Investimento chinês em terras agrícolas dos EUA provoca reação

- THE EPOCH TIMES - Greg Isaacson - TRADUÇÃO CÉSAR TONHEIRO - 9 JUN, 2022 -

Uma bandeira americana tremula na janela na beira de uma fazenda nos arredores de Walsh, Colorado, em 6 de dezembro de 2021. (John Fredricks/The Epoch Times)

O envolvimento da China no setor agrícola dos EUA está sob maior escrutínio, com os políticos soando o alarme sobre os riscos econômicos e de segurança nacional decorrentes das compras chinesas de terras agrícolas americanas valorizadas.


CLIQUE AQUI E CONHEÇA OS LIVROS DE MINHA AUTORIA >>>

https://www.heitordepaola.online/meuslivros


No final do mês passado, o deputado Dan Newhouse (R-Wash.) apresentou uma legislação que proibiria a compra de terras agrícolas, incluindo fazendas, nos Estados Unidos por estrangeiros filiados ao regime chinês.


“Se começarmos a ceder a responsabilidade de nossa cadeia de suprimentos de alimentos a uma nação estrangeira adversária, podemos ser forçados a exportar alimentos cultivados dentro de nossas próprias fronteiras e destinados ao nosso próprio uso”, observou Newhouse em um comunicado à imprensa.


CLIQUE AQUI E CONHEÇA OS LIVROS DE MINHA AUTORIA >>>

https://www.heitordepaola.online/meuslivros


O projeto de lei, que também impediria entidades ligadas ao governo chinês de participar de praticamente todos os programas do Departamento de Agricultura dos EUA (USDA), segue a campanha de Newhouse para impedir que o Partido Comunista Chinês (PCC) ganhe uma posição na cadeia de suprimentos de alimentos dos Estados Unidos.


Em junho do ano passado, o deputado apresentou um projeto de lei que impediria a compra de terras agrícolas americanas por empresas chinesas. A proposta de Newhouse, uma emenda ao projeto de lei de financiamento fiscal de 2022 para o Departamento de Agricultura dos EUA, acabou sendo descartada no comitê da conferência, de acordo com um relato da Agri-Pulse.

O deputado Dan Newhouse (R-Wash.) questiona Matt Albence, então diretor interino da Immigration and Customs Enforcement, durante uma audiência no Rayburn House Office Building em Capitol Hill, em Washington, em 25 de julho de 2019. (Chip Somodevilla/ Getty Images)

Seis estados já têm leis que proíbem a propriedade estrangeira de terras agrícolas, incluindo Havaí, Iowa, Minnesota, Mississipi, Dakota do Norte e Oklahoma. Mas, como aponta Newhouse, os investidores chineses podem contornar essas restrições comprando empresas americanas que possuem terras agrícolas.


CLIQUE AQUI E CONHEÇA OS LIVROS DE MINHA AUTORIA >>>

https://www.heitordepaola.online/meuslivros


Outros esforços para restringir o investimento chinês em terras agrícolas americanas incluem um projeto de lei apresentado pelo deputado Chip Roy (R-Texas) destinado a proibir qualquer membro do PCC de comprar terras públicas ou privadas nos Estados Unidos. Em um comunicado, Roy afirmou que a China está adquirindo terras e infraestrutura estratégica em todo o mundo em uma “busca pela dominação global”.


Apresentado em junho de 2021, o projeto de lei tem poucas chances de ser aprovado por um Congresso controlado pelos democratas, segundo o escritor conservador Daniel Horowitz. Enquanto isso, no Arizona, a legisladora estadual republicana Wendy Rogers apresentou um projeto de lei em fevereiro passado proibindo a aquisição de propriedade de imóveis por membros do PCC no estado do Grand Canyon.


Um relatório recente publicado pela Comissão de Revisão Econômica e de Segurança EUA-China (USCC), uma agência federal, lança luz sobre os problemas que o envolvimento irrestrito chinês na agricultura dos EUA pode representar. Eles vão desde roubo de propriedade intelectual e danos ambientais até potenciais ameaças militares.


Por exemplo, a processadora de carne chinesa Shuanghui International Holdings comprou o maior produtor de carne suína dos EUA, Smithfield Foods, em 2013. Por meio desse acordo histórico, a Shuanghui (agora WH Group) ganhou 146.000 acres de terras nos EUA espalhadas por mais de seis estados, hospedando ativos da Smithfield de fazendas de suínos em plantas de processamento.


CLIQUE AQUI E CONHEÇA OS LIVROS DE MINHA AUTORIA >>>

https://www.heitordepaola.online/meuslivros


A aquisição foi uma vitória clara para Pequim, permitindo que a China se beneficiasse da reputação e do histórico de segurança alimentar da Smithfield, dando-lhe acesso à valiosa tecnologia da empresa e ajudando a China a diversificar sua cadeia de suprimentos agrícolas e aumentar os rendimentos de seus rebanhos. A Smithfield forneceu grandes quantidades de carne suína aos consumidores chineses, pois a peste suína africana devastou as fazendas domésticas de suínos da China e os bloqueios do COVID-19 interromperam a produção.


