PCCh vírus custará mais que duas décadas de guerras no Afeganistão e no Iraque para os EUA

14/04/2020


- NATIONAL INTEREST -

Tradução César Tonheiro



Coronavírus pode prejudicar a segurança nacional dos EUA

O Conselho de Segurança Nacional deve assumir a liderança para garantir que todo o espectro de ameaças à segurança do país, seja militar, econômico ou de saúde, seja respondido com toda a força dos Estados Unidos.

14 de abril de 2020 por Ramon Marks

A pandemia de coronavírus custou ou custará aos Estados Unidos mais vidas e perdas financeiras do que quase duas décadas de guerra no Afeganistão e no Iraque. Somente nos últimos dois meses, mais de dezesseis mil americanos morreram do coronavírus, em comparação com cerca de nove mil militares mortos durante dezenove anos no Afeganistão e no Iraque. O custo dessas guerras foi estimado em cerca de US $ 5 trilhões, uma quantia que empalidecerá em comparação com o que o vírus acabará custando aos Estados Unidos. Depois de apenas alguns meses de propagação da doença, foram destinados mais de US $ 2 trilhões sob a Lei CARES para alívio econômico de emergência, com trilhões a mais injetados na economia dos EUA pelo Federal Reserve. Mais de dezesseis milhões de americanos ficaram desempregados em apenas um mês, acabando com uma década de crescimento no emprego. Sem um tiro de um inimigo atacante, os Estados Unidos ficaram gravemente feridos.

Embora o foco principal até agora tenha sido o fechamento da porta do celeiro decorrente de nossa falta de preparo para lidar com uma grande pandemia, também houve uma crescente percepção de que as vantagens da globalização podem ter seus limites. Sob a bandeira do livre comércio e da vantagem comparativa, os Estados Unidos comprometeram sua segurança nacional, permitindo que suas cadeias de fornecedores para suprimentos médicos se tornassem catastroficamente dependentes de fontes estrangeiras, principalmente a China. Foi relatado que talvez até 90% de todos os antibióticos usados nos Estados Unidos sejam fabricados na China. Resolver esse problema é obviamente uma prioridade principal e imediata, mas oculta uma lacuna ainda mais profunda no pensamento estratégico dos EUA, pelo qual agora estamos pagando caro. As forças armadas de nosso país não podem nos proteger de surtos de doenças provenientes do exterior, nem proteger nossa economia e suas indústrias mais importantes de roubo de tecnologia e dados orquestrados por governos estrangeiros, nem as forças armadas dos EUA estão voltadas para a construção de infraestrutura moderna. Todos esses desafios são tão vitais para nossa segurança nacional quanto proteger os Estados Unidos e seus aliados da invasão militar, mas exigem ação civil, não militar.

Desde o final da Segunda Guerra Mundial, a preservação da segurança nacional tem sido vista principalmente como a manutenção de um exército robusto e capaz sob a estrutura de uma política diplomática que enfatiza a contenção política de países autoritários e a promoção dos valores da ordem liberal. As considerações econômicas e de saúde pública têm sido tradicionalmente relegadas ao banco traseiro, com os formuladores de políticas tratando o poder econômico dos EUA como um dado sólido, sustentando nossa postura de segurança nacional.

Mesmo antes da pandemia, essa visão começou a ser abalada devido a uma confluência de nuvens acumuladas. Como Graham Allison aludiu, em 1950 os Estados Unidos eram o poder econômico dominante no mundo, representando 50% de seu PIB. Esse número havia caído para 25% em 1991 e hoje é de apenas 14%. Em 1991, a economia da China era um quinto do tamanho dos Estados Unidos. Hoje, em termos de paridade de poder de compra, a China tem a maior economia do mundo, 20% maior que os Estados Unidos.

Acompanhando esse relativo declínio do poder econômico americano, principalmente devido à crescente prosperidade econômica em outros países, houve o advento de novas ameaças não militares à segurança dos EUA. O espectro do ataque cibernético levou à percepção de que um grande exército com equipamento de armas caro não é mais suficiente para proteger a pátria. Um punhado de hackers civis inteligentes por diversão própria pode potencialmente causar enormes danos aos Estados Unidos, interrompendo nossas redes de energia e sistemas financeiros — nenhum exército é necessário — apenas laptops.

