Militares atuaram no laboratório onde se originou a pandemia de COVID-19

- THE EPOCH TIMES - 3 MAIO, 2021 - Nicole Hao - Tradução César Tonheiro -


Evidências revelam que a equipe militar colaborou com o laboratório onde se originou a pandemia de COVID-19

A virologista chinesa Shi Zhengli é vista dentro do laboratório P4 na cidade de Wuhan, província de Hubei, em 23 de fevereiro de 2017. (Johannes Eisele / AFP via Getty Images)

O regime chinês disse que seu controverso instituto de virologia não tinha nenhuma relação com os militares, mas o instituto trabalhou com líderes militares em um projeto patrocinado pelo governo por quase uma década.


O Wuhan Institute of Virology (WIV) participou de um projeto, patrocinado pela National Natural Science Foundation of China (NSFC) — uma instituição de pesquisa científica financiada pelo regime — de 2012 a 2018. O projeto era composto por uma equipe de cinco militares e especialistas civis, que realizaram pesquisas em laboratórios WIV, laboratórios militares e outros laboratórios civis, levando à "descoberta de patógenos animais [agentes biológicos que causam doenças] em animais selvagens".


O WIV está localizado na cidade de Wuhan, no centro da China, o marco zero da pandemia COVID-19. Como uma instituição de virologia avançada, o WIV tem o único laboratório P4 — o laboratório de mais alto nível de biossegurança — na China e o maior repositório de coronavírus de morcego na Ásia. O vírus PCC (Partido Comunista Chinês), comumente conhecido como novo coronavírus, é “96% idêntico no nível do genoma inteiro a um coronavírus de morcego”, escreveram pesquisadores chineses em um artigo de pesquisa (pdf) publicado em fevereiro de 2020.


Nos últimos meses, o Ministério das Relações Exteriores da China e Shi Zhengli, a virologista do WIV apelidada de "Mulher Morcego" por sua pesquisa sobre coronavírus de origem do morcego, negaram que haja uma conexão entre o WIV e os militares, e disseram que nenhum pesquisador do WIV estava infectado com COVID-19.


No entanto, de acordo com uma investigação conduzida pelo Departamento de Estado dos EUA, “vários pesquisadores dentro do WIV ficaram doentes no outono de 2019, antes do primeiro caso identificado do surto, com sintomas consistentes com COVID-19 e doenças sazonais comuns”.


“O WIV se envolveu em pesquisas sigilosas, incluindo experimentos com animais de laboratório, em nome dos militares chineses desde pelo menos 2017”, afirma um informativo do Departamento de Estado .


No entanto, Shi negou que a WIV tenha se envolvido em pesquisas com os militares chineses. “Não sei de nenhum trabalho militar na WIV. Essa informação está incorreta”, disse Shi em uma webinar pública em 23 de março. Shi não mencionou que o WIV foi usado por uma equipe médica militar chinesa no início de 2020 para desenvolver vacinas COVID-19.

Shi disse à revista Science em julho de 2020 que não ocorreram vazamentos de patógenos ou infecções pessoais. A revista relatou que, de acordo com Shi, "não há 'infecção zero' entre funcionários ou alunos com SARS-CoV-2 [novo coronavírus 2019] ou vírus relacionados com SARS".


No final de março, a mídia chinesa no exterior relatou que três membros da equipe do WIV começaram a ter sintomas semelhantes ao COVID-19 já em novembro de 2019. Logo depois disso, a mídia estatal chinesa China News relatou que a notícia era baseada em rumores.


A China News informou que um especialista chinês disse à equipe de investigação da OMS — que visitou a China em fevereiro para investigar a origem do vírus PCC — que os casos que datavam de 2019 eram de pacientes em hospitais relacionados ao WIV, em vez de membros da equipe do WIV.


Cooperação Militar-Civil


O NSFC colocou os resultados da pesquisa sobre os patógenos animais em seu site em 1º de fevereiro de 2018. Também afirmou que o projeto “descobriu mais de 1.640 tipos de novos vírus usando a tecnologia de metagenômica”, e a pesquisa foi realizada por uma civil-militar.

Cao Wuchun, 58, membro da equipe militar do projeto, é coronel e epidemiologista de primeira linha do exército chinês. Ele é pesquisador da Academia de Ciências Médicas Militares desde setembro de 2017, mas trabalha lá há 21 anos. Foi diretor da academia de 2007 a 2017, conforme currículo oficial. Cao serviu na equipe como segundo em comando do Major General Chen Wei, o maior especialista em armas biológicas da China.


Em 26 de janeiro de 2020, Cao acompanhou Chen a Wuhan e eles assumiram o comando da WIV. A mídia estatal chinesa relatou, na época, que o principal objetivo da tomada militar era desenvolver uma vacina contra o vírus PCC.


