer. Ensinamos isso a nossos estrategistas e futuros oficiais gerais em nossas faculdades de guerra. De acordo com nossa Constituição, a guerra deve ter a aprovação do Congresso e,

portanto, o consentimento do povo, para atingir esses objetivos de guerra.


Mesmo assim, depois de quase vinte anos de guerra, não temos nada disso de forma coerente. Ainda não estamos mais perto da vitória, nem mesmo temos uma ideia realista de como é a vitória. Não fomos honestos na condução da guerra. Mudamos continuamente nossos objetivos de guerra. Pagamos custos de oportunidade assombrosos, quantias incomensuráveis de tesouro e, o mais importante, um número inimaginável de vidas - novamente, mais de 7.000 mortos e mais de 50.000 feridos. Depois de tudo isso, devemos aos uniformizados, alguns dos quais nem nasceram em 11 de setembro, ter a coragem de perguntar: "Quando isso será o suficiente?"


Com um novo ano e uma nova administração, temos a oportunidade de responder a essa pergunta. Eu esperava que começássemos a ver a luz no fim deste túnel. No entanto, com nomeações como o recém-confirmado Secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, e seu histórico comprovado de intervenção militar, somos lembrados mais uma vez que quanto mais as coisas mudam, mais permanecem as mesmas.


Quando chegou a minha vez de questionar Antony Blinken em sua audiência de nomeação sobre as lições aprendidas com seu envolvimento na continuação de nossas operações de combate no Oriente Médio, ele começou a dançar em torno da questão, permanecendo firme em suas crenças de que devemos promover a diplomacia americana como nossa primeira resposta, ao invés de entrar em guerra e conflito. Só podemos esperar que ele acredite nisso.

Durante o interrogatório, abordamos o fato de que ele, junto com o então vice-presidente Joe Biden e o presidente Barack Obama, apoiaram a derrubada de Muammar Gaddafi na Líbia. Não demorou muito para que eles percebessem que nenhum poder rival é capaz de substituir Gaddafi e o caos se seguiu.


Alguém poderia pensar que eles teriam aprendido com o que aconteceu na Líbia. Por que então eles defenderam a invasão da Síria? O fracasso na Síria, disse ele, não foi suficiente. Discordo. Vimos repetidamente que a mudança de regime não funciona.


Minha preocupação por nós como país, no entanto, é que parece que o Sr. Blinken vai voltar ao passado, continuando em um caminho intervencionista usando força militar sem objetivo claro. Um caminho que tem um histórico consistente de falhas em administrações anteriores.

O presidente Biden tem uma oportunidade de ouro nos próximos dias para redefinir a política externa americana e encerrar nossa guerra aparentemente sem fim. Devemos retornar à diplomacia cuidadosa que não depende da baioneta para alcançar algo que não podemos definir claramente. Devemos estar dispostos a manter linhas de comunicação abertas. Manter-se firme quando necessário, mas ter os ouvidos abertos sempre que possível. Devemos retornar nossos militares “além do horizonte” para redefinir e reorientar nossos verdadeiros interesses de segurança nacional.


Mas parece que a confirmação do Sr. Blinken significa que estamos longe de seguir esse caminho.


Seria tão fácil negligenciar meu dever como senador dos Estados Unidos e "seguir o fluxo". Eu não vou. Liderei continuamente a luta para reavaliar nossa política externa, para encerrar nossa “guerra sem fim” e trazer nossas forças de combate para casa. Tenho sido e continuarei a ser vocal sobre como encontrar uma maneira de fazer isso acontecer. E agora isso significa lembrar o Sr. Blinken, e todos aqueles que ele traz consigo, dos erros de seus caminhos anteriores. Exorto meus colegas do 117º Congresso a fazerem o mesmo.


Rand Paul é um senador dos Estados Unidos por Kentucky.


ARTIGO ORIGINAL:

https://nationalinterest.org/feature/rand-paul-why-we-need-end-forever-wars-now-177997

8 views0 comments

© Todos os Direitos Reservados - heitordepaola.online

  • Facebook
  • Twitter
  • YouTube