Investidores perdem confiança na China

- THE EPOCH TIMES - Antonio Graceffo - TRADUÇÃO CÉSAR TONHEIRO - 29 JUN, 2022 -

A entrada fechada de uma área residencial é retratada durante o bloqueio do COVID-19 em Xangai, China, em 5 de maio de 2022. (Aly Song/Reuters)

O risco de investimento na China está aumentando devido à ameaça contínua de bloqueios do COVID-19, possíveis sanções pelo apoio de Pequim à Rússia e ao governo militar birmanês, bem como danos de longo prazo causados à economia chinesa pelas campanhas de Xi Jinping para reprimir o setores de tecnologia, educação e propriedade.


Clique aqui e conheça quem está por trás de tudo que acontece de ruim no Ocidente

>>> https://www.heitordepaola.online/rumoaogovernomundial


Pesquisas de confiança dos investidores revelam que os Estados Unidos são considerados o destino mais seguro do mundo para o investimento estrangeiro direto (IED). A China foi o quarto maior receptor de IDE em 2020, mas agora caiu para o 10º lugar em termos de confiança dos investidores.


Além disso, os aumentos das taxas do Federal Reserve tornaram os Estados Unidos um destino cada vez mais atraente para investimentos. Isso provavelmente aumentará as saídas de capital da China, reduzindo o valor do yuan.


Em seu ranking anual, o Eurasia Group identificou a China como um grande risco para a economia global em 2022. O Eurasia Group descobriu que muitas das políticas de Xi, particularmente “zero-COVID”, estagnarão o país.


Ironicamente, as interrupções na cadeia de suprimentos causadas pela China serão sentidas em todos os lugares, inclusive na China; no entanto, o resto do mundo está procurando maneiras de contornar a cadeia de suprimentos da China, enquanto o país continuará atolado nela.


A China atraiu um grande investimento em 2020 e 2021, quando o resto do mundo ainda estava confinado e dependente da China para produtos manufaturados. No entanto, 2022 está vendo uma inversão de papéis à medida que o resto do mundo está voltando ao trabalho, enquanto a China continua a interromper sua economia com sua política de “COVID-zero”.


Isso resultou em uma tendência de desviar os pedidos da fábrica da China, e isso provavelmente continuará. Legisladores dos Estados Unidos, Japão, União Europeia, Austrália e outros grandes mercados têm citado cada vez mais a dependência excessiva da China como uma ameaça à segurança nacional. Eles têm procurado maneiras de reorientar a fabricação ou diversificar as cadeias de suprimentos por meio de nações mais amigáveis, principalmente do Sudeste Asiático, Índia e Taiwan.


A perda de manufatura estrangeira diminuirá as perspectivas de crescimento da China e enfraquecerá ainda mais o yuan. O anúncio do Banco Popular da China para reduzir os compulsórios acelerou a queda do valor do yuan, que caiu 6% em relação ao dólar entre meados de abril e meados de maio.


Em maio, os investidores estrangeiros reduziram suas participações em títulos chineses em US$ 16 bilhões , com um total de US$ 61 bilhões sendo vendidos desde fevereiro. É improvável que novos investimentos em dívida soberana da China aconteçam em breve, já que os rendimentos dos títulos chineses continuam caindo. Ao mesmo tempo, os rendimentos dos títulos dos EUA estão subindo.


A China está enfrentando um grande problema de dívida. A dívida nacional atingiu 73% do PIB e a dívida total foi superior a 250% do PIB em 2021.


Os especialistas não estão apenas evitando a dívida do governo central, mas também a dívida no nível do governo local, que está entrando na zona vermelha.

Arthur Lau, chefe de renda fixa Ásia ex-Japão da PineBridge Investments, foi citado no The Wall Street Journal em 15 de junho, dizendo que sentia que não era o momento de aumentar os investimentos da empresa em títulos do governo local da China .


