IED global caiu 42% em 2020, para uma estimativa de US $ 859 bilhões

- THE EPOCH TIMES - Jan 25, 2021 -

Emel Akan - TRADUÇÃO CÉSAR TONHEIRO -


Funcionários embalam máscaras cirúrgicas em uma fábrica perto de Changodar, a cerca de 20 km de Ahmedabad, Índia, em 8 de novembro de 2020. (SAM PANTHAKY / AFP via Getty Images)

O investimento estrangeiro direto global entra em colapso em 2020

25.01.201 por Emel Akan

WASHINGTON — Os fluxos de investimento estrangeiro direto em todo o mundo despencaram no ano passado devido à pandemia, que causou graves perturbações econômicas e forçou as empresas a interromper ou atrasar as decisões de investimento. Dados das Nações Unidas mostraram que os países desenvolvidos, incluindo os Estados Unidos, viram o maior declínio nos fluxos de investimento.



O investimento estrangeiro direto ( IED ) global caiu 42% em 2020, para uma estimativa de US $ 859 bilhões, o nível mais baixo desde os anos 1990, de acordo com um novo relatório da Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento (UNCTAD).

O fluxo total de investimentos no ano passado foi mais de 30% abaixo da linha visto após a crise financeira global de 2008-2009.


Os países desenvolvidos foram responsáveis por quase 80% do declínio, com os fluxos de fundos despencando 69%. Os fluxos de IED para os Estados Unidos caíram pela metade no ano passado, devido a quedas acentuadas tanto no investimento greenfield (onde uma organização constrói suas operações do zero) quanto nas fusões e aquisições internacionais (M&A).


Os investimentos caíram drasticamente ou secaram em muitos países europeus, incluindo Reino Unido, Itália, Alemanha e França.


O FDI global deverá permanecer fraco em 2021, de acordo com o relatório da UNCTAD.

“Os efeitos da pandemia sobre os investimentos vão perdurar”, afirmou James Zhan, diretor da divisão de investimentos da UNCTAD, em um comunicado à imprensa. “Os investidores devem permanecer cautelosos ao comprometer capital em novos ativos produtivos no exterior.”


Os dados mostraram que a China se tornou o maior receptor de IED com um aumento de 4% no ano passado, ultrapassando os Estados Unidos como o principal destino mundial de investimentos. A China atraiu mais de US $ 160 bilhões, seguida pelos Estados Unidos com US $ 134 bilhões.


Os fluxos de IED para a Índia aumentaram 13%, para US $ 57 bilhões, impulsionados por acordos de M&A nos setores de tecnologia, infraestrutura e energia.

Além da crise de saúde, as preocupações com a segurança nacional nos últimos anos levaram a regras mais rígidas sobre aquisições estrangeiras, reduzindo o IED em muitos países.


Os Estados Unidos aprimoraram seu processo de triagem de investimentos para enfrentar as ameaças à segurança nacional representadas por investimentos chineses em particular. A Lei de Modernização de Revisão de Risco de Investimento Estrangeiro (FIRRMA) foi aprovada pelo Congresso dos EUA com apoio bipartidário esmagador e foi sancionada pelo presidente Donald Trump em 2018. Esta é considerada uma das principais razões para a queda acentuada nos investimentos chineses durante os últimos anos.


Tanto os países desenvolvidos quanto os emergentes introduziram medidas para impulsionar os mecanismos de triagem de investimentos, em resposta ao aumento das preocupações com a segurança nacional. Os países querem garantir que tecnologias de ponta e know-how permaneçam em mãos nacionais, pois são essenciais para a competitividade de uma nação. Além disso, há também uma crescente repressão aos investimentos de empresas estatais estrangeiras ou fundos soberanos. Todas essas tendências devem reduzir o IED global nos próximos anos.


A recente crise de saúde também serviu como um alerta para governos em todo o mundo sobre a necessidade de autossuficiência. Muitos países voltaram sua atenção para criar cadeias de abastecimento resilientes em setores-chave, incluindo saúde, tecnologia, alimentos, energia e manufatura.


“Esse impulso para produzir mais bens em casa, usando empresas nacionais, só aumentará nos próximos cinco anos ao longo do grande abalo provocado pela pandemia”, de acordo com um relatório da consultoria de gestão Kearney.


A tendência de melhorar as capacidades domésticas, que começou com a administração Trump, provavelmente continuará sob a nova administração. O presidente Joe Biden assinou em 25 de janeiro a ordem executiva “Buy American” exigindo que o governo federal comprasse produtos americanos feitos para impulsionar a fabricação nacional.


LEIA MAIS:

https://www.theepochtimes.com/global-foreign-direct-investment-collapses-in-2020_3670951.html

7 views0 comments

© Todos os Direitos Reservados - heitordepaola.online

  • Facebook
  • Twitter
  • YouTube