Guerra russo-ucraniana está acelerando o estouro da bolha econômica da China

- THE EPOCH TIMES - Winnie Han - TRADUÇÃO CÉSAR TONHEIRO - 13 MAR, 2022 -

A guerra russo-ucraniana não apenas prejudicará os dois países, mas também prejudicará gravemente a economia global. Em particular, o Partido Comunista Chinês (PCC), que tem laços estreitos com a Rússia e a Ucrânia, certamente sofrerá as consequências econômicas do conflito.


Cheng Xiaonong, um economista que vive nos Estados Unidos, disse ao Epoch Times que a bolha econômica da China está prestes a estourar, e a guerra russo-ucraniana só pode piorá-la.


A Rússia foi atingida por sanções econômicas abrangentes do Ocidente. Nas últimas semanas, a guerra e as sanções fizeram com que os mercados de ações globais despencassem. Os preços de energia, commodities, grãos, petróleo e alimentos continuaram a subir. As cadeias de suprimentos globais foram novamente afetadas e as pressões inflacionárias também foram exacerbadas.


Muito antes do início da guerra, devido a fatores como problemas imobiliários, a política “zero-COVID” do PCC e regulamentos mais rígidos, a economia da China seguiu uma tendência de queda. No terceiro trimestre do ano passado, o crescimento anual caiu para 4,9% e, no quarto trimestre, o crescimento anual caiu para 4%.


No início deste ano, Zhu Haibin, economista-chefe da China no JP Morgan, previu que a economia chinesa poderá crescer 4,9% em 2022, enquanto Lu Ting, economista-chefe da China na Nomura Securities, estimou que é mais apropriado definir esse crescimento taxa de cerca de 5%. Se a meta de crescimento for definida acima de 5%, como cerca de 5,5%, isso exigiria uma forte recuperação no início do ano, disse ele.

O primeiro-ministro chinês Li Keqiang fala da tribuna na sessão de abertura do Congresso Nacional do Povo no Grande Salão do Povo em Pequim, China, em 5 de março de 2022. (Kevin Frayer/Getty Images)

Embora a eclosão da guerra russo-ucraniana tenha agravado a situação, o primeiro-ministro chinês Li Keqiang anunciou recentemente que a meta de crescimento econômico da China para este ano é de cerca de 5,5%. Lian Weiliang, vice-diretor do PCC da Comissão Nacional de Desenvolvimento e Reforma, também disse em 7 de março que, embora o ambiente externo seja mais complicado e severo, os fundamentos da melhoria de longo prazo permanecem inalterados.


A esse respeito, Cheng apontou que o PCCh frequentemente exagera seu crescimento econômico para fins de propaganda, de modo que os números oficiais divulgados por Pequim não são críveis, e a afirmação de Lian de que os fundamentos da “melhoria” de longo prazo também são um clichê para manter a estabilidade.


“Na verdade, há sinais precoces de recessão na China, e a guerra russo-ucraniana vai piorar a situação”, disse Cheng.


Avril Haines, diretora da inteligência nacional dos EUA, afirmou na audiência anual do Comitê de Inteligência da Câmara em 8 de março que o PCC está enfrentando a menor taxa de crescimento econômico dos últimos 30 anos. Ela acredita que o líder chinês Xi Jinping deve se sentir inseguro com o que está vendo com as sanções e o isolamento impostos à Rússia desde que a guerra começou.


Guerra terá certo impacto na China


Cheng espera que o comércio entre a China e a Ucrânia caia acentuadamente, e a redução antecipada da produção e exportação de grãos ucranianos pode ter um certo impacto na China.


A China é o maior importador de milho, com cerca de 30% de suas importações provenientes da Ucrânia. Ao mesmo tempo, a Ucrânia também é a principal fonte de cevada da China. No ano passado, 54% das exportações de cevada da Ucrânia foram vendidas para a China, representando 28% das importações de cevada da China.


Por outro lado, Cheng observou que o PCC é altamente dependente da Ucrânia em termos de suprimentos militares, especialmente as turbinas a gás fornecidas pela Ucrânia são cruciais para os aviões e navios militares do PCC. Portanto, a longo prazo, a crise na Ucrânia terá um impacto considerável no PCC no aspecto de suprimentos militares.


Com relação à Rússia, Cheng espera que a China aumente as importações da Rússia e o comércio bilateral entre a Rússia e a China aumente significativamente. Isso ocorre porque a Rússia precisa da ajuda do PCC em meio a sanções sobre suas exportações de energia. Por um lado, precisa aproveitar o sistema financeiro do PCC para lidar com as despesas econômicas; e, por outro lado, precisa exportar mais petróleo bruto para a China.

O canteiro de obras da unidade petroquímica russa da planta ZapSibNefteKhim da Sibur, nos arredores de Tobolsk, em 4 de outubro de 2018. (Andrey Borodulin/AFP via Getty Images)

Ao mesmo tempo, o yuan chinês pode substituir o dólar como moeda de refúgio para o setor privado russo. Com reservas limitadas em dólares, o governo russo abriu outro canal ao permitir que os bancos abram contas em renminbi. Mas, com base na análise de Cheng, a economia da Rússia tem apenas um décimo do tamanho da China, então mesmo que o yuan se torne popular na Rússia, não ajudará muito a economia chinesa.


