Hora de chamar a China comunista do que sempre foi: uma nação desonesta

- THE EPOCH TIMES - Stu Cvrk - TRADUÇÃO CÉSAR TONHEIRO - COMENTÁRIO HEITOR DE PAOLA - 8 AGO, 2022 -

Um policial monta guarda antes da sessão de encerramento da Conferência Consultiva Política do Povo Chinês no Grande Salão do Povo em Pequim, China, em 10 de março de 2022. (Kevin Frayer/Getty Images)

Em Breve: "O EIXO DO MAL LATINO AMERICANO E A NOVA ORDEM MUNDIAL" em livro IMPRESSO.

Uma versão completa e atualizada!


COMENTÁRIO AO ARTIGO - HEITOR DE PAOLA: Sorry, mas a hora já passou há muito tempo. Aliás, não por ser comunista, mas os chineses da etnia Han (92% na China, 18% no mundo) são conhecidos há séculos como comerciantes desonestos - e altamente racistas. TaiPan, de James Clavell, história romanceada da fundação de Hong Kong, e a continuação, Casa Nobre, mostram muito bem as tramas dos Han. Juntou a fome com a vontade de comer, pois o comunismo é intrinsecamente uma ideologia mentirosa. Já desde o início Marx falsificou estatísticas para comprovar sua "tese" de que os commoners Britânicos saíram perdendo com a Revolução Industrial (ver em Capitalism and the Historians, editado por F A Hayek).


Deng Xiaoping representa o ápice da desonestidade, mas explorou muito bem a desonestidade ocidental, que fingiu acreditar que a China tinha mudado, para se locupletar. Obra de Kissinger e Nixon embalados pelas grandes empresas Americanas e Europeias que acreditaram que iam retornar ao início do século, quando dominavam uma dinastia corrupta.


Mas convenhamos que o que o Ocidente, principalmente a Inglaterra, tratou os Chineses como animais. Primeiro, com a introdução do ópio que amorteceu o país. Depois, junto com Americanos, Alemães, Italianos, Japoneses, etc. tomaram conta de tal modo que foi cunhada a frase "negócio da China". Chegaram ao cúmulo de colocar cartazes na entrada da Cidade Proibida em Beijing com os dizeres: "proibida a entrada de cães e chineses".


Quando o resto do mundo aprenderá?


Com sua bem orquestrada intimidação de Taiwan em resposta à breve visita da presidente da Câmara dos EUA Nancy Pelosi à Taipei em 2 de agosto, os comunistas chineses mais uma vez retiraram suas máscaras para todo o mundo ver.


Em Breve: "O EIXO DO MAL LATINO AMERICANO E A NOVA ORDEM MUNDIAL" em livro IMPRESSO.

Uma versão completa e atualizada!


Sob a liderança de Xi Jinping, que regularmente pontifica sobre a China “liderar o mundo” nisso, naquilo ou noutro – bem como a inevitabilidade da dominação chinesa em todas as esferas dos empreendimentos humanos – a belicosidade do Partido Comunista Chinês (PCC), a beligerância e a agitação parecem crescer dia a dia.


Cinquenta anos de apaziguamento e engajamento econômico com a China Vermelha condicionaram os Estados Unidos e a mídia mundial, e muitos políticos “pró-PCC” a subestimar e desculpar as várias crises instigadas pelo PCC. Quando o resto do mundo aprenderá que as promessas de Pequim são inúteis – e que os benefícios prometidos para o mundo de apaziguar a China comunista são completamente efêmeros e de fato perigosos?


Aqui está um exemplo da era da aquisição de Hong Kong – apenas dois anos atrás! – dos apaziguadores do The New York Times: “Hong Kong é a China, gostem ou não.” Não importa que Pequim tenha violado suas próprias promessas do tratado ao encerrar unilateralmente o status legal separado de Hong Kong e a estrutura “um país, dois sistemas” e impor a lei de segurança nacional draconiana dos comunistas à ex-colônia britânica. Essa promessa comunista era inútil.


