Investigadores da OMS atrelados ao regime chinês

- THE EPOCH TIMES - 1 Mar, 2021 -

FRANK FANG - TRADUÇÃO CÉSAR TONHEIRO -


Os membros da equipe da OMS, Peter Daszak (D) e Marion Koopmans (E) estão acompanhados por Peter Ben Embarek (C) quando eles deixaram seu hotel em Wuhan, uma cidade na província de Hubei, no centro da China, em 10 de fevereiro de 2021. (Hector Retamal / AFP via Getty Images)

Os críticos internacionais estão questionando a imparcialidade de uma equipe da Organização Mundial da Saúde (OMS) que recentemente conduziu uma missão de investigação em Wuhan para investigar as origens do vírus PCC.

A equipe era formada por 17 especialistas chineses e 17 especialistas estrangeiros de 10 países. Eles começaram seu trabalho na cidade de Wuhan, no centro da China - o epicentro do surto de vírus do PCC (Partido Comunista Chinês) - no final de janeiro, antes de apresentar suas descobertas preliminares em uma entrevista coletiva virtual em 9 de fevereiro.


No entanto, a composição da equipe da OMS está sob escrutínio. Em particular, alguns especialistas têm relações com o regime chinês, levantando questões de conflito de interesses.


Leung Man-to, professor de ciência política da Universidade Nacional Cheng Kung de Taiwan, disse ao Epoch Times que a independência das descobertas ficou comprometida pelo fato de que especialistas estrangeiros escolhidos pela OMS precisavam ser aprovados primeiro por Pequim.


Em outubro do ano passado, Mike Ryan, diretor executivo do Programa de Emergências de Saúde da OMS, disse durante uma reunião que “uma lista de candidatos foi submetida às autoridades chinesas para consideração e para os próximos passos a fim de implantar essa equipe”.

Dado que os especialistas foram examinados por Pequim, Leung disse que era improvável que suas descobertas se desviassem da narrativa do PCC sobre as origens do vírus.

“Simplificando, podemos inferir razoavelmente que as conclusões das descobertas foram escritas há muito tempo e [Pequim] simplesmente precisava de pessoas [especialistas estrangeiros] para dar seu apoio”, disse Leung.


Ele acrescentou que a independência das descobertas ficou ainda mais comprometida pelo fato de especialistas chineses fazerem parte da equipe.


Os especialistas, que estiveram na China por quatro semanas, duas das quais em quarentena, dependiam das autoridades chinesas para fazer a investigação, de acordo com o conselheiro da OMS Jamie Metzl. O regime chinês também se recusou a fornecer dados brutos sobre os primeiros casos de COVID-19 ao órgão de saúde, de acordo com um membro da equipe da OMS.


A OMS ainda não divulgou seu relatório final sobre suas descobertas em Wuhan. No entanto, Peter Ben Embarek, que liderou a equipe, disse em 9 de fevereiro que a possibilidade de o vírus vazar do Instituto de Virologia de Wuhan era "extremamente improvável". Dias depois, o chefe da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, pareceu voltar atrás nessa declaração, dizendo que “todas as hipóteses permanecem abertas e requerem mais estudos”.


Laços com o PCC


Pelo menos dois dos especialistas estrangeiros da equipe - Peter Daszak e Marion Koopmans - têm laços com o regime chinês. Koopmans é um virologista holandês, enquanto Daszak tem dupla nacionalidade EUA-Reino Unido que dirige a EcoHealth Alliance, uma organização sem fins lucrativos com sede em Nova York que trabalha na prevenção de pandemias.


Em setembro de 2018, Daszak disse que a EcoHealth recebia dinheiro do PCC, enquanto participava de uma conferência patrocinada pela emissora estatal chinesa CGTN, braço internacional da emissora estatal chinesa CCTV.

“Nossa organização tem trabalhado na China em colaboração com cientistas chineses no governo da China por mais de 15 anos, apoiada por financiamento federal dos EUA e financiamento federal da China”, disse Daszak.


A EcoHealth também “canalizou dinheiro do Instituto Nacional de Saúde [dos EUA] para o Instituto de Virologia de Wuhan, de acordo com um artigo de janeiro da New York Magazine. O instituto, um dos principais laboratórios de pesquisa de vírus da China, está no centro das especulações de que pode ter sido a fonte da pandemia por meio de um vazamento acidental do laboratório. Os pesquisadores do laboratório realizaram uma extensa pesquisa sobre coronavírus de morcego.


Um informativo divulgado pelo Departamento de Estado dos EUA no final de janeiro afirmou que "tinha motivos para acreditar" que vários pesquisadores do instituto adoeceram com sintomas consistentes com COVID-19 e doenças sazonais comuns no outono de 2019. Um pesquisador sênior do instituto disse anteriormente em julho de 2020 que havia “infecção zero” entre a equipe do laboratório e os alunos.


A nota também dizia que o laboratório estava envolvido em experimentos secretos com animais para os militares chineses desde 2017. Também estava conduzindo pesquisas de "ganho de função" sobre vírus - o que envolve a criação de vírus artificiais com recursos novos ou aprimorados, de acordo com o informativo .


Pequim refutou repetidamente as sugestões de que o vírus vazou do instituto. Em 18 de janeiro, a porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Hua Chungying, durante um briefing diário, acusou o informativo de estar "cheio de teoria da conspiração e mentiras".