Para os Estados Unidos, os benefícios do investimento da China são menos diretos. A criação de suínos afeta o meio ambiente e as comunidades vizinhas, o que presumivelmente é uma das razões pelas quais a China preferiria manter suas fazendas de suínos no exterior.


Smithfield é o terceiro maior poluidor de água entre os frigoríficos dos EUA, de acordo com um documento da Comissão Federal de Comércio da Food & Water Watch. Em 2019, a empresa e suas fazendas industriais contratadas receberam pelo menos 66 autos de infração às leis de proteção ambiental, um aumento em relação aos anos anteriores.


A propriedade da Smithfield também dá a uma empresa chinesa e, por extensão, ao PCC, mais influência sobre as cadeias de suprimentos dos EUA. Após a compra da Smithfield, o WH Group comprou várias instalações de processamento, fazendas, elevadores de grãos e outros ativos nos EUA que permitiram à empresa eliminar muitos fornecedores e prestadores de serviços americanos.

Alguns dos produtos da Smithfield Foods são exibidos em uma coletiva de imprensa sobre o IPO do WH Group em Hong Kong em 14 de abril de 2014. (Bobby Yip/Reuters)

“Como visto no caso Smithfield, grandes agronegócios têm recursos para otimizar suas linhas de produção comprando elos ou empresas ao longo da cadeia”, observa o relatório do USCC. “Isso pode criar distorções econômicas no mercado agrícola dos EUA, caso a China tenha mais influência sobre os fornecedores dos EUA, resultando em um mercado mais fechado ou transações comerciais entre empresas.”


CLIQUE AQUI E CONHEÇA OS LIVROS DE MINHA AUTORIA >>>

https://www.heitordepaola.online/meuslivros


O relatório também destaca um problema mais básico com as aquisições de terras chinesas – sua falta de transparência. Ninguém sabe realmente quanta terra dos EUA pertence a entidades ligadas ao PCC. Oficialmente, os investidores chineses possuem 352.140 acres de terra nos Estados Unidos, ou pouco menos de 1% de toda a área de propriedade estrangeira, de acordo com um relatório da Agência de Serviços Agrícolas do USDA. Os investidores estrangeiros detinham 2,7% das terras agrícolas de propriedade privada nos Estados Unidos a partir de 2019, segundo o USDA.


Mas, como aponta o relatório da comissão, as informações sobre propriedade e uso de terras americanas são obscuras e incompletas. Os requisitos federais de relatórios não são muito rigorosos, as empresas chinesas podem contorná-los sem muita dificuldade, e o governo não possui mecanismos de fiscalização em casos de ausência de relatórios ou relatórios falsos.


Uma reviravolta intrigante é a enorme quantidade de terras de propriedade chinesa que são classificadas como “outras terras”, em oposição a terras agrícolas ou pastagens. Outras terras têm usos não classificados, como áreas úmidas, pantanosas e rochosas. Em 2013, ano da aquisição da Smithfield, 78% dos 192.928 acres de terras dos EUA pertencentes a investidores chineses eram outras terras.


As implicações de segurança nacional do PCC controlando grandes áreas de terras americanas também atraíram uma preocupação crescente. Em novembro passado, o Fufeng Group da China comprou 370 acres de terra em Grand Forks, Dakota do Norte, como local para uma enorme nova planta de moagem de milho. A instalação ficará a cerca de 12 milhas da Base Aérea de Grand Forks, provocando especulações de que poderia ser usada para monitoramento ativo e passivo do local militar sensível.


O projeto atraiu controvérsia em Grand Forks e atualmente está passando por revisão legal de terceiros para determinar se ele se qualifica para revisão pelo Comitê de Investimento Estrangeiro nos Estados Unidos, um painel federal que examina acordos estrangeiros quanto a riscos de segurança nacional.


“As missões críticas que nossos militares executam na Base Aérea de Grand Forks devem ser protegidas”, disse o senador Kevin Cramer (RN.D.) em comunicado ao Grand Forks Herald no início deste ano. Ele acrescentou que os empregos e os benefícios econômicos da fábrica devem ser pesados contra “as preocupações de longo prazo da China se infiltrarem em nossas cadeias de suprimentos alimentares”.


Greg Isaacson passou 7 anos na China e na Tailândia pesquisando e relatando negócios e imóveis na Ásia, com foco em imóveis comerciais em mercados de língua chinesa, bem como investimentos de saída da China. Ele também trabalhou como analista de pesquisa imobiliária em Chicago e repórter imobiliário em Nova York.


PUBLICAÇÃO ORIGINAL >

https://www.theepochtimes.com/chinese-investment-in-us-farmland-prompts-pushback_4520654.html


CLIQUE AQUI E CONHEÇA OS LIVROS DE MINHA AUTORIA >>>

https://www.heitordepaola.online/meuslivros


23 views0 comments