Organização Mundial do Comércio, a luta começou

- NATIONAL INTEREST - Oct 23, 2020 -

James Jay Carafano - Tradução César Tonheiro -


Organização Mundial do Comércio, a luta começou 

  

A China conseguirá dominar cada vez mais o sistema internacional?

23 de outubro de 2020 por James Jay Carafano


Até mesmo “panda huggers” [ativistas políticos ocidentais que apoiam as políticas comunistas chinesas] arrependidos e internacionalistas liberais reconheceram que a Organização Mundial do Comércio (OMC) não está mais à altura da tarefa de lidar efetivamente com toda a gama de desafios que Pequim apresenta ao modelo de comércio global de hoje.


Não vale a pena debater se Pequim deveria ter sido admitida na OMC em 2001. Está dentro. E os Estados Unidos não deveriam simplesmente recuar e deixar o campo livre para a China. E agora?


A China usou seu poder econômico para intimidar, subornar, corromper e roubar sua ascensão na cadeia de suprimentos econômica global, com resistência limitada da OMC. Já passou da hora de tapar as lacunas que permitem isso.


Organizações internacionais tornaram-se campos de batalha para a grande competição de poder. Os Estados Unidos devem agir para proteger seus interesses e promover normas globais equitativas — exatamente como fizeram nos anos 1990. Após o colapso da União Soviética, os Estados Unidos orientaram as organizações internacionais a estabelecer regras responsáveis para as relações internacionais. Mas esse esforço foi abreviado pelo aumento da competição de grandes potências, na qual vemos nações como a China tentando explorar as organizações em seu benefício. A estratégia de Pequim de tentar se infiltrar e controlar organizações internacionais importantes está bem documentada.


Existem duas visões proeminentes e muito diferentes sobre como lidar com esse desafio. Uma seria abster-se e bater em retirada, separando-se da China e desligando-se das organizações internacionais. Mas “abandonar o jogo e levar a bola” não faz sentido. Simplesmente dá a Pequim rédea solta para fazer o que quiser.


Por outro lado, a opção oposta de “apenas estar lá” também não funcionará. Jogar bem e esperar que seu bom exemplo inspire a China a responder da mesma maneira parece bom. Mas tentamos essa abordagem por duas décadas e, convenhamos, ela (OMC) não fez nada para deter a agressividade da China. Em competições de nações poderosas, prêmios de consolação não vale nada.


A melhor maneira de avançar é olhar para cada organização, avaliar o estado de influência maliciosa e o nível de risco que ela representa para o nosso interesse e, em seguida, decidir qual das três opções é a melhor: reformá-la, retirá-la ou substituí-la.


A OMC é um bom lugar para começar. A organização oferece funções úteis que não podem ser facilmente substituídas. Vale a pena tentar torná-la mais eficaz e mais imune à influência injusta e maliciosa. Em termos práticos, levará cinco anos até que outra votação no Congresso sobre a retirada dos EUA seja possível. O tempo está passando. Agora precisamos de uma reforma significativa e então reconstruir o apoio e a confiança dos EUA na OMC. Independentemente do resultado da eleição, isso deve estar na lista de tarefas do próximo governo.


O primeiro passo é identificar quais reformas realmente precisamos. Assim que chegarmos a um acordo sobre o que é essencial, podemos traçar o que precisamos fazer e começar a construir uma coalizão global para levar essas reformas na casa. Aqui está uma lista que faz sentido.


A preocupação número um é o contínuo vício de Pequim em roubar propriedade intelectual de outras nações. A China falhou em cumprir muitos de seus compromissos de ascensão na OMC (incluindo práticas de roubo e transferência de tecnologia). Os Estados Unidos deveriam entrar com uma disputa contra a contínua falha da China em proteger a propriedade intelectual na OMC. É mais provável que isso tenha um impacto nas más práticas econômicas da China do que uma ação unilateral.