Cao também co-liderou o projeto NSFC com Shi (a virologista do WIV), e a equipe de Chen-Cao assumiu o comando do WIV quando a pandemia COVID-19 estourou em Wuhan.


Os outros três líderes de equipe do projeto NSFC foram Liang Guodong, Zhang Yongzhen e Xu Jianguo, pesquisadores do Centro Chinês para Controle e Prevenção de Doenças (CDC). Entre eles, Xu era o líder do projeto ou gerente dos outros quatro membros da equipe. Xu, 69, é diretor do laboratório estadual do CDC para prevenção e controle de doenças transmissíveis, acadêmico da Academia Chinesa de Engenharia e diretor do Instituto de Pesquisa de Saúde Pública da Universidade de Nankai. O currículo de Xu afirma que ele recebeu US $ 987.820 em financiamento do NSFC para o projeto.


Como um dos maiores especialistas em vírus da China, Xu foi para Wuhan para servir como líder de equipe no início de 2020. Em 14 de janeiro de 2020, Xu disse à revista Science da China: “Todos os 763 contatos próximos não estão infectados. A pandemia não é grave e pode parar na próxima semana se não houver mais nova infecção. ”


Na verdade, as pessoas de Wuhan começaram a se aglomerar em hospitais por causa dos sintomas de pneumonia desde o início de janeiro de 2020, mas o regime se recusou a reconhecer que o vírus poderia ser transmitido entre humanos até 20 de janeiro de 2020. Os anúncios enganaram as pessoas para que viajassem e permitiram que o vírus se espalhasse por todo o mundo a partir de Wuhan.


Mulher Morcego


Shi, 56, dirige o Centro de Doenças Infecciosas Emergentes na WIV. Em 2000, ela recebeu seu Ph. D. em virologia pela Universidade de Montpellier II, na França, depois de estudar lá por quatro anos.


Shi começou a investigar coronavírus quando a China sofreu um surto da Síndrome Respiratória Aguda Grave (SARS) em 2002 e 2003.


Autoridades de Pequim disseram que o vírus da SARS foi transmitido de civetas (um animal carnívoro) para humanos na província de Guangdong, no sul da China, em novembro de 2002, e se espalhou para outras cidades chinesas e para a vizinha Hong Kong porque o regime não permitia que as pessoas discutissem esta doença infecciosa nos primeiros dois meses. A SARS acabou matando pelo menos 774 pessoas e infectou 8.096 pessoas de 31 países.


A CCTV estatal chinesa relatou em 29 de dezembro de 2017, que Shi e sua equipe não acreditavam que os civetas fossem os hospedeiros naturais da SARS, mas apenas hospedeiro intermediário. Eles começaram a investigar morcegos de diferentes regiões chinesas em 2004.


Em 2011, a equipe de Shi detectou um vírus semelhante ao SARS em morcegos que viviam em uma caverna na província de Yunnan, no sudoeste da China. Eles então chamaram esse vírus de “WIV1” e conduziram estudos adicionais. A CCTV não informou os detalhes do vírus, mas disse que a equipe de Shi continuou a coletar amostras da mesma caverna por cinco anos.


Desde 2015, a equipe de Shi publica os resultados dos testes em revistas internacionais, incluindo Virologia Sínica (chinesa), Nature e Lancet.


Semanas após o regime chinês anunciar publicamente o surto de COVID-19, Shi e sua equipe publicaram um artigo na Nature, ligando o COVID-19 aos morcegos.


A equipe de Shi descobriu o coronavírus em morcegos coletados em uma mina de cobre abandonada no município de Tongguan, condado de Mojiang, na província de Yunnan. Os pesquisadores da WIV visitaram a mina por vários dias, mesmo depois de seis trabalhadores terem se infectado enquanto trabalhavam lá.


Em 15 de julho de 2020, o virologista Jonathan Latham e a bióloga molecular Allison Wilson de Ithaca, NY, co-publicaram um artigo no Independent Science News depois de traduzir uma tese de mestrado de 66 páginas de Li Xu, um médico chinês que tratou dos mineiros e enviou suas amostras de tecido para testes no WIV.


A tese de Li foi apresentada em maio de 2013. Ele escreveu que seis mineiros removeram as fezes de morcegos de uma mina em abril de 2012. Depois de trabalhar lá por 14 dias, todos os trabalhadores adoeceram com sintomas graves, como febre alta, tosse seca e membros doloridos.


Kunming Medical University, School of Clinical Medicine, onde Li estudou, recebeu e tratou os mineiros. Finalmente, três dos mineiros morreram. Suas amostras foram enviadas ao WIV para investigação adicional.


CURIOSO COM AS FOTOS ABAIXO? Acesse a Home Page aqui.

PUBLICAÇÃO ORIGINAL:

https://www.theepochtimes.com/evidence-reveals-that-military-team-collaborated-with-lab-where-covid-pandemic-originated_3798920.html


29 views0 comments