PCCh - Criminoso desrespeito pela população do mundo

11/04/2020


- NATIONAL INTEREST -

Tradução César Tonheiro



Arma Biológica Coronavírus da China: Como Pequim Planeja Alavancar a Cadeia de Suprimentos Global


O vírus Wuhan embora trágico trouxe algo proveitoso, impõe aos americanos e seu governo a obrigação de resolver os problemas comerciais decorrentes do controle da China sobre várias linhas de suprimento e desenvolver soluções.

11 de abril de 2020 por Bradley A. Thayer e Lianchao Han



O chanceler alemão do século XIX, Otto von Bismarck, supostamente teria dito  que Deus cuida de bêbados, crianças pequenas e dos Estados Unidos da América. Se isso fosse verdade, os Estados Unidos não deveriam se preocupar com a onerosa indulgência às forças hostis. Infelizmente, os Estados Unidos estão em um mau momento devido à alavancagem que deram à China sobre o fornecimento de itens críticos essenciais à segurança nacional dos EUA. Décadas de escolhas políticas equivocadas lesaram os interesses dos negócios norte-americanos, além de um despreparo estratégico e descuido que não tem precedente na história de política internacional, os Estados Unidos forneceram à China o poder de ser usado contra eles próprios e deram a prerrogativa de Pequim escolher quando usá-lo.


Primeiro, e de forma flagrante, os Estados Unidos causaram vulnerabilidade em medicamentos e suprimentos médicos porque Washington permitiu sua fabricação na China e, portanto, tornou-se dependente do Partido Comunista Chinês (PCCh). Os americanos agora têm consciência aguda e dolorosa que antibióticos, medicamentos antivirais, máscaras e outros equipamentos de proteção individual usados por médicos, enfermeiros e funcionários do hospital, e toda uma ladainha de necessidades médicas são produzidas na China. De maneira que isso introduz duas grandes ameaças à segurança nacional. Primeiro porque  os Estados Unidos não produzem a maioria dos medicamentos e equipamentos médicos que utilizam, e o suprimento depende do que a China produz total ou parcialmente, além disso Pequim tem a capacidade de embargar a exportação para os Estados Unidos e já ameaçou usá-lo durante o período da crise atual. As consequências de um embargo médico parcial ou completo seriam uma ameaça direta a todos os americanos. Segundo, na China o controle de qualidade pode ser ruim e está além da supervisão do FDA, o que leva à produção de medicamentos e produtos médicos ineficazes ou fatais.  


Enquanto o vírus Wuhan destaca as vulnerabilidades dos EUA em tudo, desde medicamentos antivirais a máscaras protetoras, essa não é a primeira vez que os americanos sofrem nas mãos da China. Como documentou Rosemary Gibson, a fatal crise de 2008 sobre a heparina para diluir o sangue foi atribuída à contaminação de fornecedores chineses. Alimentos para animais com ingredientes fabricados na China também foram contaminados, levando à morte de animais em todo o mundo. Poucos americanos sabem que a China produz ingredientes essenciais para medicamentos em quase todas as áreas, de estatinas e pílulas anticoncepcionais a remédios para Alzheimer, epilepsia, antidepressivos, HIV / AIDS, quimioterapias e outros medicamentos contra o câncer. Medicamentos e suplementos vendidos sem receita médica também não estão imunes a dependência da China, como ingredientes ativos ou inertes em vitaminas e antiácidos para analgésicos. Se a China parasse de exportar medicamentos, os hospitais da América e do mundo estariam em queda livre. O racionamento não funcionaria, resultaria em pânico, medo e caos.


Este é o calcanhar de Aquiles que foi fabricado em Washington, Nova York e em outros centros financeiros ocidentais para fechar a produção no oeste e movê-la para a China. Os Estados Unidos causaram essa vulnerabilidade ao permitir que a China dominasse a produção de medicamentos e kits médicos comuns, como luvas e máscaras. Ela afeta todos os americanos que tomam remédios ou vitaminas ou o fazem, o que é quase certamente todos os americanos. Os Estados Unidos devem manter uma base industrial para produzir medicamentos, kits médicos e equipamentos nos Estados Unidos. Toda a cadeia de suprimentos médicos e farmacêuticos precisa retornar aos Estados Unidos e outros produtores em democracias, ou seremos reféns de nossos inimigos em crises futuras.


