Qual o papel da China no conflito israelense-palestino?

- THE EPOCH TIMES - 21 maio, 2021 - Yang Wei - Tradução César Tonheiro -


Israel e o Hamas estiveram envolvidos em um conflito militar neste mês. Enquanto a comunidade internacional quer restaurar a paz por meio de mediações diplomáticas, a China, que ocupará a presidência rotativa do Conselho de Segurança das Nações Unidas em maio, não condenou a violência. O motivo do regime comunista é questionável.


Depois de um confronto entre palestinos e policiais israelenses na mesquita de Al-Aqsa em Jerusalém em 7 de maio, o Hamas começou a disparar um grande número de foguetes contra Israel. Posteriormente, Israel lançou um ataque aéreo contra os líderes do Hamas.


O conflito começou com o incidente na mesquita, mas o Hamas provocou o primeiro ataque militar.


Falando pela primeira vez desde o início da violência, o presidente dos EUA, Joe Biden, em 12 de maio expressou esperança de que o conflito militar terminasse o mais rápido possível, mas também afirmou que Israel “tem o direito de se defender”. O subsecretário de Estado adjunto para Israel e Palestina também foi ao Oriente Médio como enviado especial para mediar o conflito.


Países ocidentais condenam a violência


O enviado de paz da ONU para o Oriente Médio, Tor Wennesland, alertou em 11 de maio que “o custo da guerra em Gaza é devastador” e tuitou: “Pare o fogo imediatamente”.


O primeiro-ministro canadense, Justin Trudeau, declarou em 12 de maio que "precisamos ver o fim da violência e dos ataques" e "os ataques com mísseis do Hamas são absolutamente inaceitáveis".


Em 12 de maio, o primeiro-ministro britânico Boris Johnson exortou Israel e os palestinos a "recuarem da beira do abismo" e pediu que ambos os lados "mostrassem contenção".


O secretário do Exterior britânico, Dominic Raab, tuitou em 16 de maio: “O Reino Unido condena os ataques do Hamas a civis e afirma o direito de Israel à autodefesa” e “todos os lados devem evitar baixas de civis”.


Raab disse que falou sobre a violência com o primeiro-ministro da Autoridade Palestina, Mohammad Shtayyeh.


O presidente francês Emmanuel Macron conversou com o presidente da Autoridade Palestina, Mahmoud Abbas, em 13 de maio e condenou veementemente os lançamentos de mísseis contra o território israelense pelo Hamas e outros grupos terroristas. Enquanto isso, Paris também restringiu as manifestações pró-palestinas para evitar graves perturbações à ordem pública.


O ministro das Relações Exteriores da Alemanha, Heiko Maas, culpou o Hamas pela violência e disse que haveria “tolerância zero para ataques a sinagogas em seu país”, de acordo com uma entrevista ao grupo de mídia Funke em 13 de maio.


O secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, disse em uma entrevista coletiva em 13 de maio: “Acreditamos que israelenses e palestinos merecem medidas iguais de liberdade, segurança, dignidade e prosperidade. Esse reconhecimento continuará a impulsionar nossa abordagem.”


Blinken enfatizou, “Israel tem o direito de se defender desses ataques de foguetes e da diferença fundamental entre uma organização terrorista do Hamas que está alvejando civis indiscriminadamente, Israel está se defendendo e indo atrás daqueles que o estão atacando”.

Em um apelo ao primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu em 17 de maio, o presidente Biden expressou apoio a um cessar-fogo entre Israel e os governantes militantes do Hamas em Gaza. De acordo com a declaração da Casa Branca, Biden “encorajou Israel a fazer todos os esforços para garantir a proteção de civis inocentes”, enquanto expressava seu apoio a Israel.


Enquanto isso, diplomatas de países árabes também almejavam restaurar a paz por meio de esforços diplomáticos.


Resposta de Pequim


Em 7 de maio, quando ocorreu o conflito entre israelenses e palestinos nas mesquitas, o ministro das Relações Exteriores da China, Wang Yi, presidiu a reunião do Conselho de Segurança da ONU e mais uma vez falou sobre "multilateralismo". Ele disse que as regras internacionais “não são uma patente ou privilégio de poucos”.


Wang elogiou: “Este ano marca o 100º aniversário da fundação do Partido Comunista da China. … Estamos prontos para trabalhar com todas as partes para levar o multilateralismo e a ONU adiante de um novo ponto de partida e construir conjuntamente uma comunidade com um futuro compartilhado para a humanidade”.


Depois que o conflito militar israelense-palestino estourou, o Conselho de Segurança da ONU realizou uma reunião a portas fechadas em 11 de maio, mas não emitiu uma declaração. Provavelmente devido à falta de consenso.


Enquanto vários países estavam ocupados mediando diplomaticamente para diminuir a tensão em Gaza, Wang, por outro lado, estava ocupado se reunindo com os ministros das Relações Exteriores dos cinco países da Ásia Central em 12 de maio. Três dias depois, Wang teve um telefonema com o Ministro das Relações Exteriores do Paquistão.


