O tempo está do lado da China?

- THE EPOCH TIMES - Anders Corr - TRADUÇÃO CÉSAR TONHEIRO - 11 AGO, 2022 -


A questão do tempo é crítica para o sistema internacional em evolução, no qual potências regionais e globais disputam vantagens e a capacidade de determinar a ordem global futura. Em nenhum lugar isso é mais verdadeiro do que nas relações contemporâneas EUA-China, através das quais Washington tenta amortecer as tentativas de Pequim de derrubar a Pax Americana existente.


Em Breve: "O EIXO DO MAL LATINO AMERICANO E A NOVA ORDEM MUNDIAL" em livro IMPRESSO.

Uma versão completa e atualizada!


Se o tempo estiver do lado da China em sua busca pela hegemonia global, então os Estados Unidos e todos os que apoiam o estado de direito do sistema atual têm um incentivo para conter militar e economicamente ou mesmo impedir a ascensão da China.


Por outro lado, se o tempo não estiver do lado da China, então aqueles que se opõem à visão totalitária de Pequim da política mundial podem ter o benefício de uma abordagem mais lenta e deliberada do que seria então a contenção das tentativas fracassadas de Pequim contra os Estados Unidos e a posição estratégica superior de nossos aliados.


Recentemente, tive a sorte de considerar este tópico mais profundamente em uma discussão com o Sr. David Stilwell durante um brunch dim sum (pequena refeição com variedades da culinária chinesa).

David Stilwell, secretário assistente dos EUA para Assuntos do Leste Asiático e Pacífico, responde às perguntas dos repórteres após uma reunião com seu colega sul-coreano Cho Sei-young no Ministério das Relações Exteriores em Seul, Coréia do Sul, em 6 de novembro de 2019. (Heo Ran/ Reuters)

A experiência de liderança de Stilwell na Ásia remonta a pelo menos 2008, quando comandou uma ala de caças F-16 no norte do Japão. Ele era então nosso adido de defesa em Pequim e ocupou altos cargos na Ásia no Joint Chiefs e no USINDOPACOM. O ex-presidente Donald Trump nomeou Stilwell para secretário de Estado adjunto para Assuntos do Leste Asiático e Pacífico, que ocupou de 2019 a 2021.


Taiwan


Stilwell começou ilustrando a ocasião oportuna do relevante caso Taiwan.


“Quanto mais tempo Taiwan permanecer efetivamente independente da RPC [República Popular da China], mais difícil será incorporar-se ao sistema Orwelliano do PCC [Partido Comunista Chinês]”, disse ele.


Embora o Partido Democrático Progressista (DPP) da presidente de Taiwan, Tsai Ing-wen, tenha consistentemente assumido uma posição dura contra Pequim, sua oposição no partido Kuomintang (KMT) tentou aumentar o envolvimento com o continente por anos.


Depois de 2018, no entanto, o “bem-aventurado KMT declinou”, de acordo com Stilwell.

O candidato presidencial do partido Kuomintang, Han Kuo-yu, admite derrota na eleição presidencial em Kaohsiung, Taiwan, em 11 de janeiro de 2020. (Reuters/Ann Wang)

Essa perda de poder brando foi um grande golpe para as ambições globais de Pequim.


A diminuição da popularidade do PCC em Taiwan foi parcialmente explicada por seu tratamento desajeitado de Hong Kong, um “movimento muito tolo” por parte de Pequim, de acordo com Stilwell.


Pequim quebrou a Declaração Conjunta Sino-Britânica de 1984, destinada a proteger a autonomia política da cidade até 2047.


Após essa ruptura, “nenhum político sensato [de Taiwan] sugeriria cooperar com o continente novamente”, escreveu Stilwell em um e-mail após a reunião do brunch.

“Como estamos vendo as ameaças vazias de Pequim ante a viagem de Pelosi, eles estão relutantes em puxar o gatilho, dado quão ruim as coisas estão indo internamente.”


