O MODELO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO DA CHINA, DE QUATRO ANOS, ESTÁ CHEGANDO AO FIM

26 de setembro de 2019 por Hong Wei


- THE EPOCH TIMES -

Tradução de César Tonheiro



Nos últimos 20 anos, a economia da China experimentou um tremendo crescimento ao replicar o modelo de sucesso dos “Quatro Tigres Asiáticos” - Coréia do Sul, Taiwan, Hong Kong e Cingapura. As exportações da China para o Ocidente cresceram exponencialmente na época.


No entanto, esse modelo de desenvolvimento está chegando ao fim, à medida que o crescimento econômico da China desacelerou devido à guerra tarifária com os Estados Unidos. Washington também pediu a Pequim que reformasse suas práticas comerciais desleais. O sonho da China de ser a segunda maior economia do mundo se dissipará em breve, a menos que faça uma reforma econômica estrutural.


O MODELO ECONÔMICO DOS "QUATRO TIGRES ASIÁTICOS"


De 1970 a 1990, os Estados Unidos e outros países desenvolvidos ocidentais começaram a terceirizar indústrias intensivas em mão-de-obra para os países em desenvolvimento. Os "Quatro Tigres Asiáticos", também conhecidos como "Dragões Asiáticos", aproveitaram imediatamente essa oportunidade e aproveitaram sua mão-de-obra barata para atrair capital e tecnologia estrangeiros. Ao formar uma indústria de processamento de exportação em larga escala, esses quatro países - Coréia do Sul, Taiwan, Hong Kong e Cingapura - desfrutaram de economias prósperas. Suas maiores taxas de crescimento econômico anual foram próximas a 10% durante o horário nobre.


Em 1990, o PIB per capita desses países era de: US $ 13.486 para Hong Kong; US $ 12.766 para Cingapura; US $ 8.124 para Taiwan; e US $ 6.514 para a Coréia do Sul. Como referência, o PIB médio per capita do mundo na época era de US $ 4.270. O sucesso desses quatro países se tornou um caso clássico de pesquisa econômica.


Em 1989, os "quatro tigres asiáticos" foram considerados países emergentes desenvolvidos e, portanto, os Estados Unidos encerraram seu status de nação mais favorecida (NMF). Isso acabou com seu rápido crescimento, e eles passaram para um estágio normal de desenvolvimento.


O sucesso dos “quatro tigres asiáticos” serviu de modelo para outros países asiáticos. Quando a China iniciou sua reforma econômica e a abertura de seus mercados, tentou replicar esse modelo de desenvolvimento.


O ATRASO DE 40 ANOS NO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO DA CHINA


Quando a Segunda Guerra Mundial terminou em 1945, quase todos os países envolvidos na guerra imediatamente entraram em um estágio de reconstrução pós-guerra e trabalharam duro no desenvolvimento econômico. Depois que os Estados Unidos ajudaram a China a vencer a Guerra Sino-Japonesa, o governo chinês do Kuomintang também estava se preparando para reconstruir a economia chinesa.


No entanto, o Partido Comunista Chinês (PCC) iniciou uma guerra contra o Kuomintang logo após as tropas japonesas se renderem. Naquela época, o exército do Kuomintang estava exausto após mais de dez anos de luta contra os japoneses. O PCCh, em vez de ajudar a expulsar os invasores japoneses da China, havia reservado suas principais forças movendo-se e se escondendo, mas raramente atacando o inimigo. Além disso, o PCCh cedeu direitos ferroviários e portuários e recursos fabris à União Soviética em troca de todas as armas que as tropas japonesas haviam entregado ao então líder soviético Stalin. Tudo isso resultou na perda do Kuomintang da guerra civil e foi forçada a recuar para a ilha de Taiwan em 1949.