Ele acredita que, comparado com a crise interna da China, o impacto da guerra russo-ucraniana na economia chinesa não será muito grande, já que o problema da dívida das empresas chinesas é a verdadeira crise que o PCC enfrenta.


Bolha Econômica


Cheng acredita que, ao contrário das alegações dos funcionários do PCC, de que os fundamentos da economia chinesa são caracterizados por melhorias de longo prazo; na realidade, os fundamentos da economia como um todo são semelhantes a uma bolha prestes a estourar. A pandemia, assim como o ambiente internacional em mudança, são apenas fatores externos que apenas desempenham o papel de atiçar a chama.


“O fim da guerra russo-ucrânia não ajudará a China a sair de sua crise econômica”, disse ele. “A maior fraqueza do PCC agora é que não importa quão bonita seja sua propaganda – ostentando quão grande é sua economia – ele não tem solução para ajudar as empresas chinesas a pagar suas dívidas externas porque o câmbio da China está muito apertado”, acrescentou Cheng.


“Então o PCC tem procrastinado, esperando que haja um milagre. É claro que os bancos de investimento de Wall Street também esperam que haja um milagre porque não sabem explicar as razões por trás de seu fracasso quando os investidores sofrem perdas.”


Cheng também destacou que toda a economia chinesa há muito tempo começou a depender de um modelo baseado na especulação imobiliária para manter as operações bancárias, e com os empréstimos sendo dominados por empréstimos imobiliários.


Isso resultou em toda a economia sendo sustentada por bolhas imobiliárias. Estas são manifestações claras que prenunciam crises futuras. Desde o segundo semestre do ano passado, a bolha imobiliária estourou claramente, com o grupo Evergrande sendo o primeiro a sofrer o impacto.


Após o grupo Evergrande, incorporadoras imobiliárias como Fantasia e Kaisa enfrentaram crises de dívida uma após a outra, provocando uma série de inadimplências.Cheng prevê que Wall Street enfrentará desafios consideráveis no segundo semestre deste ano, e um grande número de empresas chinesas deixará de pagar suas dívidas. Até então, a realidade da força econômica geral da China e suas fraquezas serão gradualmente expostas.


“Na superfície, a inadimplência das dívidas corporativas chinesas não parece ter muito a ver com a economia chinesa, mas, na verdade, vai abalar seriamente a credibilidade internacional da China”, enfatizou.


Não pode suportar gastos militares


A China planeja aumentar os gastos com defesa em 7,1%, para 1,45 trilhão de yuans (US$ 230 bilhões), o maior incremento nos últimos três anos, de acordo com um projeto de relatório de orçamento do governo divulgado recentemente pelo Ministério das Finanças chinês. Em contraste, projeta-se que o gasto fiscal geral cresça apenas 3,9% ano a ano.


A esse respeito, Cheng disse que os números oficiais divulgados pelo PCC não são muito úteis, porque os gastos militares do Partido não são transparentes. Por exemplo, o custo dos porta-aviões chineses não está incluído no orçamento de defesa.


“Pode parecer para o mundo exterior afetado pela guerra russo-ucraniana que o PCC está aumentando seu orçamento de defesa, mas, de fato, quer o PCC queira se envolver em uma corrida armamentista ou invadir Taiwan pela força, é improvável que o Partido tenha capacidade financeira para continuar a apoiá-lo”, enfatizou Cheng.


“Atualmente, as finanças gerais do PCC estão se deteriorando seriamente. Das 31 províncias e municípios da China, apenas Xangai tem superávit financeiro, e o restante das províncias e municípios depende inteiramente do governo central para se sustentar.”


De acordo com a mídia estatal chinesa Securities Times, o banco central do PCC recentemente entregou mais de 1 trilhão de yuans (cerca de US $ 160 bilhões) ao Ministério das Finanças, como fundos de ajuda para “apoiar empresas em apuros… mercado macroeconômico.


“O Banco Central do PCC forneceu 1 trilhão de yuans ao Ministério das Finanças para manter as despesas deste ano, mas não pode fazer isso todos os anos, porque não é um banco comercial”, explicou Cheng.


“Uma quantia tão grande é o saldo de lucro que acumulou ao longo dos anos, e é um alívio de emergência único. Até certo ponto, isso indica que as finanças do PCC já estão extremamente apertadas”.


A repórter do Epoch Times, Joyce Liang, contribuiu para este relatório.


As opiniões expressas neste artigo são as opiniões do autor e não refletem necessariamente as opiniões do Epoch Times.

Winnie Han relata as notícias da China para o Epoch Times.


LEIA MAIS >


Acesse a minha HOME PAGE, para assistir meus vídeos e ler meus livros: https://www.heitordepaola.online/



18 views0 comments