A pandemia pode ser vista como outro golpe contra a visão mais tradicional da segurança americana, mostrando a vulnerabilidade dos Estados Unidos e de sua economia a forças malignas que não usam uniforme militar. A natureza e os micróbios podem causar o mesmo tipo de destruição que os bombardeios da Segunda Guerra Mundial. A pandemia de coronavírus é um alerta que aponta claramente o lado sombrio da globalização como uma ameaça à segurança nacional. Em resposta, o protecionismo, há muito tempo uma palavra ofensiva para comerciantes e acadêmicos libertários, deveria voltar à moda.

Felizmente, os Estados Unidos já possuem as ferramentas necessárias para lidar com essas ameaças inerentemente não militares. Uma lei de pouco conhecimento público, a Lei de Produção de Defesa de 1950 (DPA), tornou-se hoje uma palavra comum. Ela fornece ao governo federal o poder de aproveitar as empresas americanas para fornecer bens e serviços considerados essenciais à defesa nacional, um conceito que a lei define amplamente.

Um ponto óbvio para começar serão as indústrias de equipamentos farmacêuticos e médicos dos EUA que terceirizaram perigosamente muito de sua capacidade de fabricação no exterior. Uma iniciativa entre o governo e o setor privado deve ser iniciada com urgência para trazer muito dessa capacidade para casa. Se os negócios falham, então o presidente deve estar preparado para usar sua autoridade DPA, assim como ele já fez com a 3M e a GM.

Para salvaguardar a segurança nacional geral, essas iniciativas não podem ser limitadas ao setor da saúde. Atualmente, os Estados Unidos se encontram em uma concorrência com a China por sistemas de telecomunicações móveis 5G. Se o 5G chinês vencer, as economias dos Estados Unidos e de seus aliados ficarão fundamentalmente comprometidas, deixando dados proprietários (patentes ou segredos comerciais) valiosos acessíveis à caça furtiva pelo governo chinês e empresas controladas pelo Partido Comunista. Projetar um sistema 5G seguro apenas para os militares não será adequado. De fato, o 5G se tornará a espinha dorsal da economia americana, permitindo a geração de massas e massas de dados, aumentando drasticamente a produtividade. Em vez de conectar dez mil "pontos" por milha (como telefones celulares), o 5G será o pipeline capaz de conectar até incríveis três milhões de pontos por milha. Amazon, Google, Facebook e Microsoft irão gerar todos os seus dados através deste pipeline, assim como virtualmente todos os outros negócios americanos. A China não pode vencer a corrida, obtendo acesso clandestino aos dados proprietários das empresas americanas. A administração deve trabalhar com o setor americano para fornecer um sistema 5G seguro para garantir a segurança nacional. Se necessário, o DPA precisará ser aceito para ajudar a fazer isso acontecer.

Outra lei que deve rapidamente se tornar mais familiar é a Seção 232 da Lei de Expansão Comercial de 1962. Ela autoriza o presidente a impor tarifas para proteger indústrias domésticas consideradas essenciais para a segurança nacional. No passado, o alívio da Seção 232 raramente era concedido em consideração aos ideais do livre comércio e por relutância em ser muito expansivo na definição de negócios considerados vitais para a segurança dos EUA. Já antes da pandemia, o atual governo demonstrou sua disposição de usar a Seção 232 de maneira mais flexível ao impor cotas de importação para ajudar a proteger a indústria estratégica de alumínio dos EUA da concorrência externa de menor preço (dumping). As empresas americanas envolvidas em setores críticos para a força econômica e a competitividade americanas precisarão considerar a possibilidade de recorrer à Seção 232 se a viabilidade de suas operações nos EUA for ameaçada por produtos estrangeiros pela prática de dumping.

A crise da pandemia é uma lição difícil para os Estados Unidos. O país nunca sonhou que poderia estar numa posição tão comprometida para lidar com a conjuntura, acreditava-se que seu governo estivesse preparado para lidar bem e profissionalmente por anos. O desafio será superado e a economia dos EUA se recuperará. A lição final é que as ameaças à segurança nacional devem ser vistas de maneira muito ampla para incluir mais do que desafios militares. O golpe mortal contra as vidas americanas e a economia pelo coronavírus é tão grande quanto os danos de qualquer guerra. O Conselho de Segurança Nacional deve assumir a liderança para garantir que todo o espectro de ameaças à segurança do país, seja militar, econômico ou de saúde, seja respondido com toda a força dos Estados Unidos.

Ramon Marks é advogado internacional aposentado de Nova York.

Imagem: Reuters

https://nationalinterest.org/feature/coronavirus-could-cripple-americas-national-security-144192

© Todos os Direitos Reservados - heitordepaola.online

  • Facebook
  • Twitter
  • YouTube