Stilwell aponta que se o Exército de Libertação Popular (sigla em inglês PLA) tentasse uma invasão de Taiwan, seria difícil obter algum indicador com base nas experiências dos EUA na Somália e no Iraque.


“Em 2003, eliminamos todas as capacidades ofensivas e defensivas do Iraque, mas depois de 15 anos não conseguimos 'pacificar a população' (para usar os termos do PCC).”


Aliança China-Rússia


Mas Taiwan importa realmente face o aprimorado relacionamento de Xi Jinping com Vladimir Putin da Rússia? Os dois firmaram em fevereiro deste ano uma parceria “sem limites”.


A Rússia é um aliado poderoso, pois possui o maior estoque mundial de armas nucleares, mais terra do que qualquer outro país, a sexta maior reserva de petróleo e uma posição de comando na extração de gás natural e na rede de oleodutos da Eurásia.


O aumento da dependência russa das exportações de Pequim, devido às sanções ocidentais, aproxima os dois países mais do que nunca e dá a Pequim a liderança desse novo “eixo do mal”.

O presidente da Rússia, Vladimir Putin (C) examina uma guarda de honra militar com o líder chinês Xi Jinping durante uma cerimônia de boas-vindas do lado de fora do Grande Salão do Povo em Pequim em 8 de junho de 2018. (Greg Baker/Pool/AFP via Getty Images)

Mas Stilwell caracterizou a “entente Pequim-Moscou” como “uma polegada de profundidade e estritamente baseada em questões”.


Um risco para a aliança é a avareza multidirecional de Pequim por mais território, incluindo o nordeste.


Stilwell escreveu que os internautas da China estão “ansiosos para recuperar o território perdido para a Rússia no Tratado de Pequim de 1860, no qual a fraca dinastia Qing cedeu uma grande parte do nordeste da China aos russos, incluindo o porto de Vladivostok”. Isso privou a China do acesso ao Mar do Japão.


A Rússia há muito está ciente de seu flanco oriental relativamente despovoado e indefeso. Isso deve ser ainda mais evidente para Moscou depois de ter movido tanta força militar para o oeste para lutar na Ucrânia.


Embora a Rússia seja claramente aliada da China, sabe que, a longo prazo, Pequim será uma concorrente por seu território e influência global. Assim, a aliança é transacional em comparação com os vínculos mais fortes baseados em valor das alianças democráticas.


Economia da China


A maioria dos analistas considera os números econômicos divulgados pela China pelo valor de face. Estes mostram que o crescimento do PIB da China supera em muito – em todos os anos, exceto três desde 1963 – o dos Estados Unidos. Em alguns anos, a diferença nas taxas de crescimento, relatadas nos dados do Banco Mundial, ultrapassou 10%. O PIB da China (ao considerar o poder de compra) de US$ 18,71 trilhões em 2016 superou o dos Estados Unidos e tem feito isso todos os anos desde então.


No entanto, Stilwell observou que Pequim exagera seu poder econômico, apontando para os recentes desafios econômicos dos comunistas chineses.


“À medida que as pressões externas e domésticas do COVID aumentam, cresce o incentivo para criar números positivos”, escreveu ele, citando o fechamento de “cidades inteiras por um punhado de infecções e a resposta incrivelmente surda à preocupação legítima das pessoas”.


Stilwell disse que Pequim não pode evitar o impacto negativo de sua má política econômica sobre os resultados. Este ano, os “números de crescimento que o PCC produz parecem ainda melhores porque são cuidadosamente selecionados e comparados aos do ano passado, quando foram negativos”.


Ciência e Tecnologia da China


Stilwell tem uma visão otimista de uma iniciativa recém-descoberta nos Estados Unidos para restringir o acesso da China à inovação científica e tecnológica. Isso, ele argumenta, está impedindo o avanço tecnológico da China.


