Líderes do G-7 assumirão a diplomacia da armadilha da dívida de Pequim

- THE EPOCH TIMES - JUNE 13, 2021 - Emel Akan - Tradução César Tonheiro -

Charge postada na imprensa oficial da China, Xinhua News, ridicularizando a nova iniciativa do G7, chamada Build Back Better World ou B3W.

Líderes das sete nações mais ricas do mundo concordaram em 13 de junho em combater a influência crescente de Pequim nos países em desenvolvimento por meio de seu polêmico programa de desenvolvimento, o Belt and Road Initiative, que deixou muitos países pobres com pesadas dívidas.


As economias avançadas prometeram fornecer uma “alternativa democrática” ao ambicioso programa da China para lidar com a lacuna de infraestrutura nos países pobres, que foi exacerbada pela pandemia.


Após uma cúpula de três dias no condado Cornualha, Inglaterra, os líderes do Grupo dos Sete ( G-7 ) emitiram um comunicado que reconheceu "as necessidades significativas de infraestrutura em países de baixa e média renda".


“Refletindo nossos valores e visão compartilhados, buscaremos uma mudança radical em nossa abordagem para o financiamento de infraestrutura, principalmente em infraestrutura e investimento de qualidade, para fortalecer as parcerias com os países em desenvolvimento e ajudar a atender às suas necessidades de infraestrutura”, afirma o comunicado.


A nova iniciativa, chamada Build Back Better World, ou B3W, ajudará a financiar pontes, portos, estradas e outros projetos de infraestrutura em países em desenvolvimento. Ele aplicará “padrões transparentes, abertos, economicamente eficientes, justos e competitivos para empréstimos e aquisições”. Também mobilizará capital e experiência do setor privado.

O objetivo é ajudar a atender à necessidade de infraestrutura de mais de US $ 40 trilhões no mundo em desenvolvimento, de acordo com o presidente Joe Biden.


“A controvérsia está ocorrendo porque a China tem essa iniciativa Belt and Road, e achamos que há uma maneira muito mais justa de atender às necessidades dos países ao redor do mundo”, disse Biden em 13 de junho em uma coletiva de imprensa após o conclusão da reunião do grupo.


Desde seu lançamento em 2013, a Belt and Road Initiative (BRI, também conhecida como One Belt, One Road ) injetou bilhões de dólares em países emergentes para ajudar a construir grandes projetos de infraestrutura. A iniciativa, entretanto, foi apontada como “armadilha da dívida”, aumentando o risco de crise econômica nos países mutuários devido a níveis de empréstimos insustentáveis e contratos obscuros.


A iniciativa do G-7 “será boa para o mundo inteiro e representará valores que nossas democracias representam, e não uma tirania de valores”, disse Biden.


Os líderes do G-7 concordaram em formar um comitê que trabalhará nos detalhes da iniciativa de infraestrutura global, disse Biden.


O plano é financiar projetos de desenvolvimento em quatro áreas principais clima, saúde, tecnologia digital e igualdade de gênero.


Os países do G-7 também reiteraram os apelos para apoiar as nações mais pobres à medida que continuam a enfrentar crises de dívidas significativas. Esses países enfrentam desigualdades em termos de acesso aos mercados de crédito e apresentam déficits fiscais crescentes.


Desde o início da pandemia, tanto o Banco Mundial quanto o Fundo Monetário Internacional (FMI) têm instado as 20 economias mais ricas do mundo (G-20), incluindo a China, a fornecerem suspensão temporária do pagamento do serviço da dívida aos países mais pobres do mundo para evitar uma crise da dívida.


Os países de baixa renda precisarão de cerca de US $ 200 bilhões para combater a pandemia e US $ 250 bilhões em investimentos nos próximos quatro anos, de acordo com o comunicado da cúpula que citou as estimativas do FMI.


A China é o maior credor do mundo, respondendo por quase 65% da dívida bilateral oficial. Embora a China e outros países tenham concordado em fornecer alívio da dívida para países em dificuldades financeiras, as práticas obscuras de empréstimos de Pequim complicam esses esforços de alívio.


“Apoiamos práticas de crédito justas e abertas e conclamamos todos os credores a aderir a elas”, afirmou o comunicado.


A maioria dos projetos do BRI é financiada principalmente por uma ampla gama de governos locais chineses e instituições controladas pelo estado.


Um estudo liderado por AidData , um laboratório de pesquisa dos EUA no College of William and Mary, mostrou que os contratos de empréstimo da China com países emergentes têm cláusulas de sigilo incomuns, acordos de garantia e restrições de renegociação de dívidas.


Os pesquisadores analisaram os termos legais de 100 contratos de empréstimos chineses para 24 países em desenvolvimento, muitos dos quais participaram do BRI. Eles conduziram uma análise aprofundada ao longo de um período de 36 meses e descobriram que os contratos de empréstimos da China continham cláusulas de confidencialidade incomuns que impediam os países mutuários de divulgar os termos ou, às vezes, até a existência dos contratos de empréstimos.


O estudo também descobriu que os contratos continham cláusulas que colocavam os credores estatais chineses como credores seniores, cujos empréstimos deveriam ser pagos com prioridade. Os acordos informais de garantia colocam os credores chineses no topo da linha de reembolso.


Além disso, os credores chineses tiveram a liberdade de rescindir os empréstimos ou acelerar o pagamento se discordarem das políticas do país devedor.


A diplomacia da armadilha da dívida da China também permitiu que Pequim expandisse seus abusos aos direitos humanos. Há um aumento no assédio a dissidentes chineses no exterior. A China também tem usado sua influência econômica e política para silenciar as críticas nos países em desenvolvimento.


O BRI abrange 139 países, incluindo a China. Esses países respondem por 40% da economia global e 63% da população mundial, de acordo com o Conselho de Relações Exteriores.


PUBLICAÇÃO ORIGINAL: https://www.theepochtimes.com/g-7-leaders-to-take-on-beijings-debt-trap-diplomacy_3856990.html


Para acessar o Conteúdo acima, acesse a Home Page aqui. https://www.heitordepaola.online/


18 views0 comments