Grupo de influência de Pequim busca parcerias depois de se unir a Bill Gates por anos

- THE EPOCH TIMES - Frank Fang - TRADUÇÃO CÉSAR TONHEIRO - 25 ABR, 2022 -

O fundador da Microsoft, Bill Gates (centro E) chega para participar de um fórum na primeira China International Import Expo (CIIE) em Xangai em 5 de novembro de 2018. (Matthew Knight/AFP via Getty Images)

Grupo de influência de Pequim busca parceria com autoridades agrícolas estaduais, depois de se unir a Bill Gates por anos


Vários funcionários do governo dos EUA participaram recentemente de um evento virtual de agricultura coorganizado por uma associação de influência apoiada por Pequim que tem ligações com Bill Gates.


CLIQUE AQUI E CONHEÇA OS MEUS LIVROS >

A United States Heartland China Association (USHCA), uma organização sem fins lucrativos 501(c)3 fundada em 2003, realizou a Mesa Redonda de Agricultura EUA-China 2022 on-line no início deste mês. O evento online foi coorganizado pela Associação do Povo Chinês para a Amizade com Países Estrangeiros (sigla em inglês CPAFFC).


A administração Trump alertou sobre a CPFFC. Em fevereiro de 2020, o então secretário de Estado Mike Pompeo chamou a associação de “o rosto público da agência oficial de influência estrangeira do Partido Comunista Chinês, o Departamento de Trabalho da Frente Unida”.


O Partido Comunista Chinês (PCC) usa o Departamento de Trabalho da Frente Unida (sigla em inglês UFWD) para executar suas operações de influência estrangeira. Nos Estados Unidos, o PCC também implantou grupos de “frente unida” de base como parte de seu esforço para se infiltrar nas instituições civis e políticas da América.


A CPAFFC está “encarregada de cooptar governos subnacionais” e “tem procurado influenciar direta e malignamente os líderes estaduais e locais para promover a agenda global da RPC [República Popular da China]”, alertou o Departamento de Estado dos EUA em outubro de 2020, ao designar outro grupo, uma organização chinesa com sede em Washington, como uma missão estrangeira.


A mesa redonda contou com vários funcionários estaduais dos EUA, incluindo o secretário de Agricultura de Oklahoma, Blayne Arthur, o secretário de agricultura do Kansas, Mike Beam, o diretor de agricultura do Missouri, Chris Chinn, o secretário de agricultura de Iowa, Mike Naig, e o deputado Darin LaHood (R-Ill.)


O evento da mesa redonda de 2022 foi inicialmente relatado pelo National Pulse. A mesa redonda inaugural foi realizada em abril de 2021.


A estatal Academia Chinesa de Ciências Sociais (CASS) foi uma das parceiras do evento. Vários funcionários e acadêmicos do CASS também participaram da mesa redonda, incluindo Wang Wei, diretor-geral do escritório de cooperação internacional da academia.

Bob Holden (D), que era então governador do Missouri, conversa com Bill Ford, na fábrica de montagem de Kansas City em Claycomo, Missouri, em 5 de agosto de 2004. (Dave Kaup/Getty Images)

Bob Holden, ex-governador democrata do Missouri e atual presidente e CEO da USHCA, disse durante a cerimônia de abertura da mesa redonda que a cooperação EUA-China era “essencial” para superar os desafios globais, incluindo “produzir alimentos nutritivos suficientes para alimentar a crescente população do planeta” e “prevenir futuras pandemias de doenças humanas, animais e vegetais”.


O evento online ocorre em um momento em que a China vem aumentando suas compras de terras agrícolas dos EUA na última década, gerando preocupações sobre a segurança nacional dos EUA.


Enquanto isso, Gates também tem sido um grande comprador de terras agrícolas nos Estados Unidos. A revista norte-americana Land Report declarou que Gates era o maior proprietário privado de terras agrícolas dos Estados Unidos em janeiro de 2021, dizendo que sua família havia acumulado cerca de 242.000 acres de terras agrícolas.