Tropas comunistas na guerra civil chinesa. Aqui, tanques do Exército de Libertação Popular participam da Campanha Liaoshen, que levou a cidade de Changchun a ser sitiada em 1948. (Domínio Público)


Depois que o PCCh assumiu o poder e estabeleceu a República Popular da China em 1949, alguém poderia pensar que se concentraria no desenvolvimento econômico. No entanto, o PCCh insistiu em participar da Guerra da Coréia, causando a morte e ferimentos de quase um milhão de soldados. Além disso, a China tratou o Comando das Nações Unidas (UNC) - a força militar multinacional que apoia a Coréia do Sul - como seu inimigo. Portanto, a China fechou suas portas a todos os países membros da UNC após o término da guerra. A União Soviética foi o único amigo da China a oferecer assistência, enquanto a Coréia do Norte procurou a China em busca de ajuda para se sustentar.


Internamente, o PCCh lançou um movimento político após o outro, criando terror na sociedade e eliminando milhões dos chamados "inimigos de classe", como capitalistas, proprietários de terras e intelectuais.


Além disso, Deng Xiaoping iniciou uma guerra contra o Vietnã em 1979 por atacar o Camboja, aliado da China. Com o apoio da antiga União Soviética, o Vietnã lançou um ataque em larga escala ao Camboja em 25 de dezembro de 1978, derrubando o regime Khmer Vermelho que promoveu o maoísmo no país.


Enquanto a China estava ocupada realizando esses violentos movimentos políticos e travando uma guerra com o Vietnã, os "quatro tigres asiáticos" estavam em um período de rápido desenvolvimento econômico.


O PCCh também iniciou atividades que pareciam atividades econômicas, como “As comunas do povo” e “O grande salto em frente”, mas, na realidade, eram movimentos políticos. Ao realizar esses dois movimentos, o PCCh e a União Soviética entraram em conflito com as visões socialistas. Como resultado, os dois países se tornaram hostis um ao outro e relações tensas levaram à cisão sino-soviética (1956-1966). Como a União Soviética tinha um exército de um milhão de membros e podia facilmente travar uma guerra contra a China a qualquer momento, os líderes do PCCh foram forçados a evacuar de Pequim.


Nesse momento crítico, os Estados Unidos decidiram intervir. O governo Nixon ameaçou travar uma guerra nuclear contra a União Soviética e, assim, ajudou o PCCh a evitar a crise.


Por mais de 40 anos - desde o final da Segunda Guerra Mundial em 1945 a 1987, quando o PCCh anunciou oficialmente que se concentraria no desenvolvimento econômico como sua tarefa central - a economia chinesa ficou muito atrás de outros países.


MODELO "QUATRO TIGRES ASIÁTICOS" TORNA-SE A LINHA DE VIDA DO PCC


O PCC decidiu se concentrar no desenvolvimento econômico porque percebeu que se a China continuasse com sua situação empobrecida, o povo chinês exigiria que o PCC deixasse o poder.


No entanto, tendo ficado para trás por mais de 40 anos, a China teve grandes dificuldades em progredir sem o apoio de capital ou tecnologia estrangeira. Os Estados Unidos foram resgatados novamente em 2001, quando o governo Clinton convenceu seus aliados ocidentais a aceitar a China na Organização Mundial do Comércio (OMC). O ex-presidente Bill Clinton acreditava erroneamente que o desenvolvimento econômico da China traria automaticamente reformas políticas, e a China passaria para a democracia e o Estado de Direito.



Homens chineses olham livros de uma banca da Organização Mundial do Comércio (OMC) em uma livraria em Pequim, China, em 5 de novembro de 2001. A China tornou-se membro da OMC em 11 de dezembro de 2001. (Peter Rogers / Getty Image)


Os Estados Unidos também concederam o status de MFN da China como país em desenvolvimento, e o mundo abriu seus mercados para a China, injetou fundos e forneceu tecnologia e permitiu um período de transição protetora de 15 anos. O PCCh ficou muito feliz e imediatamente se comprometeu a cumprir todos os termos exigidos pela OMC.


A oportunidade de ouro que uma vez foi dada aos “Quatro Tigres Asiáticos” foi subitamente concedida à China. Isso significava que o PCCh foi inesperadamente derrubado pelos Estados Unidos enquanto lutava no meio de crises políticas e econômicas.


A CABEÇA DO PCC AUMENTA


Ao replicar o modelo "Quatro tigres asiáticos", a economia orientada para a exportação da China experimentou um rápido crescimento nas últimas duas décadas. No estágio inicial, empresários de Hong Kong e Taiwan estabeleceram bases de fabricação na China. Posteriormente, os Estados Unidos e a Europa logo se seguiram.