Ele concorda que a China está alcançando os Estados Unidos, mas observa que “a taxa de avanço está enfraquecendo à medida que seu acesso legítimo (e não) aos nossos resultados de P&D [pesquisa e desenvolvimento] diminui”.


A triagem mais rigorosa do investimento chinês pelo Comitê de Investimento Estrangeiro nos Estados Unidos (CFIUS), por exemplo, aumentou a pressão descendente sobre a capacidade da China de adquirir plataformas nos Estados Unidos para design tecnológico, inovação e roubo.


Stilwell adiantou que a China poderia inovar por conta própria. Mas, ele escreveu em um e-mail, “o autoritarismo é o antídoto para a inovação e o pensamento criativo. Agora que nossas universidades foram forçadas a parar de dar nossas joias da coroa (trocar a segurança nacional por benefícios econômicos egoístas), Pequim está em uma situação difícil”.


Militares da China


No entanto, a velocidade contínua da construção naval da China, desenvolvimento de mísseis antinavio, pesquisa de inteligência artificial (IA), produção de armas nucleares e mísseis e supercomputação – todos fortalecendo as forças armadas da China – está alarmando muitos analistas.

Vista geral da cerimônia de lançamento do terceiro porta-aviões da China, o Fujian, em homenagem à província de Fujian, no Jiangnan Shipyard, uma subsidiária da China State Shipbuilding Corporation (CSSC), em Xangai, China, em 17 de junho de 2022. (Li Tang/ VCG via Getty Images)

Stilwell aponta que a “capacidade da China de pegar uma boa ideia (de qualquer fonte) e transformá-la em equipamento militar é muito maior do que a nossa”.


No entanto, ele acredita que o sistema dos EUA tem processos econômicos e gerenciais preferíveis que beneficiam o desenvolvimento militar dos EUA a longo prazo.


Stilwell nos pede para lembrar “por que nosso sistema se desenvolveu da maneira como se desenvolveu – nosso POM [gerenciamento de produção e operações] e processos de aquisição são tão complicados quanto porque 1) há fortes medidas de supervisão e anticorrupção incorporadas e 2) o financiamento é considerado para os próximos 5-10 anos, o que nos impede de iniciar um projeto como o F-22 e depois ter que abandoná-lo por falta de fundos.”


Stilwell argumenta que a indústria americana “não investirá grandes somas em um grande sistema de armas, usando novas tecnologias não comprovadas (mas necessárias) sem alguma garantia de financiamento de longo prazo”.


A China, no entanto, absorve vantagem de nossos processos de aquisição militar superiores.


“Ao copiar o que já fizemos, Pequim evita todo esse risco” de investir na tecnologia errada, observa Stilwell.


Linha do tempo


Se o tempo estiver do lado da China, os Estados Unidos precisam agir rapidamente, o que acarretará um risco maior. A cada dia que esperamos para conter efetivamente a China, o regime em Pequim se fortalece.


Se o tempo estiver do lado da América, como Stilwell argumenta de forma tão convincente, podemos ser mais deliberados em nossa estratégia.


Vamos torcer para que ele esteja certo. Mais reflexão deve ser dedicada aos seus argumentos e à questão de forma mais geral. O futuro da América, e da democracia globalmente, dependerá da resposta correta.


As opiniões expressas neste artigo são as opiniões do autor e não refletem necessariamente as opiniões do Epoch Times.


Anders Corr tem bacharelado/mestrado em ciência política pela Universidade de Yale (2001) e doutorado em governo pela Universidade de Harvard (2008). Ele é diretor da Corr Analytics Inc., editora do Journal of Political Risk, e realizou extensas pesquisas na América do Norte, Europa e Ásia. Seus livros mais recentes são “A Concentração de Poder: Institucionalização, Hierarquia e Hegemonia” (2021) e “Grandes Potências, Grandes Estratégias: o Novo Jogo no Mar do Sul da China” (2018).


PUBLICAÇÃO ORIGINAL >

https://www.theepochtimes.com/is-time-on-chinas-side_4657092.html



25 views0 comments