Bill Gates


O fundador da Microsoft, Bill Gates, trabalhou com a CPAFFC ao longo dos anos, em particular com a presidente anterior da associação, Li Xiaolin, que ocupou o cargo de setembro de 2011 a abril de 2020.


Li não é uma cidadã chinesa comum. Ela era uma ex-membro do órgão consultivo político do regime chinês, a Conferência Consultiva Política do Povo Chinês (CCPPC). Além disso, ela é filha do ex-líder do regime chinês Li Xiannian e seu marido é Liu Yazhou, um general aposentado da Força Aérea do Exército de Libertação do Povo Chinês.


Gates e Li se encontraram cara a cara durante a Cúpula Global de Vacinas de 2013 em Abu Dhabi, capital dos Emirados Árabes Unidos. De acordo com o site da CPAFFC, a Fundação Bill & Melinda Gates convidou Li para a cúpula, durante a qual ela participou de um painel falando sobre os esforços de imunização da China para eliminar a pólio.


Em agosto de 2013, a fundação anunciou que investiria US$ 5 milhões para “apoiar os pesquisadores chineses no projeto, desenvolvimento e produção do 'banheiro de última geração'”, como parte de seu “Desafio do banheiro reinventado” global. De acordo com a Universidade de Ciência e Tecnologia de Pequim, o evento de lançamento na China contou com a presença de Li, um representante da fundação na China, o secretário do partido da universidade e autoridades de saúde chinesas.


Gates visitou a sede da CPAFFC na China em junho de 2014, durante a qual fez um discurso intitulado “Inventar para os Pobres”. De acordo com um vídeo no site da CPAFFC, Gates elogiou o regime chinês e a associação em seu discurso.


“Aqui na China, é fantástico ver o investimento em engenharia e tecnologia médica, todo tipo de coisa que a China está assumindo um posicionamento muito, muito forte”, disse Gates.


Ele acrescentou: “Então, nossa esperança para a Friendship Association é que juntos possamos encontrar essas grandes ideias na China e que possamos encontrar os parceiros certos na África e em outros lugares, que possam pegar essas novas ferramentas e usá-las em nome do povo.”

O fundador da Microsoft, Bill Gates, fala durante a “exposição do banheiro reinventado” em Pequim, em 6 de novembro de 2018. (Nicolas Asfouri/AFP via Getty Images)

Mark Suzman, CEO da fundação, e Li participaram do Fórum Mundial de Filantropia realizado na Universidade Tsinghua da China em setembro de 2016. De acordo com a mídia estatal chinesa, Suzman aplaudiu a China por seu “potencial” em obras de filantropia e seu “papel único” no desenvolvimento da África.


Melinda French Gates, co-presidente da fundação, realizou uma reunião com Li na China em julho de 2017. De acordo com o site da CPAFFC, French Gates elogiou a CPAFFC por seus trabalhos filantrópicos. Ela também convidou Li para participar do End Malaria Council (EMC), que é uma iniciativa lançada em parte por Gates em 2017.


Li posteriormente participou de uma reunião da EMC realizada em Pequim em abril de 2019, de acordo com a CPFFC.


Gates e Li também tinham conexões por meio de outra agência da Frente Unida, a China-United States Exchange Foundation (CUSEF), com sede em Hong Kong, administrada pela CPAFFC. O CUSEF nomeia Li como vice-presidente em seu site e seu relatório de 2013 nomeia Gates como membro de seu comitê diretivo.


A CUSEF é chefiada pelo oficial do regime chinês Tung Chee-hwa, ex-líder de Hong Kong e atual vice-presidente da CCPPC.


CPFFC


A CPFFC foi fundada em 1954 e possui mais de 300 filiais locais em toda a China. Fora das fronteiras chinesas, existem filiais de nível regional, como a Associação de Amizade Chinesa-Árabe, bem como filiais de nível nacional, como a Associação de Amizade Popular China-EUA nos Estados Unidos.