Logo depois que o PCC tomou o poder, impôs um sistema de registro doméstico excessivamente rigoroso, que impediu a população rural de se tornar residente urbana. Como resultado, havia uma oferta excessiva de mão-de-obra no interior da China, mas esses camponeses estavam na maioria desempregados e empobrecidos sem saída.


Estava completamente além dos sonhos mais loucos do PCC que essa política discriminatória se tornaria a principal força de trabalho para o desenvolvimento econômico da China. Desde então, os camponeses migrantes têm trabalhado duro em empresas de capital estrangeiro por muito pouco salário, mas ainda assim ficaram felizes com essas oportunidades de emprego, e poucas pessoas desse grupo já desafiaram o sistema injusto de registro de famílias do PCC.


O que deixou o PCC ainda mais empolgado foi a enorme quantidade de dólares e euros coletados nas exportações. O PCCh embolsou a maior parte da moeda estrangeira e imprimiu grandes quantidades de yuan chinês a serem emitidos para empresas exportadoras.


O modelo "Quatro Tigres Asiáticos" tornou-se o ganso de ouro do PCC. Autoridades chinesas comunistas de todos os níveis aceitaram subornos dos empresários do setor de exportação, tornando-os muito ricos.


Os lucros das exportações, combinados com investimentos estrangeiros, resultaram em uma emissão excessiva de moeda na China. Posteriormente, o dinheiro foi injetado pela primeira vez em projetos de infraestrutura, seguido pelo mercado de ações, o mercado imobiliário e, atualmente, em um mercado de capitais altamente deformado, bem como no setor de TI. A cada turno, continuavam surgindo oportunidades de corrupção maciça. As “famílias vermelhas” do PCCh se tornaram bilionárias.


O modelo de desenvolvimento econômico copiado dos “Quatro Tigres Asiáticos” provou ser realmente eficaz. O PCC também lançou enormes subsídios à exportação, ampliou a capacidade de produção e impulsionou as exportações por dumping, esperando um fluxo contínuo de dólares nos bolsos.


Em 2018, o volume total de importação e exportação da China alcançou US $ 4,5 trilhões, representando um terço do seu PIB. Enquanto isso, o superávit comercial era de US $ 419,2 bilhões nos Estados Unidos e de 184 bilhões de euros na UE. Isso fez a cabeça do PCC inchar e achou que o modelo econômico dos “quatro tigres asiáticos” poderia ser sustentado por um longo tempo.


O SONHO DO NÚMERO DOIS DA SUPERPOTÊNCIA DO PCC


Com enormes quantidades de dólares entrando no país, o PCCh começou a sonhar em ser a “superpotência número dois” do mundo.


Começou a investir pesadamente em armas militares. Se uma arma pudesse ser comprada, o PCCh a compraria. Se nenhum país estivesse disposto a vender uma determinada arma ou equipamento, o PCCh tentaria roubar a tecnologia. Começou a copiar o modelo militar dos EUA, tentando se tornar o poder militar número um na Ásia e depois mais tarde um gigante militar mundial, na esperança de um dia ser capaz de derrotar os Estados Unidos.


Politicamente, o PCCh continua gastando dinheiro para obter votos de países em desenvolvimento nas Nações Unidas. Ao mesmo tempo, infiltra-se nos Estados Unidos e nos países europeus através de suas redes de propaganda e espionagem em grande escala no exterior, e tenta seduzir políticos ocidentais com dinheiro e vários tipos de benefícios.


Economicamente, o PCCh lançou sua iniciativa de alto perfil “Um Cinturão, Uma Rota”, que é essencialmente a ambição do PCC de criar um novo tipo de colonialismo e uma solução para seu problema de excesso de capacidade. Além disso, o PCCh mantém a bandeira da globalização, esperando manter sua economia orientada para a exportação.