Depois, houve este artigo sobre as relações China-Tibete da Associated Press em 2021: “A China oferece um vislumbre da vida tibetana sem o Dalai Lama”. O próprio título é um insulto a muitos tibetanos que seguem de perto e tentam viver suas vidas de acordo com os ensinamentos do exilado Dalai Lama.


O artigo da AP divulga essa propaganda comunista exibida com destaque em Lhasa, “a nova ideologia socialista de Xi Jinping com características chinesas é o guia para todo o partido e todas as nacionalidades lutarem pelo grande rejuvenescimento da China”, enquanto essencialmente transmite a linha do PCC de que o Tibete efetivamente foi “sinicizado” ostensivamente para o benefício de todos os tibetanos.

Membros budistas tibetanos da Associação de Mulheres Tibetanas seguram cartazes enquanto participam de uma marcha silenciosa em 29 de abril de 2019. Tibetanos que vivem no exílio nas áreas do nordeste da Índia, como Sikkim, Darjeeling e Kalimpong, organizaram uma marcha pacífica em abril por ocasião da celebração do 30º aniversário do 11º Panchen Lama – que desapareceu sob custódia chinesa em 1995 aos seis anos de idade após ser escolhido pelo Dalai Lama e não foi visto desde então. (Dipendu Dutta/AFP via Getty Images)

Não importa que o Tibete tenha sido um país separado por mais de 2.000 anos até que o Exército Popular de Libertação (PLA) invadiu e ocupou o leste do Tibete em 1951, forçando os tibetanos a assinar o “Acordo sobre Medidas para a Libertação Pacífica do Tibete”, de 17 pontos. Ou a subsequente prisão, espancamento, tortura e “reeducação” por décadas de tibetanos que se recusaram a se assimilar ao estado chinês sem Deus. Mas a AP conseguiu transmitir a perseguição contínua do PCC aos tibetanos como uma “coisa boa”.


Em Breve: "O EIXO DO MAL LATINO AMERICANO E A NOVA ORDEM MUNDIAL" em livro IMPRESSO.

Uma versão completa e atualizada!


Os uigures, o Falun Gong e outras minorias religiosas e étnicas na China tiveram suas próprias experiências terríveis nas mãos do PCC. Em contraste, apaziguadores estrangeiros de círculos políticos, corporações multinacionais, academia, mídia e outros ficaram ricos por meio de subornos e corrupção do PCC.

Que outro país civilizado trata suas minorias nativas tão duramente quanto os chineses comunistas tratam as suas próprias?


Que outro governo autodeclarado democrático (a “democracia de todo o povo” da China) persegue seus cidadãos por meio de prisões de longo prazo, tortura e internamento em campos de reeducação?


Que outro país culpado dessas horríveis violações dos direitos humanos é tratado com deferência e reverência além da China comunista?


Como os apaziguadores podem continuar a olhar para o outro lado? O que será necessário para admitir que o apaziguamento chinês foi um fracasso abjeto?


Apaziguamento em face da intimidação do PLA


Esses mesmos apaziguadores e defensores da “cooperação, competição e engajamento” com a China trabalharam arduamente em torno da viagem de Pelosi a Taiwan. Observe as mensagens soft-on-China:


A Bloomberg informou em 3 de agosto que os apaziguadores da China no governo Biden estão “pressionando senadores democratas para frear um projeto de lei que alteraria a política dos EUA em relação a Taiwan, inclusive designando-a como uma grande aliada não-OTAN”.

Um homem usa uma lupa para ler uma manchete de jornal relatando o Exército de Libertação do Povo Chinês (PLA) realizando exercícios militares em Pequim em 7 de agosto de 2022. (Andy Wong/AP Photo)

Justamente quando uma demonstração de força e dissuasão era necessária em resposta à beligerância militar chinesa, o governo Biden decidiu em 4 de agosto adiar um teste de mísseis balísticos intercontinentais Minuteman-III, ostensivamente para “diminuir as tensões com a China comunista”. conforme relatado aqui.


Em Breve: "O EIXO DO MAL LATINO AMERICANO E A NOVA ORDEM MUNDIAL" em livro IMPRESSO.

