iFake

14/11/2019



- THE EPOCH TIMES -

Tradução César Tonheiro





QUATORZE ACUSADOS DE ESQUEMA FRAUDULENTO DE COMERCIALIZAR DISPOSITIVOS APPLE FALSIFICADOS FABRICADOS NA CHINA POR VERDADEIROS


14 de novembro de 2019 POR FRANK FANG , EPOCH TIMES


Um esquema elaborado para enganar a gigante americana da tecnologia Apple a trocar iPhones e iPads autênticos por falsos foi descoberto, depois que uma recente acusação federal contra catorze indivíduos foi fechada.


O esquema foi administrado por uma organização criminosa internacional liderada por três líderes que eram irmãos de sobrenome Liao-Zhiwei, 31; Zhimin, 33; e Zhiting, 30, de acordo com um comunicado de imprensa de 13 de novembro do Departamento de Justiça dos EUA. Os três são cidadãos norte-americanos naturalizados nascidos na China.


Os três importaram mais de 10.000 iPhones e iPads falsificados da China, danificaram-nos intencionalmente e tiveram co-conspiradores trocando-os nas lojas da Apple em mais de 40 estados nos Estados Unidos e no Canadá, de acordo com o indiciamento.


Para tornar possível a fraude, os supostos acusados obtiveram iPhones e iPads falsos com conectividade celular que possuíam um número IMEI (International Mobile Equipment Identify) e um número de série. Esses números correspondiam ao IMEI e ao número de série de iPhones e iPads genuínos que foram comprados e usados por pessoas e cujos produtos foram cobertos por uma garantia da Apple nos Estados Unidos ou no Canadá.


A Apple fornece uma garantia de um ano para novos dispositivos, nos quais os clientes podem devolver um dispositivo com defeito e receber uma substituição.


Não se sabe como os réus conseguiram colocar em mãos os números de série e IMEI autênticos. O esquema deles começou em 2014, de acordo com a acusação.


Os dispositivos Apple trocados autênticos foram então enviados de volta para a China e outros países estrangeiros para serem vendidos com um prêmio. De acordo com a acusação, Xiaomin Zhong, 33 anos, cidadão chinês residente na China, transferiu US $ 48.148 de uma conta na China para a conta Bank of America de Zhiwei em 18 de dezembro de 2014.


A Apple estimou que a perda total associada às trocas ultrapassou US $ 6,1 milhões, de acordo com o indiciamento.


O FBI (Federal Bureau of Investigation) prendeu 11 dos 14 réus nos Estados Unidos, incluindo os três irmãos Liao. Os agentes também apreenderam cerca de US $ 250.000 em dinheiro e mais de 90 iPhones, inclusive de empresas, residências e veículos dos réus, cuja autenticidade ainda não foi determinada.


Outros réus incluíam dois vietnamitas, um cidadão americano naturalizado e o outro residente permanente; um cidadão dos EUA chamado Danny Tran Chan; e um cidadão americano naturalizado chamado Dmitri Pigarov, nascido na Rússia.


Havia três fugitivos: Xiaomin Zhong, que se acredita estar na China; Charley Hsu, 39, cidadão chinês; e Hyo Weon Yang, 31, cidadão norte-americano naturalizado nascido na Coréia do Sul e que se acredita estar em São Francisco.


Em janeiro de 2015, Zhiting enviou uma mensagem de texto para Chan, pedindo que ele fizesse 120 contas de e-mail com nomes masculinos e femininos. Os e-mails deveriam ser usados para marcar consultas nas lojas da Apple para trocar os produtos falsificados.


Em julho de 2015, Hyo enviou uma mensagem de texto do Kansas para Charley com uma lista de "boas" lojas da Apple e uma lista de lojas a serem evitadas, por tentar trocar iPhones falsificados.


Em novembro de 2015, Charley enviou uma mensagem de texto a outro acusado, dizendo que havia trocado com sucesso 85 iPhones falsos, enquanto seis iPhones falsificados foram rejeitados. Não se sabe o motivo da rejeição.


"A fabricação de produtos falsificados — e seu uso para defraudar as empresas americanas — busca minar fundamentalmente o mercado e prejudicar pessoas inocentes cujas identidades foram roubadas na promoção dessas atividades", disse o advogado dos EUA Robert Brewer no comunicado à imprensa.


Todos os réus enfrentam várias acusações, incluindo conspiração para cometer fraude eletrônica e correio, conspiração para traficar mercadorias falsificadas, conspiração para lavagem de dinheiro e roubo de identidade agravado. Todos — exceto o roubo de identidade agravado, que tem uma pena máxima de dois anos de prisão — têm uma pena máxima de 20 anos de prisão.



https://www.theepochtimes.com/fourteen-indicted-in-fraudulent-scheme-to-trade-made-in-china-fake-apple-devices-for-real-ones_3146644.html

© Todos os Direitos Reservados - heitordepaola.online

  • Facebook
  • Twitter
  • YouTube