O que dificulta a paz entre a Ucrânia e a Rússia: há oito razões

26/11/2019


- Anatoli Oliynik -


Embora Moscou despreze teimosamente a soberania ucraniana e se recuse a falar sobre a Crimeia, é improvável que concorde




Volodymyr Zelensky não foi diferente da maioria dos candidatos presidenciais da Ucrânia durante a campanha deste ano, prometendo paz, mas sem explicar como isso poderia ser alcançado. As promessas de alguns políticos eram de populismo puro e outras de um desejo de capitular às demandas da Rússia.


No caso de Zelensky, isso poderia ser uma manifestação de sua ingenuidade sobre o presidente russo Vladimir Putin e sua falta de experiência em assuntos internacionais. No entanto, deve-se entender que a Ucrânia também mudou como resultado de sua resposta à agressão militar russa. De fato, a região de Dnepropetrovsk, nativa de Zelensky, tornou-se uma das regiões que mais sofreu perdas.


Em 2014-2015, o Dnipro desempenhou um papel estrategicamente importante no bloqueio do avanço da ofensiva militar russa na Ucrânia, escreve o cientista político britânico e canadense de origem ucraniana Taras Kuzio no Conselho Atlântico, relata UNIAN


Na sua opinião, a Ucrânia na forma que existia até 2014 não está mais presente. E voltar a essa época não terá sucesso. Ele lista oito razões que dificultam a paz entre a Ucrânia e a Rússia.


O primeiro deles são os pontos de vista russos sobre o país vizinho. A atitude de Moscou em relação aos ucranianos foi reduzida à retórica da Guarda Branca, que negou a própria existência do povo ucraniano como tal. E isso é ainda pior do que na União Soviética. Enquanto isso, a identidade ucraniana, especialmente entre a população de língua russa, mudou dramaticamente sob a influência de guerras, mortes, feridos, devastação e reassentamento forçado. Portanto, é improvável que acredite que Kiev consiga simplesmente concordar com uma potência estrangeira que não respeite nem a soberania ucraniana nem os ucranianos como nação separada.


O segundo obstáculo é o próprio Vladimir Putin. O autocrata russo é uma combinação desagradável da antiga cultura "chekista" e do chauvinismo russo em relação à Ucrânia. Qualquer compromisso parecerá um sinal de derrota para Putin e seus aliados.


O terceiro obstáculo é que a Rússia se recusa a negociar a Crimeia ocupada. Em Moscou, eles insistem que este "tópico está fechado". Assim, existe abertamente sobre Donbass, assegurando que "não estamos lá". Assim, o lado russo está tentando colocar a guerra no Donbass como uma "guerra civil". Moscou exige que Kiev conduza negociações diretas com os líderes dos chamados DNR e LPR, aos quais a maioria dos ucranianos se opõe. As opiniões dos cidadãos russos e ucranianos sobre este assunto são muito diferentes. 85% dos russos apóiam a anexação da Crimeia e 56% apóiam o separatismo de Donbass. A sociedade ucraniana considera a ocupação da Crimeia e a guerra em Donbass como um dos problemas da agressão russa. A maioria exige o retorno da Crimeia e o fim da invasão militar russa ao Donbass.


O quarto obstáculo: o que fazer com os líderes dos chamados "DNR" e "LPR", bem como com os funcionários civis de suas "administrações"? A maioria dos ucranianos se opõe à anistia. Enquanto isso, a grande maioria das pessoas que permanecem na parte ocupada dos Donbas quer se juntar à Rússia, e não voltar ao controle da Ucrânia. É improvável que a maioria dos 1,7 milhão de deslocados deseje retornar às regiões de Donetsk e Luhansk. Eles sobreviveram ao trauma da guerra, começaram uma nova vida em outro lugar. Seus filhos vão para novas escolas. Eles também podem achar que é perigoso retornar à sua região de origem. Afinal, os simpatizantes do LDNR os considerarão pró-ucranianos.


O quinto obstáculo é que ninguém ainda explicou como ocorrerá a desmilitarização. Desde a assinatura do Acordo de Belfast para a Irlanda do Norte em 1997, tem sido extremamente difícil desmilitarizar 2.500.000 terroristas. E eles tinham apenas armas leves. As forças armadas dos chamados "DNR" e "LPR" estão na região sul das Forças Armadas da Rússia. São 14 vezes maiores que as unidades da Irlanda do Norte e possuem armas pesadas. Além disso, existem 5 a 10 mil oficiais de FSB e GRU no território ocupado de Donbass, que sem dúvida se tornarão "locais" no processo de desmilitarização. Assim, o número total de forças LDNR aumentará para mais de 40 mil.


O sexto obstáculo é simplesmente não responder à pergunta do que acontecerá com esses lutadores. A Ucrânia exige que eles retornem à Rússia. E Moscou quer que eles se tornem a nova polícia, serviços de segurança interna, guardas de fronteira dos chamados DNR e LPR, que terão um "status especial" na Ucrânia. Nenhum líder ucraniano dará esse passo porque assim o cavalo de tróia russo será legalizado.


A sétima razão segue da anterior. A Rússia não vai recuperar o controle de sua fronteira com a Ucrânia. Se isso acontecer, o DPR e o LPR deixarão de existir rapidamente. Porque a guerra que está acontecendo em Donbass é absolutamente artificial. Moscou entende o ponto de "recuperar o controle da fronteira" à sua maneira. Ela acha que as forças reformadas do LDNR estarão patrulhando a fronteira russo-ucraniana junto com os guardas de fronteira russos. Em outras palavras, trata-se de legalizar a ordem atual das coisas.


O último obstáculo está relacionado ao segundo, e tem se manifestado repetidamente nas relações russo-ucranianas desde 1991. Moscou nunca está satisfeito com as ações ucranianas que exige de Kiev. Em 2010, o presidente Viktor Yanukovych cumpriu tudo o que a Rússia exigia em uma carta aberta de Dmitry Medvedev de 2009 ao anterior líder ucraniano Viktor Yushchenko. Mas, apesar disso, a Rússia continuou a exigir cada vez mais. Forçou Yanukovych a cancelar a assinatura de um acordo de associação entre a Ucrânia e a UE e também cobrou a Kiev o preço mais alto do gás na Europa.


Não é de surpreender que a Rússia também tenha adicionado o requisito de retomar as importações diretas de gás para se encontrar com Zelensky no formato da Normandia. A Ucrânia não compra gás russo diretamente desde 2016. Retornar a isso significa importar corrupção e chantagem. O autor aconselha o presidente ucraniano a entender que Moscou sempre foi indiferente aos Donbas, pois nunca desempenhou um papel importante na identidade nacional russa.


Em 2014, o principal objetivo da Rússia era capturar Kharkiv e Odessa, que eram "diamantes da coroa" do chamado "Novorossiya". O interesse russo é o retorno de toda a Ucrânia à esfera de influência do Kremlin. E "DNR" e "LPR" - apenas "cavalo de Tróia" para atingir esse objetivo.

0 views

© Todos os Direitos Reservados - heitordepaola.online