Segundo, em janeiro de 2020, o Department of Homeland Security (DHS) publicou um  relatório especial sobre a República Popular da China (RPC) abordando os custos e as consequências das práticas de falsificação e pirataria da RPC. A produção falsificada na China e suas violações dos direitos de propriedade intelectual fomentam o crescimento econômico da China na ordem de centenas de bilhões de dólares. Ao mesmo tempo, o escopo e a profundidade das práticas comerciais desonestas e corruptas na China deveriam ter demonstrado aos formuladores de políticas dos EUA e aos americanos os perigos e conseqüências de permitir que a China se torne a "fábrica do mundo". 


Terceiro, e mais importante, é o conhecimento da China que é sua maior alavancagem. A China aprendeu como o Ocidente produz conhecimento, financia seu desenvolvimento e o emprega. Em suma, aprendeu como substituir os Estados Unidos. Com sua introdução ao ecossistema econômico ocidental na década de 1990 e seu florescimento nas décadas seguintes, a China adquiriu conhecimento de como os Estados Unidos produzem conhecimento em suas universidades, empresas e centros de tecnologia. Essa penetração produziu sua maior capacidade de desafiar os Estados Unidos. As empresas ocidentais trabalham juntas com os chineses há uma geração e permitem que a China desvie conhecimentos e práticas que contribuíram grandemente para a ascensão da China. Wall Street permitiu que empresas chinesas corruptas  secretamente vinculadas ao Partido Comunista Chinês (PCC), levantassem capital nos mercados dos EUA e aprendessem suas práticas. As universidades ocidentais cooperaram com colegas chineses na busca do conhecimento, mas também direta e indiretamente em benefício do PCCh e do Exército de Libertação do Povo (PLA). Os laboratórios e departamentos ocidentais de matemática e ciências naturais dependem de pesquisadores e estudantes de pós-graduação chineses. O Pentágono recebeu a Marinha chinesa para participar de exercícios anuais. Essa colaboração teve um custo tremendo para os interesses de longo prazo dos Estados Unidos e de seus aliados.


O momento em que a saúde e o bem-estar econômico dos americanos e do resto da população mundial sofrem de uma pandemia tornada possível pelo PCC serve como a ocasião apropriada para questionar como os Estados Unidos deixaram isso acontecer. Como os principais medicamentos, por exemplo, a penicilina, em essência, não foram inventados para os consumidores americanos, a China o embargou para coagir a política dos EUA, prejudicando os americanos. Em quantas outras áreas críticas os EUA introduziram vulnerabilidade sem o conhecimento do povo americano. O vírus Wuhan embora trágico trouxe algo proveitoso, impõe aos americanos e seu governo a obrigação de abordar essas questões e desenvolver soluções. 


As soluções podem começar com o reconhecimento de que há uma diferença fundamental entre a ditadura comunista e a democracia. O primeiro desconsidera completamente a vida e a dignidade humanas em favor do avanço de seus objetivos estratégicos. A China comunista já armou a cadeia de suprimentos global para fortalecer sua tirania e enfraqueceu os Estados Unidos e seus aliados. Não hesitará em usá-la contra o Ocidente no futuro. Os EUA podem não querer se globalizar completamente, mas devem se separar da China. Washington nunca mais deve permitir que Pequim use seu poder de fabricação para ferir americanos e seus aliados. Podemos conseguir isso negociando com nossos aliados cujos valores e modelo de governança compartilhamos e retornando e reconstruindo a base industrial dos EUA para nos libertar de manter nossa saúde, liberdades, economias e sociedades reféns das ambições do PCCh e criminoso desrespeito pela população do mundo.


Bradley A. Thayer é professor de ciência política na Universidade do Texas em San Antonio e é co-autor de  Como a China vê o mundo: Han-Centrism e o equilíbrio de poder na política internacional . Lianchao Han é vice-presidente de Iniciativas de Poder do  Cidadão para a China . Após o Massacre da Praça da Paz Celestial em 1989, o Dr. Han foi um dos fundadores da Federação Independente de Estudantes e Acadêmicos Chineses. Ele trabalhou no Senado dos EUA por doze anos, como consultor legislativo e diretor de políticas para três senadores.


https://nationalinterest.org/feature/chinas-coronavirus-weapon-how-beijing-plans-leverage-global-supply-chain-143122

105 views

© Todos os Direitos Reservados - heitordepaola.online

  • Facebook
  • Twitter
  • YouTube