Nova nomeação militar em Xinjiang ressalta a fragilidade da segurança da Ásia Central

- THE EPOCH TIMES - 17 AGO, 2021 - Andrew Thornebrooke - Tradução César Tonheiro -

Foto tirada em 4 de janeiro de 2021 mostra soldados do Exército de Libertação do Povo Chinês (ELP) se reunindo durante o treinamento militar nas montanhas Pamir em Kashgar, região de Xinjiang noroeste da China. (STR / AFP via imagens Getty)

A nomeação do Partido Comunista Chinês ( PCC ) de um novo comandante militar para a Região Autônoma Uigur de Xinjiang (XUAR) pode resultar em mais distúrbios ao longo da fronteira ocidental do país, de acordo com especialistas.


O PCCh nomeou o tenente-general Wang Haijiang como o novo comandante militar de Xinjiang , que faz fronteira com as regiões voláteis do Afeganistão , Quirguistão, Paquistão e Tajiquistão. É importante ressaltar que a nomeação de Wang chega em um momento de tensão e instabilidade aumentadas, enquanto o PCCh tenta navegar em seu relacionamento com o ressurgente Afeganistão liderado pelo Taleban .


Dru Gladney, professor e catedrático de antropologia no Pomona College, expressou preocupação de que a nomeação de Wang para Xinjiang pudesse significar problemas para a minoria muçulmana na região, dada sua experiência anterior ajudando o oficial do Partido Chen Quanguo na repressão do Tibete .


Chen, o atual chefe do Partido em Xinjiang, anteriormente serviu como chefe regional do PCCh no Tibete. Ele foi o arquiteto de várias políticas repressivas, incluindo o infame sistema de gestão de rede e o modelo de gestão " duplo-vinculado " no Tibete e os chamados campos de "reeducação" uigur , disse Gladney.


O PCCh deteve mais de um milhão de uigures e outras minorias muçulmanas em Xinjiang, onde foram submetidos a tortura, trabalho forçado e doutrinação política. Chen foi sancionado pelos Estados Unidos no ano passado por abusos dos direitos humanos na região, o membro de mais alto escalão do PCCh a ser penalizado até agora.

Guardas de segurança estão nos portões do que é oficialmente conhecido como um centro de educação de habilidades vocacionais no condado de Huocheng, na região autônoma de Xinjiang Uyghur, China, em 3 de setembro de 2018. (Thomas Peter / Reuters)

Uma história de repressão


Gladney, que passou as últimas quatro décadas pesquisando as comunidades de minorias muçulmanas da China e que viajou extensivamente por Xinjiang e pela Ásia Central antes de ser incluído na lista negra do PCC como acadêmico pró-uigur no início dos anos 2000, acredita que a nomeação de Wang garantirá a continuação de duras medidas anti-uigur de Chen e um endurecimento ainda maior da fronteira ocidental da China.


“Chen Quanguo foi bem-sucedido do ponto de vista chinês [PCC] em realmente consolidar poder e autoridade”, disse Gladney. “O Tibete estava muito agitado até que ele chegou em 2011. Em 2016, quando ele veio para Xinjiang, ele trouxe muitas ideias semelhantes.”


“Eu acho que trazer Wang Haijiang realmente reflete a preocupação da China com as regiões inquietas ao redor de Xinjiang”, disse Gladney. “Particularmente agora com a retirada dos Estados Unidos do Afeganistão. É algo que eles telegrafaram e a China sempre se preocupou com essa fronteira ”.


As áreas mais ocidentais de Xinjiang compartilham vastas e desoladas áreas de fronteira com o Tajiquistão, Quirguistão, Afeganistão, Paquistão e Índia. Embora o terreno montanhoso torne muito fácil para o PCC controlar as principais entradas para o país, a difícil topografia significa que sempre há alguma porosidade e um risco de infiltração de insurgentes, particularmente jihadistas que buscam libertar a terra natal dos uigures do PCC. Além disso, a presença de elementos militares russos no Tadjiquistão e elementos radicais do Taleban no nordeste do Afeganistão são uma fonte constante de atrito potencial com os vizinhos da China.


Frank Lehberger, pesquisador sênior da Fundação Usanas, baseada na Índia, também disse ao Epoch Times que a história de Wang no Tibete provavelmente informaria a estratégia do PCC em Xinjiang, particularmente em relação à fronteira montanhosa com o Afeganistão .

