Newt Gingrich: A crise da civilização americana

Estamos agora em uma crise da civilização americana tão perigosa e real quanto a crise da Guerra Civil ou da Segunda Guerra Mundial.


Policiais de Portland perseguem manifestantes depois que um motim foi declarado durante um conflito civil sobre o tiroteio em Minnesota de Daunte Wright, em Portland, Oregon, em 12 de abril de 2021. (Nathan Howard / Getty Images)

- THE EPOCH TIMES - 15 Abr, 2021 -

- Newt Gingrich - TRADUÇÃO CÉSAR TONHEIRO -



Estamos agora em uma crise da civilização americana tão perigosa e real quanto a crise da Guerra Civil ou da Segunda Guerra Mundial.

Durante ambas as crises, se a América tivesse perdido, teria deixado de ser a América — e a causa da liberdade em todo o mundo teria sido dramaticamente enfraquecida.

Hoje, enfrentamos ameaças internas e externas combinadas que são tão grandes ou maiores.

Internacionalmente, enfrentamos uma China em ascensão, cujo poder econômico, científico e tecnológico é agora totalmente competitivo com os Estados Unidos. A recente agressividade no Mar da China Meridional, contra Taiwan e na repressão doméstica (incluindo campos de concentração e genocídio contra os uigures, esmagando a cultura budista tibetana e reprimindo o movimento pela liberdade em Hong Kong) são todos sinais da autoconfiança do Partido Comunista Chinês.

O anúncio de um projeto lunar conjunto China-Rússia é um exemplo do desafio autoritário coletivo à coalizão pela liberdade liderada pelos Estados Unidos. O movimento das forças militares da Rússia em torno da fronteira com a Ucrânia é outro sinal da agressividade potencial dos Estados autoritários.


Por mais perigosos que sejam os desafios externos, eles desaparecem quando comparados com as ameaças internas à civilização americana.


Considere esses indicadores de que nossa civilização está começando a se desintegrar.

Vários dias de saques e tumultos em Minnesota ocorreram, mesmo com o julgamento de um ex-policial em andamento, provando que o estado de direito funciona.


Um policial é morto durante uma parada de carro no Novo México, e nossas elites ignoram o assassinato. Na verdade, o prefeito Mike Elliott, do Brooklyn Center, Minnesota, disse em meio ao tumulto: "Não acredito que os oficiais precisem necessariamente ter armas, você sabe, toda vez que eles estão controlando tráfego ou se envolvendo em situações que não se exigem armas necessariamente.”


Há uma guerra contra a polícia em andamento, com 264 mortos em 2020, um salto de 96% em relação ao ano anterior. Na cidade de Nova York, forças hostis usam coquetéis molotov para incendiar carros de polícia. As taxas de homicídios estão disparando em todo o país, com 2020 sendo o maior salto em um ano em homicídios na história americana — 36,7%.


Diante do comportamento criminoso agressivo e da violência contra pessoas inocentes, incluindo crianças sendo mortas, a deputada democrata Rashida Tlaib pede o "fim do policiamento, encarceramento e militarização". Ironicamente, Tlaib representa Detroit. De acordo com o Relatório de Crimes de 2020 da cidade de Detroit, houve 327 homicídios em 2020, contra 275 no ano anterior — um aumento de 19%. Houve 1.173 tiroteios não fatais em 2020. Isso é mais do que 767 no ano anterior, o que é um aumento de 53%.


Em Milwaukee, Seattle e Portland, Oregon, zonas proibidas semelhantes às da França foram criadas, que são secessões efetivamente localizadas nos Estados Unidos.


Portland continua sendo atacada todas as noites por anarquistas. Apesar das declarações queixosas de funcionários públicos, nenhuma ação efetiva está em andamento para restaurar a lei e a ordem.


Em San Francisco, a declaração do procurador distrital comunista de que furtos abaixo de US $ 900 não serão processados levou a tantos furtos em lojas que a Walgreens está fechando todas as 10 de suas drogarias na cidade.


A ameaça à civilização americana vai muito além da violência nas ruas.


Líderes corporativos se recusam a condenar o genocídio e a tirania do estado policial na China são rápidos em atacar o estado americano da Geórgia — embora o presidente Joe Biden esteja simplesmente errado (talvez mentindo) sobre a nova lei eleitoral do estado. Transferir o All-Star Game (NBA) da Geórgia para o Colorado prejudica as pequenas empresas da comunidade negra. (Há oito vezes mais funcionários em empresas de propriedade de negros na Geórgia do que no Colorado).


Além disso, as atuais leis de votação do Colorado são mais rígidas do que as novas da Geórgia. Para os líderes corporativos, é a sinalização de virtude - não o fato - que importa.


O establishment da televisão mentiu sistematicamente para derrotar o presidente Donald Trump nas eleições de 2020. Charlie Chester, da CNN, afirmou recentemente: “Vim para a CNN para fazer parte disso. Olha o que fizemos, nós [CNN] tiramos Trump. Eu digo 100% disso, e eu creio que 100% disso se não fosse pela CNN, eu não sei se Trump teria sido eliminado. … Vim para a CNN porque queria fazer parte disso.”


Claro, The New York Times, The Washington Post, MSNBC, NBC, CBS e ABC contestariam qualquer afirmação da CNN de que ela sozinha derrotou Trump. Os dois jornais ganharam o Prêmio Pulitzer por mentir sobre Trump.


A hostilidade e a desonestidade da mídia tradicional são ofuscadas pelos gigantes da internet, que estão cada vez mais agindo como os oligarcas russos. Eles estão tentando apagar um líder que foi apoiado por mais de 75 milhões de americanos com uma crueldade digna da tirania soviética e do Partido Comunista Chinês.


O capitalismo de compadres está se tornando mais ousado à medida que o grande governo e as grandes empresas se reforçam às custas do país.


O racismo ostensivo por meio reintegração baseada em raça, cotas escolares e currículos anti-brancos e anti-masculinidade são um retorno à discriminação e segregação alimentadas pelo governo.

Finalmente, quando o estado da Califórnia está considerando exigir que os alunos cantem todos os dias para um deus asteca que era o centro de um culto de sacrifício humano, há boas razões para acreditar que a civilização americana está em crise.


Se quisermos continuar sendo a América, devemos nos opor às forças que tentam nos destruir.


Newt Gingrich, um republicano, serviu como presidente da Câmara de 1995 a 1999 e concorreu como candidato à presidência em 2012.

As opiniões expressas neste artigo são as opiniões do autor e não refletem necessariamente as opiniões do Epoch Times.


PUBLICAÇÃO ORIGINAL:

https://www.theepochtimes.com/the-crisis-of-american-civilization_3777477.html



27 views0 comments