Laboratório de Wuhan estava manipulando geneticamente o vírus mortal Nipah

- THE EPOCH TIMES - Cathy He - TRADUÇÃO CÉSAR TONHEIRO - AGO 4, 2022 -

Trabalhadores são vistos ao lado de uma gaiola com ratos (D) dentro do laboratório P4 em Wuhan, província de Hubei, China, em 23 de fevereiro de 2017. (Johannes Eisele/AFP via Getty Images)

Uma análise forense mostra que o Instituto de Virologia de Wuhan (WIV) estava manipulando geneticamente o vírus Nipah, um patógeno altamente letal, violando a Convenção de Armas Biológicas, de acordo com um especialista que testemunhou em uma audiência do subcomitê do Senado em 3 de agosto.


Em Breve: "O EIXO DO MAL LATINO AMERICANO E A NOVA ORDEM MUNDIAL" em livro IMPRESSO.

Uma versão completa e atualizada!


A descoberta foi outra evidência mostrando que o controverso laboratório de Wuhan estava realizando pesquisas de ganho de função - experimentos que resultaram na pandemia de COVID-19 por meio de um vazamento da instalação, de acordo com o Dr. Steven Quay, CEO da Atossa Therapeutics. A pesquisa de ganho de função envolve o aumento da potência ou transmissibilidade de um vírus.


Quay disse que ele e outros cientistas realizaram um exame de amostras de pacientes com COVID-19 de dezembro de 2019 sequenciadas e publicadas pelo WIV. Por meio dessa análise, publicada em um artigo de pré-impressão que não foi revisado por pares, eles encontraram 20 contaminantes inesperados que acreditam ser evidências de outras pesquisas realizadas no laboratório.


“Para 19 dos 20 contaminantes inesperados, encontramos pesquisas publicadas nos dois anos anteriores, confirmando que o laboratório realmente estava trabalhando nesses genes inesperados”, disse ele em depoimento escrito (pdf) antes de uma audiência sobre o ganho de pesquisa funcional realizada pelo subcomitê do Senado sobre Ameaças Emergentes e Supervisão de Gastos. A audiência contou apenas com a presença de membros republicanos do subcomitê.

Mas o único contaminante não contabilizado nos artigos publicados pelo WIV foi a clonagem de vetores do vírus Nipah, de acordo com Quay.


“Esta é a pesquisa mais perigosa que já encontrei”, disse ele no depoimento escrito.


O vírus Nipah tem uma letalidade de mais de 60%, mais do que o Ebola, embora seja menos transmissível do que o último vírus, uma vez que não é transmitido pelo ar, disse o especialista na audiência. O vírus Nipah também é cerca de 60 vezes mais mortal que o COVID-19.


“[Uma] infecção adquirida em laboratório com um vírus Nipah modificado faria a pandemia de COVID-19 parecer um passeio no parque”, disse ele.


Esse tipo de biologia sintética é uma violação do direito internacional, segundo o especialista.


“Na verdade, é contra o tratado de armas biológicas desmontar o vírus Nipah e depois montá-lo novamente”, disse Quay ao Epoch Times em uma entrevista antes da audiência.


Laboratório Wuhan


Na audiência, Quay listou uma série de evidências que, segundo ele, apontavam para o COVID-19 originário de um vazamento de laboratório do WIV.


Em Breve: "O EIXO DO MAL LATINO AMERICANO E A NOVA ORDEM MUNDIAL" em livro IMPRESSO.

Uma versão completa e atualizada!


Entre eles está o fato de que o banco de dados público do WIV de 22.000 amostras e sequências virais foi desconectado em 12 de setembro de 2019, antes do início da pandemia de COVID-19. Embora a instalação tenha declarado que isso ocorreu por causa de hacks cibernéticos, Quay chamou esse ato de “suspeito” e ele acredita que o banco de dados foi colocado offline para remover evidências de precursores próximos do COVID-19, que teriam sido uma “arma fumegante” mostrando que o vírus vazou do laboratório.


Ele também destacou que o WIV era o principal centro mundial para o estudo de coronavírus, observando que antes de 2019, a instalação era responsável por 65% de todas as pesquisas publicadas na área.


“Por quase uma década, eles estavam entrando em cavernas de morcegos em toda a China e... de volta à África também, 20 visitas por ano para trazer essas amostras de volta ao laboratório”, disse Quay na audiência. “Eles tinham a maior coleção de backbones de matéria-prima da natureza para então fazer pesquisas de função.


“Acredito que é a confluência dessas duas atividades … trazendo coisas de cavernas de morcegos e pesquisas de ganho de função que levaram à pandemia”.

O WIV negou repetidamente que fosse a fonte da pandemia, mas o regime chinês se recusou persistentemente a abrir o laboratório e seus registros para autoridades externas, tornando quase impossível uma investigação independente da hipótese.

Uma ficha técnica de 2021 do Departamento de Estado dos EUA afirmou que os pesquisadores do WIV começaram a realizar experimentos envolvendo o RaTG13, identificado como tendo a semelhança genética mais próxima com o vírus COVID-19, desde 2016.


Além de se envolver em “pesquisa de 'ganho de função' para projetar vírus quiméricos”, o WIV se envolveu em experimentos com animais de laboratório em nome dos militares chineses desde pelo menos 2017, de acordo com a ficha técnica.


Eva Fu contribuiu para este relatório.


Cathy He é uma repórter de Nova York focada em tópicos relacionados à China. Ela trabalhou anteriormente como advogada do governo na Austrália. Ela se juntou ao Epoch Times em fevereiro de 2018.


PUBLICAÇÃO ORIGINAL >

https://www.theepochtimes.com/wuhan-lab-was-genetically-manipulating-deadly-nipah-virus-expert-testifies-at-senate-hearing_4641384.html


Em Breve: "O EIXO DO MAL LATINO AMERICANO E A NOVA ORDEM MUNDIAL" em livro IMPRESSO.

Uma versão completa e atualizada!

21 views0 comments