Uma versão completa e atualizada!


Um artigo da Bloomberg em 5 de agosto afirmou que “Pequim pode continuar a aumentar sua resposta”. Que país civilizado responde a uma visita de menos de um dia de um político de carreira com exercícios militares coordenados em larga escala, como fez a China?


Um artigo da Reuters em 7 de agosto afirmou que “navios de guerra chineses e taiwaneses brincaram de gato e rato em alto mar”. É assim que a Reuters descreveu a intimidação sem precedentes da Marinha PLA/PLA de Taiwan que continuou em seu quinto dia.


E o conselho editorial do The New York Times opinou em 6 de agosto com um artigo intitulado “O relacionamento dos EUA com a China não precisa ser tão tenso”. A situação é “tensa” porque os comunistas assim o fizeram. Agora não é hora de mostrar fraqueza diante da beligerância do PLA (assumindo que o governo Biden acredita em dissuadir o PCC). Em vez disso, o editorial defende um retorno às políticas fracassadas de “cooperação, competição e engajamento” que levaram ao acúmulo militar do PLA que tornou possível a intimidação de Taiwan!


Estado desonesto


O governo de 10 anos de Xi Jinping foi marcado por uma crescente belicosidade e beligerância nas interações diplomáticas, militares e econômicas da China comunista com o resto do mundo. A Iniciativa do Cinturão e Rota (Sigla em inglês BRI) de Xi cria armadilhas da dívida para os países em desenvolvimento que aceitam os presentes/empréstimos dos comunistas. O PLA intimida regularmente os países vizinhos, incluindo Japão, Filipinas, Austrália, Vietnã e Coréia do Sul. E os “lobos guerreiros” do corpo diplomático de Pequim rotineiramente emitem ameaças a países-alvo, especialmente aos Estados Unidos, Japão, Austrália e Reino Unido.

Alguns dos 220 navios chineses são vistos atracados em Whitsun Reef, Mar do Sul da China, em 7 de março de 2021. (Guarda Costeira das Filipinas/Força-Tarefa Nacional-Mar das Filipinas Ocidental via AP)

O PCC desenvolveu um manual para a guerra híbrida para alcançar seus objetivos de domínio regional e global estabelecidos por Xi. Vários aspectos da cartilha estão sendo implementados contra os Estados Unidos, Japão, Austrália, Índia, Filipinas e, claro, Taiwan.


Em Breve: "O EIXO DO MAL LATINO AMERICANO E A NOVA ORDEM MUNDIAL" em livro IMPRESSO.

Uma versão completa e atualizada!


Esse manual [comunista] inclui essas ações: definição do resultado desejado/meta/objetivo e propagar essa meta por meio de mídia estatal; minar convenções e normas internacionais; subverter e explorar instituições internacionais para alinhá-las com as políticas do PCC; usar a guerra psicológica/de informação para atingir todos os objetivos; ignorar tratados e compromissos anteriores; explorar a nova lei de segurança nacional dos comunistas; intimidar outros (através do corpo diplomático, da guarda costeira chinesa, da marinha e dos sobrevôos da força aérea, etc.); alavancar apaziguadores/mãos da China para criar uma câmara de eco; denunciar veementemente todas as tentativas de derrotar e deter as políticas do PCC.


Que outro país civilizado faz ameaças contra nações vizinhas e outras como as seguintes?


Em maio de 2021, o Global Times, mídia estatal chinesa, ameaçou “ataques de longo alcance nas instalações militares e instalações-chave relevantes em solo australiano” se ajudar Taiwan em um conflito futuro.


Em julho de 2021, o Centro de Políticas de Segurança informou que “a China ameaçou 'atacar continuamente o Japão' se o Japão apoiar os EUA na proteção de Taiwan de uma invasão chinesa”.


Com impunidade, a China construiu e militarizou ilhas nos mares do Leste e do Sul da China reivindicados por outras nações.


Pequim se envolve regularmente em golpes de sabre em áreas contestadas ao longo da fronteira Índia-China e tem se intrometido na Caxemira.


