Pesquisa com armas biológicas na China pode ser a causa da pandemia

- THE EPOCH TIMES - Mar 15, 2021 -

Frank Fang - TRADUÇÃO CÉSAR TONHEIRO


Pandemia pode ter sido causada por acidente de pesquisa com armas biológicas na China: ex-investigador do Departamento de Estado

15 de março de 2021 por Frank Fang


O vírus que causou a pandemia do COVID-19 pode ter sido o resultado de um vazamento de arma biológica na China, de acordo com David Asher, principal ex-investigador do COVID-19 no Departamento de Estado dos EUA.


“Isso pode ter sido um vetor de armas que deu errado; não foi lançado deliberadamente, mas em desenvolvimento e de alguma forma vazou”, disse Asher em 12 de março, durante um painel de discussão no Hudson Institute.


Asher acrescentou: “Esta [munição biológica] acabou por ser a maior arma da história. Eliminou de 15 a 20% do PIB global. Matou milhões de pessoas. A população chinesa quase não foi afetada. Suas economias rugiram de volta para ser o número um em todo o G20. ”


O vírus PCC (Partido Comunista Chinês), que causa a doença COVID-19, surgiu pela primeira vez na cidade chinesa de Wuhan no final de 2019. Um laboratório do Instituto de Virologia de Wuhan, onde cientistas realizaram extensas pesquisas sobre coronavírus em morcegos, há muito se especula ser a fonte do surto, possivelmente devido a um vazamento acidental.


Essa teoria foi declarada "extremamente improvável" pelo especialista da Organização Mundial da Saúde (OMS) Peter Ben Embarek em 8 de fevereiro, após uma missão de investigação de duas semanas em Wuhan. No entanto, em poucos dias, o chefe da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, pareceu reverter essa afirmação, dizendo que “todas as hipóteses permanecem abertas e requerem mais estudos”


Um informativo divulgado pelo Departamento de Estado dos EUA em janeiro afirmou que "tinha motivos para acreditar" que vários pesquisadores do instituto adoeceram com sintomas consistentes com COVID-19 e doenças sazonais comuns no outono de 2019. Um pesquisador sênior do instituto disse em julho de 2020, havia “infecção zero” entre a equipe do laboratório e alunos.


Asher notou que a China parou de falar publicamente sobre sua pesquisa no laboratório de Wuhan em 2016. Numa noite do mesmo ano, ele se lembrou de ter ouvido um comentarista militar chinês falar na mídia estatal chinesa como "entramos em uma área da guerra biológica chinesa, incluindo o uso de coisas como vírus.”


“Quero dizer, eles fizeram uma declaração pública ao seu povo de que esta é uma nova prioridade da política de segurança nacional de Xi [o líder chinês Xi Jinping]”, disse Asher.


Asher duvidou que fosse uma coincidência e acrescentou que 2016 poderia ser o ano em que os militares chineses se envolveriam em programas biológicos no laboratório de Wuhan.

“Você precisa entender a natureza do estado comunista na China e sua abordagem secreta e de uso duplo a tudo que é militar para poder apreciá-lo”, disse Asher. Ele acrescentou que acreditava que ninguém na OMS entendia a China o suficiente para saber bem o que ela poderia “ofuscar” em seus programas classificados.


A China também não cooperou durante o estágio inicial do surto. Asher disse que os Estados Unidos e seus aliados fizeram quase 100 pedidos à China, seja para pedir ajuda ou para oferecer ajuda.


A China rejeitou todos eles e disse repetidamente que o vírus não era contagioso, embora soubesse que estava se espalhando de humano para humano, de acordo com Asher.


A OMS inicialmente repetiu a alegação de Pequim de que o vírus não era contagioso, descartando um alerta por e-mail de Taiwan.


Um artigo científico publicado no ano passado concluiu que Pequim ocultou a transmissibilidade do vírus por pelo menos três semanas antes de reconhecer publicamente que o vírus era contagioso em 20 de janeiro de 2020.


Jamie Metzl, conselheiro da OMS e membro sênior do Conselho do Atlântico, também falou no painel, criticando a missão de averiguação da OMS como “não uma investigação real”.

“Foi mais uma viagem de estudo de duas semanas com acompanhamento, onde receberam informações altamente selecionadas”, disse Metzl.


Em 4 de março, Metzl organizou uma carta aberta pedindo uma “investigação forense internacional completa e irrestrita” sobre as origens do vírus. A carta apontou que os especialistas da equipe da OMS não foram selecionados “adequadamente” para conflitos de interesse.


Dois especialistas estrangeiros da equipe da OMS - Peter Daszak e Marion Koopmans ― têm claramente laços com o regime chinês.



ORIGINAL:

https://www.theepochtimes.com/pandemic-may-have-been-caused-by-bioweapon-research-accident-in-china-former-state-department-investigator_3733595.html

29 views0 comments