Plano para retomada das atividades em São Paulo

Estadão - 27/05/2020



O governador João Doria, o prefeito Bruno Covas e a equipe do Centro de Contingência da Covid-19 durante coletiva de imprensa no Palácio dos Bandeirantes Foto: Bruno Ribeiro

Doria anuncia 'retomada consciente' a partir de 1º de junho; quarentena é prorrogada até dia 15


Plano de retomada conta com cinco fases e levará em conta o momento da epidemia em cada região; projeto prevê reabertura de atividades como concessionárias, escritórios e shoppings centers, mas ainda com restrições

27 de maio de 2020 por Bruno Ribeiro, Pedro Venceslau, Paloma Cotes e Mariana Hallal


O governador João Doria (PSDB) anunciou nesta quarta-feira, 27, um novo modelo de quarentena no Estado. A quarentena foi prorrogada até o dia 15 de junho, mas haverá flexibilização da medida em algumas regiões a partir de 1º de junho para a retomada da atividade econômica. Pelo plano, a capital paulista já poderia ter a retomada de funcionamento de concessionárias, imobiliárias, escritórios, comércios e shoppings centers, mas ainda com restrições.


"Hoje é um dia importante para São Paulo e os 46 milhões de brasileiros de São Paulo. Estamos anunciando a retomada consciente a partir de 1º de junho. Manteremos a quarentena até 15 de junho, mas com a retomada de algumas atividades econômicas", disse Doria. "Todas as decisões do governo em relação à covid-19 foram pautadas pela ciência e medicina. Aqui não há achismos", disse.


De acordo com Doria, a retomada será dada nas cidades que tiverem redução consistente no número de casos, nas que tiverem disponibilidade de leitos nos hospitais públicos e privados, e nas que obedecerem o distanciamento social. O uso de máscaras continuará sendo obrigatório.


"O vírus afetou fortemente a economia do Brasil e do Estado que lidera a economia do Brasil. Mantivemos 74% das atividades em funcionamento no Estado", disse Doria. "A nova fase do Plano São Paulo não é um relaxamento, mas um ajuste fino de acordo com as necessidades regionais. E temos dados técnicos para garantir essa retomada segura."


Plano de retomada


"Estamos vendo uma desaceleração do crescimento da epidemia. Teremos mais de 60 protocolos para serem seguidos. Teremos um faseamento e retomada regionalizada. E isso será feito em cinco fases", afirmou Patricia Ellen da Silva, secretária de Desenvolvimento Econômico.


Segundo Patrícia, o Estado foi dividido em 17 regiões e a primeira fase, vermelha, é de alerta máximo, com funcionamento apenas de serviços essenciais. A fase dois (laranja) é de controle, de atenção, ainda com medidas restritivas, mas já é possível iniciar flexibilização em alguns setores, como atividades imobiliárias, concessionárias, escritórios, comércios e shoppings centers. Na fase três (amarela), é possível reabertura num número maior de setores, somados aos da fase dois, seriam adicionados bares e restaurantes e salões de beleza, mas ainda com restrições de horário e fluxo de clientes. Na fase quatro (verde), haverá um nível de abertura maior, incluindo academias, mas ainda com restrições. E a fase cinco, chamada de "o novo normal controlado", a liberação total, mas com medidas de higiene.


O plano prevê a flexibilização parcial em diferentes escalas de capacidade e horário de atendimento.

Nível de restrição do Plano São Paulo Foto: Governo de São Paulo

Segundo o governo, a interdição total de espaços como teatros, cinemas e eventos que geram aglomerações permanece válida por tempo indeterminado. A retomada de aulas presenciais no setor de educação e o retorno da capacidade total das frotas de transportes seguem sem previsão.


As normas do Estado autorizam prefeitos a conduzir e fiscalizar a flexibilização dos setores, de acordo com os critérios estabelecidos. Com isso, Doria cedeu aos apelos de prefeitos do interior e de seus próprios auxiliares. Os pré-requisitos para a retomada são a adesão aos protocolos do Plano São Paulo.


Ainda de acordo com o governo do Estado, a flexibilização vai levar em conta a capacidade do sistema de saúde, com a taxa de ocupação de leitos de UTI e o número de leitos por 100 mil habitantes, além da evolução da epidemia, com números de casos, internações e óbitos.


São Paulo é o Estado do País com o maior número de casos e mortes. Balanço da Secretaria Estadual da Saúde divulgado nesta terça-feira mostrava que o Estado tem 6.423 óbitos e 86.017 casos confirmados. A taxa de ocupação dos leitos de UTI é de 87,7% na Grande São Paulo e de 74,5% no Estado.


Capital, Grande São Paulo e Interior


A capital paulista está na fase dois (laranja), pelo mapa feito pelo governo do Estado. Com isso, a cidade de São Paulo poderá ter a retomada de atividades imobiliárias, concessionárias, escritórios, comércios e shoppins centers. Cidades como Campinas, Ribeirão Preto, São Carlos, Marília, Piracicaba também estão nessa fase. No entanto, a Grande São Paulo e a Baixada Santista continuam na fase 1, vermelha, e só terão funcionamento de atividades essenciais. Apenas algumas regiões do interior estão na fase 3 (amarela), como Bauru, Presidente Prudente e Barretos. Nenhuma região está na fase 4 (verde) ou fase 5 (azul).


De acordo com a economista Ana Carla Abrão, que é coordenadora do comitê econômico de São Paulo, as regiões foram classificadas de acordo com sua capacidade hospitalar e com a evolução da epidemia. Segundo ela, a cada sete dias haverá reavaliação das classificações e as regiões poderão progredir de fase a cada 15 dias.


O plano foi divulgado com detalhamento por setores em um site do governo.


Plano para retomada das atividades em São Paulo Foto: Governo de São Paulo

Reabertura na capital


O prefeito Bruno Covas (PSDB) participou do anúncio e disse que a cidade vai começar a discutir com os setores privados os protocolos de saúde para a retomada da atividade econômica. Nesta quinta-feira, Covas afirmou que vai detalhar de que forma e quando os empresários poderão apresentar seus protocolos de funcionamento. Esses protocolos, segundo ele, serão validados pela Vigilância Sanitária do município e precisarão da assinatura do prefeito para ter validade. Depois disso, a atividade econômica poderá ser retomada.


"Os resultados mostram estabilidade em relação ao número de casos, contaminação, óbitos semanais, ocupação de leitos de UTI. Todos os índices importantes foram considerados e estão em fase de estabilização na cidade de São Paulo. Toma-se decisão rastreado com base na Saúde. Vamos começar a partir de segunda a receber os protocolos setoriais, que serão validados pela Vigilância", disse Covas.


Covas também afirmou que a gestão municipal elaborou um "índice próprio" para controlar o isolamento social baseado na movimentação do trânsito e no número de passageiros do transporte público. Pelas contas da Prefeitura, o índice vem se mantendo acima de 55% desde o fim de março. Desde a primeira semana de maio, a taxa está acima de 70%. Os números diferem bastante do que vinha sendo divulgado pelo Estado, que se baseia em dados de telefonia móvel para indicar tendências de deslocamento, e vinha mostrando uma taxa de isolamento social na capital geralmente abaixo de 50%.


https://saude.estadao.com.br/noticias/geral,doria-anuncia-retomada-consciente-a-partir-de-1-de-junho-quarentena-e-prorrogada-ate-dia-15,70003316259

0 views

© Todos os Direitos Reservados - heitordepaola.online