De acordo com o The Australian, Hu Xijin, ex-editor do jornal estatal Global Times, instou o PLA a “derrubá-la [Nancy Pelosi]”. Hu atiçou as chamas do nacionalismo comunista chinês durante anos no Global Times e é um porta-voz confiável para o regime de Pequim, sem dúvida expressando os sentimentos de muitos comunistas.

Hu Xijin, ex-editor-chefe do Tabloid Global Times, estatal chinesa, fala sobre uma guerra China-Taiwan, em Pequim, China, em 25 de setembro de 2020. (Captura de tela/canal de Hu Xijin no YouTube)

Um dia antes de Pelosi visitar Taiwan, o Global Times anunciou que sua visita “não seria tolerada”. Não é a ação de uma agência de mídia administrada pelo governo em um país civilizado.


Em Breve: "O EIXO DO MAL LATINO AMERICANO E A NOVA ORDEM MUNDIAL" em livro IMPRESSO.

Uma versão completa e atualizada!


No dia da visita de Pelosi, o Global Times enfatizou que o PLA “não ficará de braços cruzados”. Essa foi uma ameaça militar direta contra os Estados Unidos e outros países comprometidos com a defesa de Taiwan.


De acordo com o Taiwan News, “o embaixador da China na França Lu Shaye (盧沙野) na quarta-feira (3 de agosto) afirmou que Pequim imporia a reeducação depois de anexar Taiwan”. Os comunistas aparentemente têm planos de manter seus campos de reeducação uigures e tibetanos funcionando com “outras tarefas”.


O Wall Street Journal informou que “aeronaves e navios chineses cruzaram a marca intermediária do Estreito de Taiwan” na zona de identificação de defesa aérea de Taiwan (ADIZ) para realizar ataques simulados a Taiwan.


Estas são as ações de um país civilizado?


Em 6 de agosto, o ministro das Relações Exteriores da China (e “lobo guerreiro”) Wang Yi alertou os Estados Unidos “para não agir precipitadamente para evitar criar uma crise maior”.


Considerações Finais


O que define se um país é uma “nação pária”? Uma definição clássica de nação desonesta é “um estado que não respeita outros estados em suas ações internacionais”. A essa definição pode ser adicionado o seguinte:

  • Relutância em se conformar com o direito internacional.

  • Ações contrárias ao comportamento internacional geralmente aceito.

  • Ameaças militares contra nações vizinhas e outras.

  • Genocídio em curso contra grupos minoritários em seu próprio país.

  • Ameaças de lançar ataques nucleares a outro estado soberano.

Somente uma nação desonesta e que se recusa a se conformar ao consenso internacional e ao estado de direito faz ameaças como as descritas acima pelo PCC contra outras nações soberanas. Em suma, uma nação pária como a China deve retornar ao seu status anterior a 1972 como pária (indesejável).


Já passou da hora dos apaziguadores e “China Hands” que favoreceram o diálogo, a cooperação, a competição e o engajamento com a China comunista desde 1972 chamarem os bois pelos nomes e admitirem o erro de seus caminhos.


As opiniões expressas neste artigo são as opiniões do autor e não refletem necessariamente as opiniões do Epoch Times.


Stu Cvrk se aposentou como capitão depois de servir 30 anos na Marinha dos EUA em uma variedade de capacidades ativas e de reserva, com considerável experiência operacional no Oriente Médio e no Pacífico Ocidental. Por meio de educação e experiência como oceanógrafo e analista de sistemas, Cvrk é graduado pela Academia Naval dos EUA, onde recebeu uma educação liberal clássica que serve como base fundamental para seus comentários políticos.


PUBLICAÇÃO ORIGINAL >

https://www.theepochtimes.com/time-to-call-communist-china-what-it-has-always-been-a-rogue-nation_4649226.html


Em Breve: "O EIXO DO MAL LATINO AMERICANO E A NOVA ORDEM MUNDIAL" em livro IMPRESSO.

Uma versão completa e atualizada!

18 views0 comments