Grupos conservadores lançam movimento para proteger as crianças da política de identidade de gênero

- THE EPOCH TIMES - 24 Fev, 2021 -

JANITA KAN - TRADUÇÃO CÉSAR TONHEIRO -


Sarah McBride, secretária de Imprensa Nacional da Human Rights Collation fala sobre a introdução da Lei da Igualdade, um projeto de lei abrangente contra a discriminação LGBTQ no Capitólio dos Estados Unidos em Washington, DC. em 1 de abril de 2019. (Tasos Katopodis / Getty Images)

Uma coalizão de grupos conservadores está pedindo aos pais e legisladores que se juntem a um movimento que busca tirar a identidade de gênero e a política de orientação sexual da educação de uma criança.



A iniciativa “Promise to America's Children” visa proteger as crianças e pais que desejam subscrever as visões tradicionais ou religiosas de gênero, sexualidade, aborto e vida de serem coagidos a cumprir as políticas governamentais que os penalizam por não o fazerem. Foi lançado pela The Heritage Foundation, Family Policy Alliance e Alliance Defending Freedom.

Ele vem enquanto os membros do Congresso pressionam pela aprovação da Lei da Igualdade, que visa proibir a "discriminação com base no sexo, identidade de gênero e orientação sexual, e para outros fins". O projeto foi apresentado novamente no Congresso em 18 de fevereiro, após não ser aprovado em 2019, quando o então líder da maioria no Senado, Mitch McConnell (R-Ky.) Se recusou a considerar a lei.


O presidente Joe Biden prometeu promulgar a Lei da Igualdade durante seus primeiros 100 dias como presidente. Também busca classificar “orientação sexual” e “identidade de gênero” como classes protegidas pela lei federal, ao mesmo tempo que expande proteções para indivíduos LGBTQ em espaços e serviços públicos.

A Heritage Foundation argumentou anteriormente que o projeto de lei provavelmente causaria danos aos empregadores e trabalhadores, ameaçando-os com penalidades se eles não estivessem em conformidade com as novas normas sexuais; profissionais médicos se eles se recusarem a pagar por essas terapias contra quaisquer objeções morais ou médicas; pais e filhos tentando normalizar as intervenções hormonais e cirúrgicas para crianças com disfunção de gênero e forçando a “educação” ideológica nas escolas; mulheres fechando instalações, serviços e esportes específicos para cada sexo; e organizações sem fins lucrativos e voluntários, forçando algumas organizações religiosas a se conformar com as normas sexuais ou fechar.


Tom Farr, presidente do Instituto de Liberdade Religiosa, disse anteriormente ao Epoch Times que acredita que, se a lei for aprovada, "criará uma causa de ação contra qualquer instituição que rejeite a ortodoxia moral imposta pelo governo, incluindo igrejas, hospitais, agências de adoção, ordens religiosas, escolas e outras organizações sem fins lucrativos.”


“Os dissidentes serão expulsos da vida pública com multas ruinosas e opróbrio social. A igualdade de livre exercício não será permitida como proteção contra os danos da Lei da Igualdade porque ela impede a Lei de Restauração da Liberdade Religiosa como uma defesa contra ações adversas com base em uma de suas disposições”, acrescentou.


Os grupos estão pedindo aos pais e legisladores que assinem uma promessa de 10 pontos para se opor à legislação que força as crianças a adotar normas sexuais prescritas pelo governo e para ajudar a desenvolver leis que “protejam a saúde, a segurança e as famílias das crianças”.


“Nosso mundo é perigoso para as crianças”, disse Autumn Leva, vice-presidente de estratégia da Family Policy Alliance, em um comunicado.


“Na mídia e na escola, as crianças são rotineiramente expostas a mensagens e imagens explícitas. Os meninos podem praticar esportes para meninas, destruindo as oportunidades e sonhos das meninas. Quando as crianças lutam para abraçar seu sexo biológico, são pressionadas a buscar hormônios do sexo cruzado perigosos e cirurgia esterilizante. E o Ato de Igualdade - que a Câmara dos Estados Unidos está prestes a votar nesta semana - usaria todo o poder do governo federal para consagrar essas práticas em todo o país. ”


Outros objetivos do compromisso incluem proteger as crianças da exposição à pornografia, conteúdo explícito e promoção do aborto e da ideologia de gênero na sala de aula; apoiar a capacidade das crianças de buscar aconselhamento que afirme seu sexo biológico; proteger crianças em áreas específicas para cada sexo, como chuveiros e vestiários; defendendo a oportunidade das meninas de competir em suas próprias divisões esportivas; e afirmação dos direitos dos pais, inclusive na escola.


Pelo menos duas dezenas de legisladores estaduais assinaram a promessa, segundo o site do movimento.


No primeiro dia de mandato de Biden, ele assinou uma ordem executiva buscando combater a discriminação com base na identidade de gênero e orientação sexual. O texto da ordem pressagia medidas que expandem o acesso de transgêneros em áreas como vestiários e esportes escolares, mas não menciona proteções com base na crença religiosa.

Sua ação lhe rendeu elogios de ativistas de direitos civis e grupos LGBTQ, mas foi condenado por defensores da liberdade religiosa e pela Conferência de Bispos Católicos dos Estados Unidos, que caracterizou a ordem executiva como uma “abordagem equivocada” para lidar com a discriminação.


A Casa Branca não respondeu imediatamente ao pedido de comentários do Epoch Times.


ARTIGO ORIGINAL:

https://www.theepochtimes.com/conservative-groups-launch-movement-to-protect-children-from-gender-identity-politics_3708720.html?utm_source=morningbrief&utm_medium=email&utm_campaign=mb-2021-02-25

36 views0 comments