Militares da China podem e vão 'desafiar' os EUA

- THE EPOCH TIMES - Andrew Thornebrooke - TRADUÇÃO CÉSAR TONHEIRO - FEV 17, 2022 -

A China está aumentando sua capacidade para desafiar os Estados Unidos em um espectro de competência e provavelmente o fará, de acordo com um novo relatório do Government Accountability Office.


“A China está cada vez mais assertiva e é a única concorrente potencialmente capaz de combinar seu poder econômico, diplomático, militar e tecnológico para montar um desafio sustentado a um sistema internacional estável e aberto”, disse o relatório.


“Hoje, a China transformou o que era um exército obsoleto em um que pode desafiar os militares dos EUA em todo o espectro de capacidades convencionais e não convencionais”, acrescentou o relatório.


O relatório disse que o Pentágono reconheceu a China como uma “pacing threat” (ameaça de ritmo) na maioria das áreas, mas que o regime comunista ainda era vulnerável a disputas territoriais e às pressões associadas a uma economia em desenvolvimento.


Ele identificou cinco áreas-chave nas quais a liderança comunista da China estava investindo como parte de sua tentativa de desafiar os Estados Unidos. Essas áreas eram capacidades antiacesso e negação de área, como mísseis de longo alcance, operações de superfície e submarinas, incluindo a expansão de sua marinha, capacidades cibernéticas projetadas para derrubar sistemas dos EUA, capacidades de combate espacial, como armas antissatélite e amplos investimentos em inteligência artificial.


O relatório também observou que o regime estava envolvido em um esforço prolongado para se infiltrar sistematicamente nas bases industriais e de defesa dos EUA para exfiltrar inteligência e roubar tecnologias críticas e emergentes. O relatório resumiu a estratégia como “segmentar, copiar e transferir”.


Houve várias maneiras pelas quais o Departamento de Defesa (DoD) falhou em responder adequadamente a esses desenvolvimentos, segundo o relatório.


Para citar apenas alguns, o relatório disse que o DoD não tomou as medidas necessárias para mitigar os problemas da cadeia de suprimentos para seu programa F-35, seus sistemas nucleares estão próximos ou passados de suas datas de fim de vida e tem apenas um “conhecimento fragmentado” dos componentes utilizados pelas empresas comerciais que lhe fornecem satélites.


O relatório vem em meio a crescentes alertas de ex-líderes do Pentágono de que o DoD está sobrecarregado com burocracia e desperdício, e que os Estados Unidos não estão efetivamente modernizando suas forças armadas para corresponder às mais novas tecnologias da China.


“Em meio a esse cenário, a preparação bem-sucedida para a competição estratégica com a China dependerá dos esforços contínuos para aumentar a credibilidade do combate dos EUA e aprimorar a dissuasão convencional que pode ajudar a prevenir conflitos, proteger os interesses dos EUA e garantir aliados”, disse o relatório.


A recomendação, no entanto, não é apoiada por todos.


O major-general aposentado da Marinha Arnold Punaro, por exemplo, disse em fevereiro que a dissuasão convencional estava falhando em impedir adequadamente o Partido Comunista Chinês de se comportar de forma agressiva, e que uma modernização nuclear renovada seria fundamental.


Seja como for que os Estados Unidos procedam, o relatório disse que o PCC continuará a ser uma ameaça no futuro próximo.


“O crescente poder econômico, diplomático, militar e tecnológico da China – e a vontade de exercê-lo – representam um desafio significativo de longo prazo para os Estados Unidos”, disse o relatório.


Andrew Thornebrooke é repórter do Epoch Times cobrindo questões relacionadas à China com foco em defesa, assuntos militares e segurança nacional. Ele tem mestrado em história militar pela Universidade de Norwich.


PUBLICAÇÃO ORIGINAL >


Acesse a minha HOME PAGE, para assistir meus vídeos e ler meus livros: https://www.heitordepaola.online/


28 views0 comments