PCCh sob pressão no combate ao aumento do desemprego

South China Morning Post - Tradução César Tonheiro

13/05/2020



Ilustração: Henry Wong

Lideranças da China sob pressão em meio à pandemia de coronavírus para combater o aumento do desemprego


Liderança chinesa prioriza manter baixos os números de desemprego, já que a alta taxa de desemprego ameaça a estabilidade social


As políticas incluem incentivos direcionados àqueles com maior risco — graduados, trabalhadores migrantes e o setor de pequenas empresas

13 de maio de 2020 por Echo Xie


Este é o terceiro de uma série de seis reportagens que explora as causas e conseqüências da crise doméstica de desemprego que a China pode enfrentar após a pandemia de coronavírus. Esta reportagem analisa a mudança no foco do crescimento para manter sob controle a taxa de desemprego do país.


pandemia do coronavírus forçou uma mudança drástica de prioridades para os líderes de Pequim, à medida que enfrentam um crescimento econômico em queda e uma taxa de desemprego crescente que ameaça a estabilidade social — a base da legitimidade do Partido Comunista.


Graduados universitários, trabalhadores migrantes e o setor de pequenas empresas do país estão em maior risco e a liderança da China respondeu, tornando o controle do desemprego uma prioridade mais alta para o próximo ano do que colocar a taxa de crescimento de volta aos trilhos.


Ao mesmo tempo, as autoridades locais foram informadas várias vezes que elas também devem cumprir as metas de combate à pobreza do país até o final deste ano, pressionando ainda mais os quadros locais para obter resultados. Essa mensagem foi reforçada pelo Presidente Xi Jinping na segunda-feira, quando ele visitou as casas de agricultores realocados em Datong, na província de Shanxi, no norte.


“Como membros do Partido Comunista Chinês, devemos buscar a felicidade das pessoas de todo coração ... e fazer tudo o que pudermos para ajudar as famílias atingidas pela pobreza a se mudarem para novos lares e fornecer treinamento para que possam encontrar emprego e viver uma vida feliz, Xi disse a uma família, na companhia de quadros locais.


Mas os desafios descritos por Xi eram mais fáceis de dizer do que fazer, de acordo com especialistas. Eles apontaram que os agricultores excedentes no vasto campo da China precisariam competir com milhões de trabalhadores urbanos pelos limitados empregos disponíveis.


A desaceleração da economia está pressionando as empresas a fazer redundâncias, enquanto, ao mesmo tempo, uma recessão global iminente causada pela pandemia diminuiu as perspectivas de uma rápida recuperação, à medida que investidores e compradores estrangeiros apertam os cintos.


Em fevereiro, a taxa de desemprego urbano da China saltou para 6,2%, a mais alta já registrada. Em março, caiu ligeiramente para 5,9%, à medida que mais empresas reabriam. Mas os números são altamente contestados.


Uma análise de abril do UBS estimou que 50 a 60 milhões de pessoas no setor de serviços atingidos podem ter perdido o emprego ou não estão trabalhando, e outros 20 milhões de pessoas nos setores industrial e de construção podem estar na mesma posição.


O líder chinês Xi Jinping tratando sobre os esforços para aliviar a pobreza em Xiping, município de Datong, província de Shanxi, na segunda-feira. Foto: Xinhua

A taxa de desemprego na China pode chegar a 10% este ano, resultando em pelo menos mais 22 milhões de trabalhadores urbanos perdendo seus empregos, de acordo com um relatório da The Economist Intelligence Unit em 22 de abril.


Hu Xingdou, economista independente de Pequim, disse que a taxa de desemprego oficial da China não reflete o cenário real.


“Não é possível que um indivíduo descubra a taxa real de desemprego. Mas, observando o que está acontecendo ao nosso redor, com o fechamento de restaurantes e as empresas demitindo funcionários, podemos dizer que o número real deve ser maior", disse ele, acrescentando "é por isso que [este ano] o governo central deu prioridade ao emprego".


Encontrar emprego para a nova safra de graduados de 2020 foi apontada como uma tarefa crítica para as autoridades locais este ano. Seis departamentos do governo central e órgãos do Partido Comunista lançaram uma campanha especial na semana passada para pressionar por mais empregos para os graduados — estimados em um número recorde de 8,47 milhões este ano.


Chen Peipei, uma estudante de 22 anos da Universidade Shantou, na província de Guangdong, no sul, é uma das graduadas preocupadas em encontrar trabalho. Ela enviou dezenas de inscrições nos últimos três meses, sem sucesso. "Eu ainda estou envidando o meu melhor para procurar emprego, mas há uma vaga sensação de fracasso em meu coração", disse ela.


A questão do desemprego dominou várias reuniões do governo nos últimos dois meses e foi apontada como a prioridade do país na reunião de 17 de abril do Comitê Permanente do Politburo, o mais alto órgão de decisão de Pequim, liderado por Xi.


Na reunião do Conselho de Estado no dia seguinte, o Premier Li Keqiang salientou que o emprego era a prioridade de primeira ordem na manutenção da estabilidade. "Nenhum emprego significa renda e nem criação de riqueza", disse ele. "[Precisamos] fazer todos os esforços para evitar demissões em massa".


Um aviso do governo de Xangai em 29 de abril direcionou seus negócios estatais a garantir que pelo menos metade de seus novos recrutas fossem recém-formados.


Wuhan — a capital da província de Hubei, no centro da China, onde o coronavírus surgiu pela primeira vez — anunciou uma meta de 250.000 empregos para graduados e está oferecendo às empresas um incentivo de 1.000 yuanes (US $ 140) para todos os graduados que contratarem.