O Partido Comunista Chinês (PCC) não fez nada para impedir o conflito israelense-palestino, nem se importou realmente com as vítimas dos ataques com mísseis. Em vez disso, aproveitou a oportunidade para criticar os Estados Unidos e seus aliados. Em 14 de maio, a mídia estatal chinesa Xinhua News publicou um relatório intitulado “O Ministério das Relações Exteriores adverte os EUA: a vida dos muçulmanos palestinos é igualmente preciosa”.


A Xinhua citou o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores dizendo que "os Estados Unidos, junto com um punhado de seus aliados como o Reino Unido e a Alemanha", fizeram uma "farsa política" ao manter "questões relacionadas a Xinjiang falsamente em nome das Nações Unidas ”E“ os Estados Unidos devem saber que as vidas dos muçulmanos palestinos são igualmente preciosas”. O PCCh não condenou os ataques de mísseis provocados pelo Hamas, nem mencionou as mortes e ferimentos de israelenses. O PCC não acredita que Israel tenha o direito de se defender. Em uma tentativa de tirar o foco dos contínuos abusos dos direitos humanos em Xinjiang, Pequim queria enviar a mensagem de que “as vidas dos muçulmanos palestinos” também importam. Esta é uma declaração indireta do apoio do PCC à organização terrorista Hamas.


A resposta à pergunta sobre por que um consenso era difícil de se chegar depois de duas reuniões de emergência da ONU sobre o assunto agora deve ser clara.


Como presidente rotativo do Conselho de Segurança em maio, a China primeiro competiu abertamente pela hegemonia nas reuniões da ONU, mas não fez nada em face do conflito israelense-palestino. É uma indicação clara de que Pequim carece seriamente da capacidade de se comunicar com outros países e que não segue as regras de imparcialidade e justiça. Um esforço global para diminuir a tensão no conflito israelense-palestino foi explorado pelo PCC, que se tornou um campo de batalha de sua luta contra os Estados Unidos e os países democráticos ocidentais.


O possível papel do PCCh por trás do conflito israelense-palestino


A declaração do PCCh revelou repetidamente seu apoio ao Hamas. Ao longo dos anos, o Hamas freqüentemente realizou ataques armados contra Israel, incluindo atentados suicidas. É considerado uma organização terrorista por Israel e países ocidentais. O PCC nunca condenou o Hamas por lançar ataques de mísseis primeiro, mas afirmou que “continuará a apoiar firmemente o povo palestino”.


Israel e Palestina estão em conflito há muito tempo, e o PCCh tem repetido declarações semelhantes.


Há relatos na mídia que afirmam que os mísseis do Hamas foram fornecidos pela China. Em um incidente em dezembro de 2008, o Hamas disparou 60 mísseis contra Israel e as forças de segurança israelenses alegaram que usaram mísseis de longo alcance de fabricação chinesa. Tal desempenho e qualidade estão de acordo com o estado atual do armamento e da tecnologia do regime chinês.

Enquanto a maioria dos países espera que o conflito israelense-palestino se acalme, o PCCh está na verdade encorajando o Hamas a continuar sua luta. O Hamas assumiu a liderança neste ataque, que não tem precedentes em escala e intensidade. Eu suspeito fortemente que o PCCh está nos bastidores.


Superficialmente, o PCCh está enfrentando os Estados Unidos. No entanto, está ciente de sua fragilidade. E quando o exército dos EUA se prepara para se retirar do Oriente Médio, ao passo que fortalece seu posicionamento na região Indo-Pacífico, o PCC naturalmente acaba se estressando.


Anteriormente, o PCCh contava com o alívio da Rússia quando Vladimir Putin tinha tropas na fronteira com a Ucrânia. Mas a rápida retirada das tropas russas colocou novamente o PCCh de volta na linha de frente do confronto sozinho com os Estados Unidos, sem mencionar que os líderes dos EUA e da Rússia estão prestes a realizar uma reunião de cúpula em junho.


O PCCh também poderia ter contado com o Irã para causar distúrbios no Oriente Médio, mas os Estados Unidos e o Irã estão negociando. Se o Irã obtiver uma boa moeda de troca, estará naturalmente disposto a chegar a um acordo com os Estados Unidos, o que falhará nos cálculos do PCC.


Quanto à Coreia do Norte, irmã mais nova da China, também tem estado quieta desde que os Estados Unidos concederam um ramo de oliveira ao regime de Kim Jong-un.


A atitude do regime chinês em relação ao conflito israelense-palestino revela sua verdadeira intenção de aumentar as tensões em Gaza. O objetivo do PCCh é desviar o foco internacional das tensões na região do Indo-Pacífico e no Mar do Sul da China.


Eu acredito que por trás de todos os conflitos nos quais o Hamas iniciou os ataques contra Israel, o PCCh foi seu principal empurrão.


Yang Wei tem acompanhado de perto os assuntos da China por muitos anos. Ele tem contribuído com comentários políticos sobre a China para o Epoch Times em chinês desde 2019.

As opiniões expressas neste artigo são as opiniões do autor e não refletem necessariamente as opiniões do Epoch Times.


PUBLICAÇÃO ORIGINAL:

https://www.theepochtimes.com/what-role-does-china-play-in-the-israeli-palestinian-conflict_3821953.html


Para acessar o Conteúdo acima, acesse a Home Page aqui. https://www.heitordepaola.online/


10 views0 comments