O atual presidente da CPAFFC é Lin Songtian, que assumiu o cargo em abril de 2020. Antes disso, ele era embaixador da China na África do Sul desde 2017.


Quando Lin estava na África do Sul, Lin era um crítico ferrenho dos Estados Unidos no Twitter. Em março de 2020, ele amplificou uma teoria da conspiração infundada de que a pandemia do COVID-19 se originou das forças armadas dos EUA, quando retweetou um post agora notório de Zhao Lijian, porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China.


Em resposta às acusações de Zhao, o Departamento de Estado dos EUA convocou o então embaixador da China nos Estados Unidos Cui Tiankai.


Em junho de 2020, o senador Michael McCaul (R-Texas) divulgou um relatório provisório ( pdf ) sobre as origens do COVID-19. O relatório criticou o regime chinês, dizendo que a pandemia “poderia ter sido evitada” se as autoridades chinesas tivessem respondido aos surtos iniciais de “maneira transparente e responsável”.


Um mês depois, Lin escreveu em um tweet que o relatório provisório pretendia “deslocar as culpas e cobrir a delinquência da administração #Trump”.


Lin também foi ao Twitter repetidamente para defender as políticas do regime comunista visando minorias étnicas na região do extremo oeste de Xinjiang. Em um tweet em dezembro de 2019, ele disse que os “centros de educação e treinamento vocacional” da China, que autoridades ocidentais descreveram como “campos de concentração”, foram eficazes para acabar com o “extremismo” em Xinjiang.


A China usou o “combate ao extremismo” como pretexto para prender mais de 1 milhão de uigures em Xinjiang, enquanto os sujeitava a esterilização forçada, trabalho forçado e outros tratamentos desumanos. As administrações Trump e Biden determinaram que a China cometeu “genocídio” e “crimes contra a humanidade” contra os uigures.

Uma instalação que se acredita ser um chamado campo de reeducação, onde minorias étnicas principalmente muçulmanas são detidas, ao norte de Kashgar, na região chinesa de Xinjiang, em 2 de junho de 2019. (Greg Baker/AFP via Getty Images)

Na cerimônia de abertura da mesa redonda de abril, Lin disse que a China e os Estados Unidos devem trabalhar juntos porque os dois lados “se complementam”. Segundo Lin, os Estados Unidos têm a vantagem de ter tecnologia avançada, finanças e talento, enquanto a China possui um grande mercado e alta demanda doméstica.


O Epoch Times entrou em contato com a USHCA e a Fundação Bill & Melinda Gates para comentários.


As atividades de grupos de influência chinesa na Itália, incluindo o CPAFFC, foram o foco de um relatório de 2021 de pesquisadores do Sinopsis, um projeto da AcaMedia z.u., sem fins lucrativos, em colaboração com o Departamento de Sinologia da Universidade Charles, em Praga.


O relatório disse aos órgãos governamentais, políticos e partidos políticos para “evitar interações” com a CPFFC e outras agências de influência do PCC.


“As atividades dessas agências e suas frentes contornam normas que exigem a responsabilização das relações estado-estado, disfarçando as atividades do partido-estado por meio de 'pessoas a pessoas', 'culturais', 'não governamentais' ou outros rótulos”, afirmou o relatório.


“Os legisladores devem entender a natureza dos eventos de cooptação e propaganda para os quais são convidados como ferramentas de influência, em vez de parceiros de 'diálogo'”, acrescentou o relatório.


“Mesmo atendê-los para expressar opiniões críticas permite que o PCC apresente publicamente seus interlocutores como endossantes de suas plataformas e narrativas.”


Frank Fang é um jornalista baseado em Taiwan. Ele cobre notícias na China e em Taiwan. Ele possui mestrado em ciência dos materiais pela Universidade de Tsinghua, em Taiwan.


PUBLICAÇÃO ORIGINAL >

13 views0 comments