Instituto Confúcio nos EUA

- THE EPCH TIMES - Sep 10, 2020 -

Cathy He - Tradução César Tonheiro



O regime chinês se infiltrou na educação de ensino fundamental e médio nos EUA por meio de profunda colaboração com o College Board: relatório

10 de setembro de 2020 por Cathy He


College Board tem uma parceria estreita com o Partido Comunista Chinês (PCC) por mais de uma década, permitindo que Pequim influencie o ensino da língua e da cultura chinesa em salas de aula K-12 nos Estados Unidos, de acordo com um novo relatório da National Association of Scholars (NAS).


relatório divulgado em 6 de setembro descobriu que o College Board, uma organização sem fins lucrativos com sede em Nova York mais conhecida por administrar os exames padronizados SAT e AP para admissão em faculdades, trabalhou com o PCC para desenvolver um curso AP (Advanced Placement) de língua e cultura chinesa para o ensino médio, ajudou a China a obter controle sobre o treinamento para o ensino da língua chinesa no país e promoveu fortemente os Institutos Confúcio e as salas de aula Confúcio financiados por Pequim.


Tidos como programas de cultura e língua chinesa, os Institutos e salas de aula de Confúcio têm recebido fortes críticas sobre seu papel na divulgação da propaganda chinesa e na supressão da liberdade de expressão nos campi universitários e nas salas de aula do ensino fundamental e médio.


“A China conseguiu construir um sistema educacional inteiro antes que o público percebesse o que aconteceu”, disse a autora do relatório e pesquisadora sênior da NAS, Rachelle Peterson, no lançamento online do relatório   apresentado pelo programa “American Thought Leaders” do Epoch Times.


“Ele cooptou um nome respeitado de prestígio, o College Board, ganhando um acesso que nunca poderia ter obtido por trabalhar dentro de organizações que os americanos conheciam e confiavam”, acrescentou Peterson.


As descobertas surgem em meio a um escrutínio intensificado sobre os esforços do PCC em influenciar as universidades americanas, bem como sua campanha agressiva para roubar pesquisa e tecnologia dos EUA.


De acordo com o relatório, em 2003, o College Board trabalhou com Pequim para formular o curso AP de língua chinesa, com o governo chinês cobrindo metade dos $ 1,37 milhão de custos de desenvolvimento. Em troca, o regime foi capaz de influenciar o que foi ensinado no curso do ensino médio e pressionar pela instrução em caracteres chineses simplificados, disse Peterson. Depois que o PCCh assumiu o poder na China, ele impôs o chinês simplificado na década de 1950 como parte de uma tentativa de erradicar a cultura tradicional incorporada na escrita chinesa tradicional. A escrita tradicional chinesa ainda é usada em Taiwan e Hong Kong.


“Como resultado, os estudantes americanos de chinês seriam incapazes de ler a literatura mais antiga e tradicional que [o presidente do Partido] Mao [Zedong] tentou suplantar”, disse Peterson.


O College Board também ajudou o PCC a treinar instrutores americanos que ensinavam chinês, fazendo parceria com ele para sediar a Conferência Nacional da Língua Chinesa, o maior encontro anual de educadores de língua chinesa no país. O principal patrocinador da conferência, organizada pelo College Board, é Hanban, um escritório do ministério da educação da China que supervisiona os Institutos Confúcio em todo o mundo.


Peterson descreveu esta parceria como "talvez um dos investimentos mais eficazes do governo chinês na educação americana" e "monopolizou efetivamente o mercado de ensino da língua chinesa no ensino fundamental e médio nos Estados Unidos".


Na conferência de 2014, o CEO do College Board, David Coleman, se referiu a Hanban como “o sol”, cuja luz o College Board, “a lua”, ficou “tão honrado em refletir”, disse o relatório.

O Conselho também colabora com o Hanban em seu “Programa de Professores Convidados da China”, que cria “um fluxo de professores chineses selecionados pelo governo para as escolas americanas K – 12”, disse Peterson. O programa de professores visitantes trouxe mais de 1.650 professores chineses aos Estados Unidos desde 2006.


Além disso, o Conselho patrocinou 20 institutos e salas de aula Confúcio. Em 2019, havia mais de 500 salas de aula Confúcio nas escolas de ensino fundamental e médio, de acordo com um relatório da subcomissão do Senado dos EUA (pdf) . Existem atualmente cerca de 67 Institutos Confúcio em universidades americanas, de acordo com as estimativas da NAS.

O Departamento de Estado dos EUA em agosto  designou o  Instituto Confúcio US Center, uma organização com sede em DC que promove os Institutos e Salas de Aula Confúcio, uma missão diplomática, dizendo que fazia parte da "influência global e aparato de propaganda" do PCCh. O Secretário de Estado, Mike Pompeo, recentemente expressou esperança de que todos os Institutos Confúcio possam ser fechados até o final deste ano.


A campanha de influência do regime chinês envolve “a oferta de enormes somas de dinheiro” às instituições educacionais dos EUA, disse Peterson.


“O College Board, faculdades e universidades, outras instituições, acharam incrivelmente conveniente ser cooptadas pelo governo chinês porque estão sendo bem remuneradas”, disse ela.


O College Board não respondeu a um pedido de comentários.


O NAS instou o Congresso a exigir que o Conselho corte os laços com o PCC como condição para receber financiamento federal. O Conselho recebeu US $ 116 milhões em financiamento federal desde 2008, disse o relatório.


O relatório também convocou o fechamento das salas de aula Confúcio e a substituição do Teste AP de Língua e Cultura Chinesa e da Conferência Nacional da Língua Chinesa. O NAS recomendou que os departamentos de educação e defesa convocassem um grupo de trabalho para preparar um teste alternativo de língua e cultura chinesa.


Os dois departamentos não responderam especificamente a um pedido de comentários sobre essas recomendações.


ARTIGO ORIGINAL:

https://www.theepochtimes.com/chinese-regime-infiltrated-us-k-12-education-through-deep-collaboration-with-college-board-report_3495407.html

© Todos os Direitos Reservados - heitordepaola.online

  • Facebook
  • Twitter
  • YouTube