Mike Pompeo, alertou o Brasil para reduzir sua dependência das importações da China

- THE EPOCH TIMES - Oct 19, 2020 -

Reuters - Tradução César Tonheiro -


OEUA e Brasil precisam reduzir a dependência das importações da China: Pompeo 19 de outubro de 2020 por Reuters BRASÍLIA / WASHINGTON - O Secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, alertou na segunda-feira que os Estados Unidos e o Brasil precisam reduzir sua dependência das importações da China comunista para sua própria segurança. Em uma cúpula virtual sobre o aumento da cooperação Brasil-EUA visando à recuperação pós-pandemia, Pompeo ressaltou a importância de expandir os laços econômicos bilaterais, dado o que chamou de “risco enorme” decorrente da participação significativa da China comunista em suas economias. “Na medida em que pudermos encontrar maneiras de aumentar o comércio entre nossos dois países, podemos (…) diminuir a dependência de cada uma de nossas duas nações por itens críticos” vindos da China, disse ele. “Cada um dos nossos dois povos estará mais seguro, e cada uma das nossas duas nações será muito mais próspera, quer seja daqui a dois, cinco ou dez anos”, acrescentou. Secretário de Estado Mike Pompeo fala durante uma entrevista coletiva em Washington, em 21 de setembro de 2020. (Patrick Semansk / POOL / AFP via Getty Images)

EUA e Brasil precisam reduzir a dependência das importações da China: Pompeo

19 de outubro de 2020 por Reuters


BRASÍLIA / WASHINGTON - O Secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, alertou na segunda-feira que os Estados Unidos e o Brasil precisam reduzir sua dependência das importações da China comunista para sua própria segurança.


Em uma cúpula virtual sobre o aumento da cooperação Brasil-EUA visando à recuperação pós-pandemia, Pompeo ressaltou a importância de expandir os laços econômicos bilaterais, dado o que chamou de “risco enorme” decorrente da participação significativa da China comunista em suas economias.


“Na medida em que pudermos encontrar maneiras de aumentar o comércio entre nossos dois países, podemos (…) diminuir a dependência de cada uma de nossas duas nações por itens críticos” vindos da China, disse ele.


“Cada um dos nossos dois povos estará mais seguro, e cada uma das nossas duas nações será muito mais próspera, quer seja daqui a dois, cinco ou dez anos”, acrescentou.


twitter.com/WHNSC

O governo Trump está trabalhando para fortalecer os laços com o Brasil e fornecer um contrapeso às ambições globais do Partido Comunista Chinês (PCC). Delegados dos dois países também se reuniram para assinar um novo acordo para aumentar as oportunidades de comércio baseadas em regras.


O presidente conservador do Brasil, Jair Bolsonaro, está ansioso para seguir o exemplo, dados os riscos à segurança nacional apresentados pelo PCCh. Atualmente, a China é o maior parceiro comercial do Brasil, principalmente para soja e minério de ferro.


Bolsonaro ainda não proibiu as empresas de telecomunicações brasileiras de comprar equipamentos 5G da Huawei Technologies Co. Ltd. da China, como mais países estão fazendo depois que o alarme foi disparado sobre a segurança da rede, dado o controle do PCC sobre todas as empresas registradas na China.


https://twitter.com/Cold_Peace

Na cúpula organizada pela Câmara de Comércio dos Estados Unidos, Bolsonaro confirmou a assinatura de um protocolo que traça três acordos com os Estados Unidos que garantirão boas práticas de negócios entre os dois aliados e impedirão a corrupção. Ele disse que o pacote vai reduzir a burocracia e aumentar o comércio e os investimentos.


“No último ano e meio, junto com o presidente Trump, elevamos as relações Brasil-Estados Unidos ao seu melhor momento e abrimos um novo capítulo no relacionamento entre as duas maiores economias e democracias do hemisfério”, afirmou.


Dois importantes legisladores democratas dos EUA criticaram o governo Trump por aumentar a cooperação comercial com o governo de Bolsonaro, devido ao seu “histórico péssimo” em direitos humanos, meio ambiente e corrupção. Os democratas não fizeram menção aos péssimos antecedentes de direitos humanos e proteção ambiental da China comunista.


“Dar munição ao presidente Bolsonaro para alegar que os Estados Unidos endossam seu comportamento macula a reputação de nossa nação como um país que exige que nossos parceiros comerciais respeitem os direitos humanos e o estado de direito”, disse o presidente do Comitê de Meios e Recursos da Câmara dos EUA, Richard Neal.


Pompeo disse que o Brasil está cada vez mais perto de aderir à Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), agrupando nações ricas com o apoio dos Estados Unidos.


“Queremos que isso aconteça o mais rápido possível”, disse ele.


O US Export-Import Bank apoiaria projetos avaliados em US $ 450 milhões no Brasil este ano, enquanto o US Development Finance Corp tinha planos envolvendo cerca de US $ 1 bilhão em projetos lá, disse ele.


Por Anthony Boadle e Andrea Shalal. O Epoch Times contribuiu para este relatório.


ARTIGO ORIGINAL:

https://www.theepochtimes.com/us-brazil-both-need-to-reduce-dependence-on-china-imports-pompeo_3544628.html

© Todos os Direitos Reservados - heitordepaola.online

  • Facebook
  • Twitter
  • YouTube