“No domínio militar, Wang aprendeu algumas lições valiosas como vice-comandante do Distrito Militar do Tibete”, disse Lehberger. “Ele estava estacionado na contestada fronteira chinesa com a Índia e o Butão entre 2016 e 2019. As lições que ele aprendeu agora certamente serão aplicadas no XUAR na fronteira sino-afegã.”


Lehberger observou que Wang publicou vários artigos de seu tempo na Região Autônoma do Tibete sobre o assunto de treinamento e luta em regiões montanhosas e os tipos de estruturas de defesa a serem usadas em tal combate. Além disso, ele disse que Wang foi elogiado por coordenar com sucesso a construção de estradas de alta altitude em assentamentos de fronteira em Doklam, um trecho remoto do Himalaia reivindicado pela China e pelo Butão, o que permitiu ao PCCh pela primeira vez colocar tropas na área durante o inverno.


Para estabelecer efetivamente a presença permanente do PCCh na região, Wang foi promovido a tenente-general e nomeado delegado no 13º Congresso Nacional do Povo em 2017, a legislatura carimbada do regime.


Lehberger também destacou que Wang era uma raridade entre a elite do PCCh devido ao fato de que ele tinha experiência de combate desde a guerra da China em 1979 com o Vietnã.

Foto tirada em 4 de janeiro de 2021 mostra soldados do Exército de Libertação do Povo Chinês (PLA) participando de um treinamento militar nas montanhas Pamir em Kashgar, região de Xinjiang, noroeste da China. (STR / AFP via imagens Getty)

Apesar da perícia militar de Wang, Gladney e Lehberger, no entanto, destacaram que os abusos dos direitos humanos de longa data em Xinjiang poderiam enfraquecer os esforços de segurança do PCCh, já que as políticas anti-muçulmanas e a ascensão de um estado de vigilância quase total na região continuam a impulsionar os uigures e outros grupos minoritários afastarem-se da aceitação da autoridade do Estado e adotarem o radicalismo.


Lehberger falou sobre como o PCCh fomentou o aumento da antipatia de sua população muçulmana nos últimos anos.


“Durante os últimos anos, o regime chinês aperfeiçoou um aparato repressivo e um catálogo de medidas feitas sob medida para as minorias étnicas e muçulmanas no XUAR”, disse Lehberger, “como forçar os homens muçulmanos a raspar a barba e todos a comer carne de porco durante o dia durante o mês sagrado do Ramadã. ”


Para Gladney, a maior mudança nas práticas de segurança da região, e a maneira mais profunda pela qual o PCCh alienou os uigures nativos, está relacionada a como o PCCh implementou uma imensa gama de tecnologias de vigilância nos centros populacionais de Xinjiang.


“O que mudou em Xinjiang, eu acho, foi o aumento da tecnologia”, disse Gladney. “Particularmente tecnologias de vigilância digital que Chen Quanguo conseguiu importar, muitas delas de todos os Estados Unidos, Vale do Silício, e implantar em um nível que ninguém jamais imaginou.”

Mesquita da aldeia Jieleixi No.13 com slogans "Ame o Partido [Comunista Chinês], Ame a China" em Yangisar, ao sul de Kashgar, na região de Xinjiang ocidental da China em 4 de junho de 2019. (Greg Baker / AFP via Getty Images)

Gladney explicou que o secretário-geral do PCC, Xi Jinping, adotou uma abordagem autoritária para suprimir as minorias muçulmanas na China após um atentado a bomba em Xinjiang em 2014, que coincidiu com sua visita à região.


Após o incidente, o PCCh centralizou drasticamente sua autoridade e supervisão sobre a vida cotidiana dos uigures e de outros na região.


“O terrorismo fez com que ele [Xi] apoiasse uma repressão radical”, disse Gladney. “Foi quando ele trouxe Chen Quanguo e agora Chen Quanguo trouxe Wang Haijiang.”


Gladney acredita que é importante notar que Xi não é o único responsável pelo crescente autoritarismo na China, nem pela perseguição aos uigures, que vários países agora chamam de genocídio . Para esse fim, ele notou a popularidade de Wang dentro dos círculos mais elevados e internos do PCCh.