Mas alguns especialistas questionaram a eficácia e sustentabilidade das medidas introduzidas pelos governos locais. Os subsídios e isenções para as pequenas e médias empresas (PMEs) dependem das receitas do governo local, que também estarão sob pressão, enquanto os níveis de recrutamento em empresas estatais são determinados por suas próprias práticas contábeis independentes.


"As empresas iniciantes precisam de apoio financeiro, mas os grandes bancos relutam em dar-lhes apoio", disse Hu, economista. "Há pouco que o governo local possa fazer."


Para piorar a situação, o conflito econômico em curso entre a China e os EUA, juntamente com os apelos no Ocidente por uma dissociação econômica da China, provavelmente levará a uma deterioração adicional nas indústrias de importação e exportação da China e na capacidade do país de atrair investimentos estrangeiros.


"O futuro mercado internacional, bem como as relações da China com outros países, terá um enorme impacto na economia da China", disse Hu.


“O emprego é uma prioridade premente na China. Manter o emprego estável é proteger os meios de subsistência das pessoas e defender o regime”, disse Chen Daoyin, analista político independente e ex-professor de Xangai.


O aumento do desemprego e perda de empregos também prejudicaria o compromisso do Partido Comunista — declarado pelo próprio Xi — de satisfazer a busca da felicidade do povo chinês, segundo Chen.


Mas ele acrescentou que, se as medidas do governo para suavizar os recém-formados forem implementadas, elas causarão o desemprego dos migrantes que ameaçariam a estabilidade.

"Se houvesse uma onda de desemprego, a classe média passaria para a base da pirâmide social, ao passo que quem já está na base (classe pobre e abaixo da pobreza) entraria em colapso, impossibilitando a busca da felicidade das pessoas e o partido perderia sua legitimidade", afirmou. "O ponto principal é garantir emprego e atender às necessidades básicas das pessoas".


Os candidatos verificam o quadro de recrutamento em uma feira de empregos em Wuhan. Foto: Xinhua

Por mais de uma década, a China tentou lidar com o influxo de graduados universitários no mercado de trabalho, recorrendo a uma campanha da era Mao para incentivá-los a ir para o campo.


Diante da atual situação sombria de emprego, os especialistas prevêem que este ano haverá mais incentivos para transformar as áreas rurais e expandir o programa de combate à pobreza do governo, mantendo o desemprego sob controle.


Em 10 de abril, o governo da província de Fujian, no sudeste da China, publicou um plano para orientar 600 graduados no trabalho em áreas rurais. Os candidatos aprovados receberão um subsídio de subsistência e terão seus empréstimos estudantis cobertos pelo governo local, em até 2.000 yuan por ano (US $ 280).


Cerca de um mês depois, a província de Guangdong, no sul da China, anunciou um plano semelhante, recrutando 2.000 graduados para passar dois anos em áreas rurais. Foi a extensão de uma campanha que, em 2019, atraiu cerca de 27.000 graduados.


“Acho que haverá mais incentivos para apoiar os graduados a irem para o campo, trabalharem como funcionários do partido da aldeia ou apoiá-los a fazer negócios on-line ou abrir novas empresas após a reunião’ no final de maio”, disse Wei Jianguo, ex-vice-ministro do Comércio, referindo-se às próximas reuniões parlamentares a serem realizadas em Pequim.


Outro problema para o governo chinês é que seu antídoto para a crise financeira global de 2008 pode não funcionar desta vez. A China escapou da grande recessão com um pacote de estímulo de 4 trilhões de yuans (US $ 564 bilhões) que deixou um fardo pesado para os governos locais e empresas estatais, enquanto adiava a transição econômica do país.

Wei disse que, em retrospectiva, a resposta ao trauma de 2008 levou a problemas crônicos, como capacidade excessiva para a economia.


"Desta vez, devemos nos concentrar na reforma estrutural econômica e na qualidade do desenvolvimento", disse ele, acrescentando que o ponto principal era aumentar o consumo interno e melhorar a qualidade do consumo. Embora a China estivesse enfrentando uma crise econômica, ele previu que o crescimento do consumo do país em 2020 ainda pode atingir o nível do ano passado de 8%.


Nem todos os economistas são tão otimistas. Liang Qidong, vice-diretor da Academia de Ciências Sociais de Liaoning, disse que são necessários investimentos em áreas como a construção de redes 5G, data centers e linhas ferroviárias de alta velocidade.


“A maneira mais eficaz de compensar a desaceleração econômica é o investimento, mas os antigos não funcionam, então temos que [nos concentrar] na chamada 'nova infraestrutura'”, disse ele.


Liang apontou que a maior dor de cabeça do país seriam os jovens trabalhadores migrantes do campo, manifestando que "se eles não conseguem encontrar um emprego na cidade, também não podem voltar [à fazenda] em suas aldeias ... Isso pode levar a distúrbios sociais", disse ele.


As pequenas empresas da China já estão sentindo os efeitos da crise. Wu Yadi, dono de uma joalheria de 28 anos em Taobao, em uma grande plataforma de comércio eletrônico da China, disse que reduziu sua equipe de mais de 40 em anos passados para uma dúzia, porém a redução do quadro não poupou seus negócios de operar com prejuízo este ano.


No entanto ainda há otimismo de que a situação possa ser revertida. "Muitos de meus amigos se sentem sombrios em relação ao futuro, mas estou confiante com a minha capacidade e minha equipe", disse ele.


A quarta parte desta série examinará as esperanças e medos dos formandos da China. 


https://www.scmp.com/news/china/politics/article/3084018/jobs-jobs-jobs-local-officials-under-pressure-deliver-china

37 views

© Todos os Direitos Reservados - heitordepaola.online

  • Facebook
  • Twitter
  • YouTube