Joseph Bosco: Irã, jogo da China para distrair Trump do Indo-Pacífico

14/01/2020


- THE EPOCH TIMES -

Tradução César Tonheiro




Joseph Bosco: Irã, jogo da China para distrair Trump do Indo-Pacífico

14 de janeiro de 2020 por Penny Zhou


Depois que os Estados Unidos mataram o líder militar iraniano Soleimani, a resposta da China, outro participante importante no Oriente Médio, ficou bastante abafada. O regime chinês pediu "diálogo, não escalada". Mas um especialista diz que a pegada da China no Oriente Médio não é tão inocente quanto seu sentimento.


O especialista em China e ex-funcionário do Departamento de Defesa, Joseph Bosco, disse que a China quer usar o Irã para distrair o presidente Trump de se concentrar em suas estratégias indo-pacíficas e de enfrentar a ameaça do regime chinês.


Ele disse que o apoio da China pode ser um grande fator nas recentes provocações do Irã.

"Quanto mais crises os Estados Unidos tiverem de enfrentar em outras partes do mundo, melhor será para o interesse estratégico da China como se pode observar", disse à NTD o ex-diretor do Gabinete do Secretário de Defesa da China.


O regime chinês mantém estreitas relações comerciais e diplomáticas com o Irã. Também foi encontrado minando as sanções dos Estados Unidos ao Irã.


Dias antes do assassinato de Soleimani, China, Rússia e Irã organizaram um exercício militar conjunto. É a primeira vez que o Irã ingressa em um exercício militar dessa dimensão desde a Revolução Islâmica de 1979.


Em 31 de dezembro de 2019, o ministro das Relações Exteriores do Irã, Mohammad Javad Zarif, visitou Pequim para se encontrar com seu colega chinês Wang Yi pela quarta vez em um ano.


Em setembro, os Estados Unidos  impuseram sanções a várias entidades e indivíduos chineses pela transferência de petróleo do Irã.


Em 2018, os Estados Unidos acusaram o CFO da gigante chinesa de tecnologia Huawei, Meng Wanzhou, por supostamente negociar com o Irã.


As importações de defesa do Irã vêm principalmente da Rússia e da China.


“Eles (o regime chinês) querem apresentar a imagem de uma parte interessada responsável, [um] ator internacional que ameniza os conflitos em vez de provocá-los”, disse Bosco. “Mas nos bastidores, eles realmente estão causando problemas em muitos lugares.”

"Eles querem ter influência política lá", disse o secretário de Estado Mike Pompeo, nesse mote China no Oriente Médio.


“Não visamos nenhum mal para eles se eles estão tentando ter um envolvimento econômico. Queremos que a economia chinesa seja bem-sucedida”, disse Pompeo durante seu discurso na segunda-feira na Universidade de Stanford, “mas tenho sido bastante claro sobre os riscos que surgem quando não há um acordo direto e transparente com os chineses”.


O Oriente Médio pode aprender com seus antecessores em termos de aceitação de dinheiro chinês.


Pompeo disse que países do sudeste da Ásia e da África agora reconhecem que algumas de suas transações com o regime chinês provaram ser "armadilhas da dívida", que "colocam esses países na escravidão política do partido comunista chinês".


“Eles não previram isso. Eles não querem isso. E agora eles estão buscando para os Estados Unidos para ajudar a descobrir um caminho de volta”, disse ele.


Pompeo disse que os países do Oriente Médio estão em uma dinâmica diferente, já que são países ricos que não precisam de dinheiro chinês. Mas os Estados Unidos estão se certificando de que estão cientes dos riscos.


Depois do 11 de setembro, os Estados Unidos mudaram seu foco de manter Pequim sob controle para reprimir o terrorismo no Oriente Médio. Alguns especialistas argumentaram que a China se tornou o beneficiário de fato da tragédia. Desde 2001, o regime comunista chinês tem visto amplo crescimento e expansão.



De NTD Notícias

https://www.theepochtimes.com/expert-iran-chinas-game-to-distract-trump-from-the-indo-pacific_3203195.html

© Todos os Direitos Reservados - heitordepaola.online

  • Facebook
  • Twitter
  • YouTube