Daszak assumiu a posição da China sobre a teoria do vazamento de laboratório no início do ano passado, numa época em que o laboratório de Wuhan estava sob intenso escrutínio como sendo a fonte do vírus. Em fevereiro de 2020, Daszak estava entre um grupo de 27 cientistas de saúde pública que emitiu uma declaração conjunta condenando "fortemente" as "teorias da conspiração que sugerem que a COVID-19 não tem uma origem natural". O grupo disse que o coronavírus “se originou na vida selvagem” após analisar seus genomas.


A declaração do Lancet foi organizada por Daszak, e seu porta-voz disse ao Wall Street Journal em janeiro que foi preparada como “uma demonstração de apoio” aos cientistas chineses, que na época estavam supostamente recebendo ameaças de morte.


Em setembro passado, Daszak apareceu em um documentário da CCTV sobre a luta da China contra a pandemia. Ele elogiou as primeiras respostas da China ao surto, dizendo que foi "sem precedentes e é incrivelmente eficiente".


Antes da pandemia, Daszak também elogiou o principal projeto de política externa da China, o Belt and Road Initiative (BRI). De acordo com um artigo de 2018 no site do Centro para Controle e Prevenção de Doenças da China, Daszak elogiou os esforços do regime para trabalhar com outros países sob o BRI para combater doenças infecciosas emergentes, dizendo que isso “beneficiaria o mundo”.


Pequim lançou o BRI em 2013 em um esforço para expandir sua influência global e construir redes comerciais centradas em Pequim, financiando projetos de infraestrutura em todo o Sudeste Asiático, África, Europa e América Latina.


Koopmans também tem laços com o PCCh, como evidenciado por sua página de biografia no Centro provincial de Controle e Prevenção de Doenças na província de Guangdong, sul da China. A página da biografia afirma que ela foi contratada em 2008 para trabalhar como consultora científica do centro.


Ela também elogiou as respostas do regime chinês ao surto. De acordo com um artigo de fevereiro de 2020 do jornal People's Daily oficial do PCCh, o virologista holandês elogiou Pequim pela rapidez com que foi capaz de construir um hospital de campanha em Wuhan para tratar pacientes.


Daszak e Koopmans não responderam aos pedidos de comentários.


Preocupações


Alguns membros da comunidade de saúde dos Estados Unidos expressaram preocupação com os aparentes conflitos de interesse na equipe da OMS.


“Dr. Daszak tem um claro conflito de interesses que deveria tê-lo desqualificado de participar da equipe da OMS”, afirmou Michael Weinstein, presidente da AIDS Healthcare Foundation, com sede em Los Angeles, de acordo com um comunicado de 10 de fevereiro.


Ele acrescentou: “Agora, quaisquer conclusões da investigação serão contaminadas por mais um fragmento de incerteza.


“Lamentavelmente, a única maneira plausível de sair dessa situação é recomeçar - desmantelar a equipe da OMS e renomear um órgão neutro e apolítico e reconstituí-la. Para garantir o mais alto grau de independência, todos os membros da nova equipe devem ter a proteção total da imunidade diplomática.”


Leung disse ao Epoch Times que se o ex-presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, ganhasse sua candidatura à reeleição, seu governo rejeitaria as conclusões da OMS ou seria um crítico mais contundente do órgão do que o governo Biden.


Em 9 de fevereiro, o porta-voz do Departamento de Estado, Ned Price, disse que "o júri ainda não decidiu" sobre se Pequim deu total transparência à equipe da OMS. Dias depois, o conselheiro de Segurança Nacional da Casa Branca, Jake Sullivan, emitiu um comunicado questionando o processo pelo qual a equipe chegou às suas conclusões. Ele também pediu ao regime que divulgue seus dados desde os primeiros dias do surto.


Daszak criticou o ceticismo da Casa Branca quanto à transparência da China durante a investigação da OMS, dizendo em um tweet de 9 de fevereiro que o presidente Joe Biden “tem que olhar duro para a China”. Ele acrescentou: “Por favor, não confie muito na inteligência dos EUA: cada vez mais desvinculado de Trump e francamente errado em muitos aspectos”.


Vários ex-funcionários de Trump censuraram a equipe da OMS e suas conclusões.


O ex-secretário de Estado Mike Pompeo em 9 de fevereiro disse a Fox que havia "evidências significativas" de que o vírus se originou do laboratório de Wuhan, apesar das declarações da OMS. Um dia depois, o ex-diretor da Inteligência Nacional John Ratcliffe criticou as conclusões da OMS como "hipócritas".


Em 21 de fevereiro, Matt Pottinger, o ex-vice-conselheiro de segurança nacional, disse à CBS que a equipe da OMS estava "profundamente em conflito".


“É feito de pessoas que se beneficiaram de financiamento público para trabalhar no próprio laboratório onde essa coisa pode ter realmente se originado do Instituto de Virologia de Wuhan”, disse Pottinger.


Ele concluiu: “Não é um exercício crível que vimos empreendido para chegar às raízes de onde essa coisa se originou.”


ORIGINAL:

https://www.theepochtimes.com/who-probe-under-scrutiny-over-investigators-ties-to-chinese-regime_3715315.html

10 views0 comments