O que a escassez de quatro de julho tem a ver com a China?

- THE EPOCH TIMES - John Mac Ghlionn - TRADUÇÃO CÉSAR TONHEIRO - COMENTÁRIO HEITOR DE PAOLA - 3 JUL, 2022 -

O desfile de 4 de julho em Washington, em 4 de julho de 2019. (Charlotte Cuthbertson/The Epoch Times)

Nos meus tempos de infância e adolescência, meu pai assinava a Seleções do Reader's Digest. Chegou a ter a coleção completa desde 1942, pois foi lançada como propaganda de guerra. Uma das seções era "Rir é o melhor remédio". Numa delas vinha a pergunta:

"Qual é o comunista mais influente nos USA?"

R - "O camarada "REGUSPATOFF".

Era uma gozação com o fato que os Americanos fabricavam tudo e tinha que ser REGistered in US PAtent OFFice (realmente a sigla que vinha nos produtos era esta: Reg.US.Pat.Off.)


Que ironia da história!!!!!!

COMENTÁRIO HEITOR DE PAOLA -


Os Estados Unidos estão com poucos produtos, incluindo laticínios, gasolina, motocicletas, xarope maple (bordo), alimentos para animais de estimação e batatas. Agora é hora de adicionar fogos de artifício a esta lista cada vez maior. Todo americano de sangue puro sabe que uma celebração do 4 de julho simplesmente não é possível sem fogos de artifício.


Como a Bloomberg informou recentemente, “os céus sobre várias cidades do oeste dos EUA permanecerão escuros pelo terceiro 4 de julho consecutivo”.


Por quê?


Ao contrário das comemorações (ou falta delas) de 2020 e 2021, que foram impactadas diretamente pelo COVID-19, as comemorações de 2022 sofrerão por falta de fogos de artifício.


Quatro de julho é quando a família e os amigos se reúnem para celebrar a independência do país. Eles se reúnem ao redor do churrasco, desfrutam de boa comida e terminam a noite com uma queima de fogos.


Em Phoenix, no entanto, de acordo com as autoridades locais, “Fabulous Phoenix Fourth, Light Up the Sky at the American Family Fields e After Dark in the Park serão cancelados este ano devido a problemas na cadeia de suprimentos que afetam o acesso a fogos de artifício”. A Fênix não está sozinha. As cidades arizônicas de Tempe e Chandler também não terão fogos de artifício.


Enquanto isso, em College Park, Maryland, autoridades da cidade anunciaram recentemente que “não podem garantir o show usual de 4 de julho” devido à falta de suprimentos. Um desses suprimentos passa a ser fogos de artifício.


Indo mais fundo


Os americanos estão unidos por seu amor por fogos de artifício. Em 2019, por exemplo, os americanos gastaram um total de US$ 1 bilhão nesses explosivos menores. De onde vêm os fogos de artifício? Bem, como tantos outros produtos, eles vêm da China. O concorrente número um dos Estados Unidos produz 90% dos fogos de artifício do mundo.


Para ser ainda mais específico, como Julie Heckman, diretora executiva da American Pyrotechnics Association, disse à NPR: “99% dos fogos de artifício do consumidor vêm diretamente da China” e “70% dos fogos de artifício de exibição profissional” são fabricados em grandes cidades como Pequim, Xangai e Shenzhen.


Houve um tempo, como observou o artigo da NPR, em que a maioria dos fogos de artifício usados pelos americanos eram feitos por empresas americanas. Infelizmente, esses dias se foram, muito longe. A escassez de fogos de artifício é um sintoma de um problema muito mais profundo e muito mais sério.


Walter Block, um respeitado economista americano, observou recentemente que, além da escassez de fogos de artifício, os Estados Unidos também estão ficando sem alumínio, abacate, bicicletas, vegetais enlatados, cloro, árvores de Natal, chips de computador, fórmula infantil, manteiga de amendoim, e papel higiênico. Eu poderia continuar. Sério, eu poderia. Mas você entendeu o ponto.


Embora a guerra na Ucrânia certamente esteja desempenhando um papel na escassez, não é suficiente para explicar por que os Estados Unidos estão tão desesperados. Como Block observou, os americanos já experimentaram a guerra antes. Eles também experimentaram “pestilência, doença, mau tempo” e regulamentos governamentais antes.


No entanto, desde o final da Segunda Guerra Mundial, uma massiva escassez havia “perturbado tanto a economia com o grau que estamos experimentando atualmente”, escreveu ele. A Ucrânia é apenas uma peça de um quebra-cabeça maior e desconcertante.


Vamos pegar alguns produtos da lista bastante extensa de Block. Qual país produz mais bicicletas?


Você adivinhou, China.


A nação comunista também produz mais chips de computador (um dos itens em falta) do que os Estados Unidos. A China também é o maior produtor mundial de papel higiênico. Os americanos consomem a maior quantidade de manteiga de amendoim do mundo – cerca de 3,3 quilos de produtos cremosos e crocantes por pessoa a cada ano – mas a China é o maior produtor mundial de amendoim. Embora ainda seja possível celebrar o 4 de julho sem fogos de artifício, é impossível comer manteiga de amendoim sem amendoim.


Qual é o meu ponto? Os Estados Unidos costumavam ser o rei da autossuficiência. Houve um tempo em que produtos importantes eram feitos na América. Mais uma vez, porém, esses dias se foram. Com toda a probabilidade, eles nunca mais voltarão. Isso porque, hoje, a China é a superpotência manufatureira do mundo e os Estados Unidos são seu cliente número um.


De fato, de todos os 195 países do mundo, os Estados Unidos são hoje o maior importador de mercadorias. Mesmo em tempos relativamente estáveis, há muito a ser dito sobre a autossuficiência. Em tempos de crises genuínas, no entanto – com a guerra em curso, temores de uma recessão global , etc. – a autossuficiência é uma necessidade absoluta.


A dependência gera desespero e a dependência de um arquirrival gera pavor existencial. A China tornou-se o supermercado do mundo, e os Estados Unidos são agora seu principal cliente.


As opiniões expressas neste artigo são as opiniões do autor e não refletem necessariamente as opiniões do Epoch Times.


John Mac Ghlionn é pesquisador e ensaísta. Seu trabalho foi publicado pelo New York Post, The Sydney Morning Herald, Newsweek, National Review e The Spectator US, entre outros. Ele cobre psicologia e relações sociais, e tem um grande interesse em disfunção social e manipulação de mídia.


PUBLICAÇÃO ORIGINAL >

https://www.theepochtimes.com/what-have-fourth-of-july-shortages-got-to-do-with-china_4567975.html


CLIQUE AQUI E CONHEÇA OS LIVROS DE MINHA AUTORIA >>>

https://www.heitordepaola.online/meuslivros


26 views0 comments