No campo da tecnologia, o PCCh lançou o plano "Made in 2025", implantando todo tipo de tática de roubo de comércio em vários setores. Os gigantes tecnológicos chineses ZTE e Huawei, ambos disfarçados de empresas privadas, tentam derrotar os concorrentes por preços super baixos. E eles podem fazer isso porque recebem enormes subsídios do regime chinês todos os anos. Seu objetivo é tornar-se líder no mercado internacional e, por sua vez, assumir maior controle da indústria de telecomunicações nos países ocidentais.



O representante de comércio dos EUA Robert Lighthizer (2º R), o secretário de Comércio Wilbur Ross (R), diretor do Conselho Econômico Nacional Larry Kudlow e outros funcionários da Administração Trump se sentam com o vice-primeiro-ministro chinês Liu He (L), o governador do Banco Central Yi Gang (2º) L) e outros vice-ministros e altos funcionários chineses para negociações na sala diplomática no Eisenhower Executive Office Building em Washington em 30 de janeiro de 2019 (Chip Somodevilla / Getty Images)


No momento em que o PCCh estava imerso em seu sonho de “superpotência número dois”, os Estados Unidos deram um golpe repentino ao travar uma guerra tarifária. Políticos e cidadãos dos EUA começaram a perceber que a concessão do status de NMF da China e a reprodução do sucesso econômico dos “Quatro Tigres Asiáticos” não ajudaram a trazer uma mudança em direção à democracia e aos direitos humanos.


Pelo contrário, o PCC fez uma enorme fortuna com seu status de NMF, mas se recusou a cumprir qualquer uma das promessas que fez ao ingressar na OMC. Por exemplo, quando a China abre seu mercado para um país desenvolvido, não deve estar na condição de entregar a tecnologia. Além disso, nos termos da OMC, a China deve interromper a violação de propriedade intelectual, reduzir subsídios à exportação, reduzir a participação de mercado das empresas estatais e abrir o mercado de telecomunicações.


Em outras palavras, os países ocidentais foram totalmente enganados pelo PCCh.


Os Estados Unidos começaram a corrigir seus erros em março de 2018. O governo Trump esperava corrigir o desequilíbrio comercial com a China por meio de negociações. O PCCh, é claro, ignorou os pedidos de reforma estrutural. Como resultado, uma guerra tarifária estourou e se tornou cada vez mais intensa. A economia da China está sendo afetada.


Foi somente nesse ponto que o PCCh percebeu que seu caminho de replicar o modelo econômico dos “Quatro Tigres Asiáticos” havia chegado ao fim. A era de embolsar enormes somas de dólares americanos se foi. As cadeias de suprimentos estão deixando a China. O sonho de “superpotência número dois” do PCC acabou.


Agora, o povo chinês descobriu que as realizações econômicas da era "Reforma e abertura" eram apenas o fato de o PCCh imitar o modelo "Quatro tigres asiáticos". Os quatro países asiáticos, após a rápida fase de crescimento, abandonaram gradualmente o modelo de desenvolvimento orientado para a exportação e alcançaram modernização industrial, o que os ajudou a se tornarem mais competitivos no mercado internacional. Eles estão agora em um novo estágio de desenvolvimento, sendo um membro responsável na comunidade internacional.


O PCCh está disposto a se integrar à ordem econômica internacional? Obviamente não. A reforma econômica estrutural é a única solução para o desenvolvimento futuro da China e tornou-se uma questão premente. Mas o PCCh, com medo de perder poder, só espera continuar e não mostra respeito pelos princípios do desenvolvimento econômico e ignora os padrões éticos no comércio internacional. Nesse caminho, não apenas o PCCh perderá a oportunidade de se tornar a “superpotência número dois”, mas também está arruinando a oportunidade de a China continuar seu crescimento implementando a reforma econômica. O povo chinês vai aguentar isso?


As opiniões expressas neste artigo são de opinião do autor e não refletem necessariamente as opiniões do Epoch Times.


Artigo original:

https://www.theepochtimes.com/chinas-20-year-four-asian-tigers-economic-development-model-is-coming-to-an-end_3096623.html





Notícias Conservadoras

02-08_Banner728x90_site.png

© Todos os Direitos Reservados - heitordepaola.online

  • Facebook
  • Twitter
  • YouTube