Também precisamos acabar com o status da China de “país em desenvolvimento”. Sim, essa foi uma parte do acordo que admitia a China e, sim, em parte, foi justificado pelas muitas outras coisas que a China concordou com a maioria dos países em desenvolvimento. Mas os tempos mudaram. Por qualquer padrão objetivo, a China — agora, segundo alguns indicadores, a maior economia do mundo — não é mais um país em desenvolvimento. É hora de dar uma nova olhada neste negócio.


O governo Trump esclareceu a posição dos EUA sobre o status de país em desenvolvimento da OMC em todas as áreas. Como resultado, países como Brasil, Coréia do Sul, Cingapura e Taiwan recentemente concordaram em desistir desse status. Para o bem do cumprimento atual e negociações futuras na OMC, os Estados Unidos devem pressionar para que a organização estabeleça um limite rígido para o status de desenvolvimento: o limite superior do nível de renda médio-baixo do Banco Mundial — medido pela renda nacional bruta per capita — Agora em US $ 4.045.


A China é o maior abusador de brechas na forma como a OMC trata as “empresas estatais”. Essas lacunas permitem que os governos coloquem seus punhos na balança, distorcendo o livre mercado para garantir que seja a empresa estatal que sempre ganha e lucra. Precisamos dar continuidade à iniciativa do governo de trabalhar com a União Europeia e o Japão para lidar com essa e outras distorções associadas a economias que não são de mercado.


Os Estados Unidos também precisam fazer mais para que a OMC faça seu trabalho. Devíamos trazer mais casos de disputa na OMC. Os Estados Unidos se beneficiaram mais com o processo de solução de controvérsias da organização do que qualquer outro membro, mas os Estados Unidos não podem continuar a se beneficiar se não estiverem usando o sistema. Washington deve apresentar, encorajar outros membros a apresentarem e juntar-se às queixas de outros membros da OMC contra práticas chinesas abusivas. E deve buscar reformas que permitirão um quórum do órgão de apelação para ouvir os casos.


Também é hora de acabar com a prática de falsas escaramuças que arrastam disputas indefinidamente. Os Estados Unidos precisam liderar um esforço para reduzir o tempo necessário a fim de estabelecer um painel de debates e pôr termo a disputa. Os litígios de contencioso na OMC podem durar mais tempo do que o problema de disputa. Cortar esses dois pode encurtar o litígio em até um ano.


A economia digital é o componente de crescimento mais rápido da economia global. Precisamos de uma OMC que trate efetivamente desse motor fundamental de crescimento. Devemos pressionar por acordos da OMC sobre comércio, serviços e investimentos digitais. A OMC se limita aos acordos de seus membros e a negociação de novos acordos deveria ser muito maior do que se faz atualmente. Quanto mais acordos entre os membros, mais a OMC pode ser usada para resolver essas disputas.


Enquanto os Estados Unidos buscam uma agenda de reforma na OMC, eles mal podem esperar que a organização faça sua economia crescer. O mundo livre não permanecerá livre por muito tempo se não puder gerar prosperidade. O investimento econômico e as parcerias são particularmente cruciais para a recuperação no mundo pós-coronavírus. Washington deve negociar agressivamente acordos de livre comércio.


A reforma na OMC pode ser lenta. Acordos paralelos na OMC e acordos preferenciais de livre comércio com nações como Reino Unido, Taiwan, Japão, Geórgia, Suíça e Quênia podem ajudar a estabelecer as bases para a prosperidade econômica enquanto esperamos a OMC agir conjuntamente.


James Jay Carafano, vice-presidente da Heritage Foundation,  dirige a pesquisa think tank em questões de segurança nacional e relações exteriores.


ARTIGO ORIGINAL:

https://nationalinterest.org/feature/fight-over-world-trade-organization-has-begun-171181

19 views

© Todos os Direitos Reservados - heitordepaola.online

  • Facebook
  • Twitter
  • YouTube