Os governos locais recebem uma cota de emissão de títulos de “projeto especial”, que está se esgotando rapidamente. Os governos provinciais e municipais geralmente ganham dinheiro com a venda de terrenos, mas o setor imobiliário permanece estável este ano.


Com o aumento da dívida e a entrada de menos receita, a segunda metade do ano pode apresentar à China um “abismo fiscal”. O governo central não terá escolha a não ser continuar financiando a dívida dos governos locais, aumentando a já impressionante dívida pública da China.


Os ambientes políticos dos Estados Unidos e da China estão aumentando ainda mais o risco de investir em ações e títulos chineses, empresas chinesas e até mesmo estabelecer joint ventures na China.

Um trader trabalha no pregão da Bolsa de Valores de Nova York em 19 de maio de 2022. (Seth Wenig/AP Photo)

Xi vem reprimindo a tecnologia e a capacidade de empresas estrangeiras de listar nas bolsas dos EUA. O Alibaba foi submetido a uma multa antitruste de US$ 2,8 bilhões na China. Baidu e JD também foram multados, enquanto a Tencent foi submetida a uma investigação por Pequim. Quanto à listagem no exterior, de acordo com a legislação proposta, as empresas chinesas serão obrigadas a se registrar junto às autoridades chinesas antes de lançar uma oferta pública inicial (sigla em inglês IPO) no exterior.


Clique aqui e conheça quem está por trás de tudo que acontece de ruim no Ocidente

>>> https://www.heitordepaola.online/rumoaogovernomundial


O PCC acusou o Didi, o aplicativo chinês de carona (plágio do Uber), de violar várias leis de valores mobiliários e ameaçou banir a empresa das lojas de aplicativos chinesas. Como resultado, o IPO do Didi em Nova York foi um desastre, com os preços das ações caindo. Em dezembro de 2021, o Didi anunciou sua decisão de deslistagem.


Como o PCC tem como alvo o setor de tecnologia chinês, os Estados Unidos estão endurecendo suas regras, tornando mais difícil para as empresas chinesas serem listadas na América. As empresas chinesas agora terão que atender aos mesmos requisitos de auditoria que as empresas de outros países. Além disso, eles terão que divulgar se estão ou não filiados ao governo ou a entidades governamentais.


Como resultado das mudanças nas regulamentações nos dois lados do oceano, menos empresas chinesas de tecnologia e menos empresas chinesas em geral estão procurando listar nas bolsas dos EUA. Em fevereiro deste ano, a Meihua International Medical Technologies se tornou o primeiro IPO chinês nos Estados Unidos desde julho de 2021.


Enquanto isso, os setores imobiliário e bancário da China também estão sob crescente escrutínio. Os promotores imobiliários Evergrande e Kaisa Group estão à beira da inadimplência. Muitos analistas acreditam que eles são apenas a ponta do iceberg. As corretoras online Futu Holdings e UP Fintech Holding tornaram-se objeto de escrutínio do governo, o que pode sinalizar mais restrições no setor financeiro.


As ondulações causadas por restrições ou inadimplência nesses setores serão sentidas em toda a economia chinesa.


As opiniões expressas neste artigo são as opiniões do autor e não refletem necessariamente as opiniões do Epoch Times.


Antonio Graceffo, Ph.D., passou mais de 20 anos na Ásia. Ele é graduado pela Universidade de Esportes de Xangai e possui MBA China pela Universidade Jiaotong de Xangai. Graceffo trabalha como professor de economia e analista econômico da China, escrevendo para vários meios de comunicação internacionais. Alguns de seus livros sobre a China incluem "Beyond the Belt and Road: China's Global Economic Expansion" e "A Short Course on the Chinese Economy".


PUBLICAÇÃO ORIGINAL >

https://www.theepochtimes.com/investors-lose-confidence-in-china_4560289.html


Clique aqui e conheça quem está por trás de tudo que acontece de ruim no Ocidente

>>> https://www.heitordepaola.online/rumoaogovernomundial


18 views0 comments