“Todas essas decisões não são tomadas sozinhas”, acrescentou Gladney. “Eles são feitos com total apoio do Comitê Central do Partido, e recentemente Wang Haijiang participou das reuniões da Comissão de Planejamento do Partido em Pequim.”


Ásia Central, uma 'panela de pressão'


Por enquanto, Wang e Xinjiang provavelmente estarão na frente e no centro dos esforços do PCC para expandir sua influência e proteger o interior chinês. Feitos que serão mais perigosos do que antes após a queda do Afeganistão para o Taleban.


Sam Kessler, um conselheiro geopolítico do North Star Support Group, destacou a fragilidade do relacionamento do PCCh com o Talibã e como essa fragilidade poderia levar a um conflito na região.


“A trégua entre o PCCh e o Talibã é muito complicada para Pequim”, disse Kessler. “Há indicações de que eles os reconhecerão como um ator mais legítimo do Estado, mas, ao mesmo tempo, o Taleban ainda tem ligações com muitos grupos jihadistas.”


Kessler explicou que a relação PCC-Talibã poderia vacilar ou desmoronar se seu alinhamento atual contra os Estados Unidos mudasse, e que tal ruptura poderia levar a uma repressão ainda maior aos muçulmanos em Xinjiang ou a um conflito endêmico na Ásia central. O regime chinês havia recebido recentemente garantias do Taleban de que não acolheria extremistas islâmicos que pudessem lançar ataques em Xinjiang. Se isso não der certo, Pequim provavelmente dobrará suas políticas repressivas na região.

O conselheiro de Estado chinês e ministro das Relações Exteriores, Wang Yi, encontra-se com o mulá Abdul Ghani Baradar, chefe político do Talibã do Afeganistão, em Tianjin, China, em 28 de julho de 2021. (Li Ran / Xinhua via Reuters)

Gladney também expressou que um movimento reacionário ao extremismo islâmico que não existia anteriormente estava sendo exacerbado pelos contínuos abusos de direitos do PCCh contra os uigures. Isso é particularmente verdadeiro entre a diáspora uigur, de acordo com Gladney, que está cada vez mais olhando para o Islã radical como um meio de libertar os uigures que consideram estar presos em Xinjiang.


“A China quer tornar os uigures mais 'sinicizados', como expressou Xi Jinping”, disse Gladney. “Isso provavelmente os está afastando mais fortemente do domínio chinês e criando uma grande quantidade de ressentimento e raiva, especialmente na diáspora.”


“A maior parte da violência e ressentimento não foi inspirada pelo Islã radical, ou mesmo pela independência. Foi principalmente inspirado por um desejo de maiores direitos humanos, maior liberdade de expressão ”, acrescentou Gladney. “Isso leva esses uigures, que não foram originalmente motivados pelo islamismo radical ou pela jihad, para os braços daqueles que o são”, disse Gladney.


Ao todo, Gladney, Kessler e Lehberger concordaram que a crescente ameaça de extremismo e os eventos que se desenrolaram no Afeganistão significaram que a probabilidade de violência catastrófica na região estava aumentando e, com isso, a importância da nomeação de Wang em Xinjiang.


“Acho que é apenas uma questão de tempo”, disse Gladney. “Particularmente na diáspora, há muitos apelos recentes entre os uigures por violência, por independência. Tem havido dinheiro fluindo para alguns dos grupos mais radicais na Ásia central, Turquia e sul da Ásia. ”

“É como uma situação de panela de pressão. Quanto mais e mais eles [o PCC] o apertarem, mais explosiva será a resposta ”. Gladney acrescentou.


“Temo, com a iminente queda de Cabul, que toda a situação de segurança esteja piorando para todos os envolvidos”, disse Lehberger.


“A situação com os EUA e a China, bem como com a Rússia e o Paquistão, parece que será muito difícil navegar de uma perspectiva diplomática sem derramamento de sangue”, disse Kessler. “Corre o risco de um grande conflito.”


Andrew Thornebrooke é um repórter freelance que cobre questões relacionadas à China com foco em defesa e segurança. Ele tem mestrado em história militar pela Norwich University e é o autor do boletim informativo Quixote Hyperdrive.

PUBLICAÇÃO ORIGINAL:

https://www.theepochtimes.com/new-xinjiang-military-appointment-underscores-fragility-of-central-asia-security_3951711.html


7 views0 comments