O que acontecerá com a Europa?

PADRE PAULO RICARDO - Aug 19, 2020 -



O que acontecerá com a Europa? Todas as pessoas atentas e informadas que acompanham os problemas mundiais certamente fazem a mesma pergunta. Uma das mais proeminentes nações europeias, o Reino Unido, abandonou a União Europeia [n.d.t.: a saída foi oficializada no dia 31 de janeiro de 2020]. Um Brexit bem-sucedido abre a possibilidade para que outras nações também deixem de fazer parte do bloco. De repente, é posta em xeque a viabilidade da Europa como um conjunto politicamente integrado, sonho e trabalho de vida de duas ou três gerações de estadistas europeus.


O tema do destino da Europa aponta para a questão mais profunda de sua identidade. Quando nos perguntamos “o que acontecerá com a Europa?” não podemos deixar de nos perguntar “o que é a Europa”. Em outras palavras, o que significa a Europa? O que ela aspira ser? Como observa Joseph Ratzinger, essas perguntas surgem porque a Europa é propriamente entendida não apenas como conceito geográfico, mas também como conceito cultural e histórico. A Europa, diz ele, sempre julgou ter alguma missão universal e algo precioso a oferecer ao mundo. Talvez, por isso, ela não possa permanecer unida politicamente, já que os vários povos que a compõem não estão mais de acordo sobre o que significa ser europeu.


Tais questões — o que é a Europa e o que ela deveria ser — são analisadas por Ratzinger (hoje, Papa emérito Bento XVI) em Western Culture: Today and Tomorrow [“Cultura Ocidental: Hoje e Amanhã”, sem tradução para o português]. Dificilmente poderíamos desejar um guia mais criterioso para uma investigação como essa. O tratamento que Ratzinger dá a essas questões não é e não pretende ser sistemático. O livro se compõe de várias conferências dadas por ele ao longo dos anos como cardeal da Igreja Católica. Sem embargo, não podemos ler as suas meditações sem a consciência de estarmos na presença de uma mente sábia, incisiva, sóbria e séria. As avaliações ali apresentadas não são surpreendentes sob certos aspectos, mas o são sob outros, e todas são cuidadosas, provocativas (no melhor sentido da palavra) e dignas de um exame sério.


Uma Europa à deriva. — Sem dúvida, não é nenhuma surpresa que, para Ratzinger, a Europa perdeu o rumo. Ela deseja obter respeito pelos direitos humanos, pela dignidade humana, pelo primado do direito a serviço do bem comum. De acordo com Ratzinger, esses compromissos morais dependem de uma crença na inteligibilidade do universo, que, por sua vez, depende da crença em Deus como causa inteligível e amorosa do universo — o Criador de uma ordem racional que seja ordenada ao bem do ser humano. A Europa, no entanto, perdeu a sua compreensão do cosmos, a qual sustentava outrora as suas aspirações éticas. Como observa Ratzinger com perspicácia, as elites europeias reconheceram o fracasso econômico do marxismo sem perceber os seus fracassos morais e filosóficos. Ninguém quer o retorno de uma economia planejada pelo Estado. Mas os atuais proponentes do (assim chamado) iluminismo europeu compartilham “com o marxismo a ideia evolucionista de um universo criado por um evento irracional” e, por essa razão, incapaz de fornecer qualquer “direção ética” para os seres humanos. Para muitos intelectuais europeus, o mundo do sentido e da justiça deve ser criado pelos seres humanos. Ratzinger, em contrapartida, argumenta que a ordem pública justa depende de uma moralidade que precede a política. Se a ordem é meramente criada por seres humanos, a maioria (ou quem for mais poderoso na sociedade) fica livre para impor aos fracos quaisquer políticas que desejarem.


Esse diagnóstico é semelhante ao apresentado pelo grande predecessor de Ratzinger no papado, João Paulo II. Não é de se surpreender que seja sustentado também por seu mais confiável colaborador. No entanto, Ratzinger provavelmente surpreenderá ao menos alguns de seus leitores com o remédio que ele recomenda.


CONTINUAR LENDO:

https://padrepauloricardo.org/blog/o-que-acontecera-com-a-europa

© Todos os Direitos Reservados - heitordepaola.online

  • Facebook
  • Twitter
  • YouTube