Os dias de passividade e ingenuidade americana com o PCC terminaram

The Epoch Times - Tradução César Tonheiro

25 de junho de 2020




Os EUA não serão mais passivos em relação à China, afirma um conselheiro da Casa Branca

Robert O'Brien: 'Os dias de passividade e ingenuidade americana em relação à República Popular da China terminaram'

25 de junho de 2020 por Bowen Xiao


Robert O'Brien, conselheiro de segurança nacional do presidente Donald Trump, e Christopher Wray, diretor do FBI, nos últimos dois dias, destacaram a ameaça representada pelo Partido Comunista Chinês (PCC), com os dois vislumbrando os últimos esforços do governo para combater o regime.


O'Brien, em  discurso proferido a um grupo de líderes empresariais do Arizona, disse que os Estados Unidos não serão mais passivos ao lidar com a China, acrescentando que suas observações seriam as primeiras de muitas desses discursos desafiando a China nas próximas semanas.


O secretário de Estado Mike Pompeo e o procurador-geral William Barr, assim como outros altos funcionários do governo, também devem fazer discursos nesta frente, disse ele.

"Os dias de passividade e ingenuidade americana em relação à República Popular da China terminaram", disse O'Brien em Phoenix, em 24 de junho.


"Os Estados Unidos, sob a liderança do presidente Trump, finalmente despertaram para a ameaça das ações do Partido Comunista Chinês e para a ameaça que representam para o nosso grande estilo de vida."


O'Brien disse que os Estados Unidos receberam a China na Organização Mundial do Comércio em 2001 com "vastas concessões e privilégios comerciais", enquanto subestimavam os "graves abusos dos direitos humanos da China" e fechavam "os olhos para o roubo generalizado de tecnologia da China que eviscerou setores inteiros da economia americana.”



"À medida que a China se tornava mais rica e mais forte, acreditávamos que o Partido Comunista Chinês se liberalizaria para atender às crescentes aspirações democráticas de seu povo", disse O'Brien. “Essa foi uma ideia arrojada, essencialmente americana. Nasceu do nosso otimismo inato e da experiência do nosso triunfo sobre o comunismo soviético. Infelizmente, também se mostrou muito ingênuo.”

O'Brien ofereceu uma lista de atividades chinesas que, segundo ele, visavam não apenas reprimir seus próprios cidadãos, mas influenciar os americanos. Ele fez questão de dizer que não estava atacando o povo chinês, mas o Partido Comunista Chinês.


Enquanto isso, Wray revelou que o departamento atualmente tem mais de 2.000 investigações ativas que remontam ao PCC. Ele disse à Fox News que, na última década, houve um aumento de aproximadamente 1.300% nas sondas econômicas de espionagem relacionadas ao regime chinês.


O diretor do FBI também acusou o PCC de tentar interferir na política americana e de espionar as empresas da Fortune 100 — as 100 principais empresas do país, classificadas por seus funcionários.


"Nenhum país apresenta uma ameaça mais ampla e abrangente à inovação americana, à nossa segurança econômica e às nossas ideias democráticas do que a China", disse ele à rede em 24 de junho.


Wray também disse que o departamento está "abrindo uma nova investigação de contrainteligência que se liga à China a cada 10 horas".


Sob Trump, os Estados Unidos impuseram restrições à tecnologia de semicondutores dos EUA de irem para a Huawei e limitaram a capacidade do Exército de Libertação Popular de usar programas de visto de estudante para colocar seus oficiais em faculdades e universidades dos EUA.


O autor e especialista em China Gordon Chang disse que os Estados Unidos estão finalmente "se tornando mais realistas sobre a China".


"Eles estão começando a entender o desafio fundamental que Pequim representa para a sociedade americana", disse Chang ao Epoch Times.


"Sempre houve a esperança de que a China se integrasse ao sistema internacional, mas recentemente ficou claro que está se movendo na direção errada - que está se tornando hostil, provocador, beligerante, agressivo", disse ele. "Precisamos ouvir uma autoridade americana dizer que é política dos Estados Unidos acabar com o governo do Partido Comunista".


O Pentágono decidiu recentemente publicar uma lista de empresas chinesas pertencentes ou controladas pelos militares chineses. De acordo com uma  lei de 1999, o Pentágono foi encarregado de atribuir designações a quaisquer empresas "pertencentes ou controladas" pelo Exército Popular de Libertação da China (PLA) que se dediquem ao fornecimento de serviços comerciais, manufatura, produção ou exportação.


O governo Trump é o primeiro governo dos EUA a levar a sério a extensão da ameaça do PCC, disse Peter Huessy, presidente da GeoStrategic Analysis, empresa de consultoria em defesa e segurança nacional, ao Epoch Times.


As empresas nessa lista incluem a gigante tecnológica Huawei; operadoras de celular China Mobile e China Telecom; fabricante de vagões ferroviários CRRC; fabricante de vigilância por vídeo Hikvision; empresas de construção naval CSIC e CSSC; empresa aeroespacial AVIC; empresa de defesa Norinco; e a empresa de computação em nuvem e data center Inspur.


Frank Gaffney, ex-secretário de defesa assistente de política internacional de segurança durante o governo Reagan, disse ao Epoch Times que o anúncio do Pentágono "é um desenvolvimento muito significativo".


"Acho chocante para o americano médio que temos o complexo industrial militar chinês ativo nos Estados Unidos da América", disse ele. "Só podemos imaginar o que eles estão fazendo aqui."


Gaffney, vice-presidente do Comitê sobre o Presente Perigo: China, disse: "Não podemos mais ignorar essas indicações muito, muito ameaçadoras, das intenções malignas do Partido Comunista Chinês em relação aos Estados Unidos".


Outra preocupação é a Huawei — a gigante chinesa das telecomunicações que muitos em Washington consideram uma ameaça à segurança nacional.


Keith Krach, subsecretário de Estado dos EUA para Crescimento Econômico, Energia e Meio Ambiente, disse em 25 de junho que os Estados Unidos podem ajudar outros países financeiramente para comprar de fornecedores ocidentais em vez da Huawei.


Washington está fazendo lobby junto a europeus e outros aliados para excluir a Huawei ao atualizar para redes 5G. A Huawei nega que facilite a espionagem chinesa ou seja controlada pelo Partido Comunista.



A repórter do Epoch Times Isabel van Brugen e a Associated Press contribuíram para este relatório.

https://www.theepochtimes.com/us-officials-escalate-warnings-of-threat-posed-by-chinese-communist-party_3401764.html

Notícias Conservadoras num só lugar.

02-08_Banner728x90_site.png

© Todos os Direitos Reservados - heitordepaola.online

  • Facebook
  • Twitter
  • YouTube