Gargalos de transporte em contêineres causados ​​pela China

- THE EPOCH TIMES - Antonio Graceffo - Tradução César Tonheiro - 17 OUT, 2021 -

Os contêineres de carga empilhados no porto de Yantian em Shenzhen, na província de Guangdong, no sul da China, em 21 de junho de 2021. (STR / AFP via Getty Images)

Os problemas da cadeia de abastecimento global, a escassez de produtos acabados e a inflação de preços nos Estados Unidos e em todo o mundo estão exacerbados por interrupções no transporte marítimo mercante.


Os portos chineses respondem por 40% do comércio mundial de contêineres, sendo as rotas mais populares da China para a costa oeste dos Estados Unidos e o norte da Europa. Em 7 de outubro, havia aproximadamente 386 navios cargueiros e porta-contêineres ancorados, parados, ociosos, perto de dois dos maiores portos da China - Xangai, o maior porto de contêineres do mundo, e Ningbo, o terceiro maior.


As interrupções nas cadeias de suprimentos nos Estados Unidos, bem como a escassez de produtos nas prateleiras do varejo e a inflação de preços sentida pelos consumidores norte-americanos, são agravadas pela incapacidade de obter produtos e insumos da China. O fluxo de mercadorias para fora da China está sendo impactado pelas restrições do COVID-19, cortes de energia, escassez de carvão, tufão Chanthu e atrasos nas fábricas e instalações de transporte.


O tempo de espera - a quantidade de tempo que um navio passa esperando no porto - aumentou dramaticamente nos portos da China, aumentando o tempo de espera para que os produtos cheguem ao destino final. Isso causa escassez de produtos, bem como atrasos para empresas e consumidores. Este é um golpe particularmente duro enquanto o mundo está simultaneamente se preparando para as compras de fim de ano e tentando se recuperar da economia pandêmica. Os atrasos nas fábricas e portos chineses estão causando interrupções em varejistas e portos nos Estados Unidos e na Europa.


Para colocar o tempo de permanência em perspectiva, pode custar de $ 25.000 a $ 85.000 para operar um navio de carga ou contêiner por um dia. Se um navio ficar parado por mais de duas semanas, o custo pode chegar a milhões. E essas despesas são repassadas aos consumidores. O aumento do tempo de permanência é um dos muitos motivos pelos quais o custo médio de envio de um contêiner da China para a Costa Leste dos EUA aumentou 500% no ano passado, chegando a US $ 20.000.


A incapacidade de entrar nos portos, descarregar ou pegar cargas deixou os navios esperando, deixando cerca de 100.000 marinheiros no mar. Os capitães chamam isso de “crise de mudança da tripulação”, já que as tripulações cansadas ficam obrigadas a trabalhar muito além de seus períodos de tempo contratados, sentindo falta de suas casas, famílias e terra firme. Os navios movimentam cerca de 90% do comércio mundial, e uma interrupção na rotação normal dos marinheiros está adicionando mais atrasos e custos ao transporte global.

Os contêineres de transporte aguardam para serem transferidos dos portos de Los Angeles e Long Beach em 14 de outubro de 2021. (John Fredricks / The Epoch Times)

Os navios só são lucrativos se estiverem operando em sua capacidade máxima. Para agravar o problema, a desaceleração da saída de mercadorias da China fez com que algumas empresas de navegação operassem menos navios ao longo dessas rotas.


O percentual de contêineres que perderam a data de embarque, denominado taxa de rollover, continua alto, indicando que os portos chineses não encontraram uma forma de desembaraçar o excesso de carga. Em setembro, as taxas de rolagem em Ningbo foram de 36% , enquanto em Hong Kong e Xangai, as taxas de rolagem foram de 40% e 37%, respectivamente. Em um determinado mês, Ningbo pode ter até 623 milhões de toneladas de carga. Isso significa que 224 milhões de toneladas de carga estão navegando com atraso.


Cada etapa da cadeia de abastecimento, a montante e a jusante, depende do transporte que ocorre nesse meio. Quando o transporte é atingido, as reverberações são sentidas em todos os lugares, das fábricas na China aos varejistas nos Estados Unidos.


Às vezes, cerca de 40 navios porta-contêineres acabaram ancorados nos portos de Los Angeles e Long Beach. As chegadas de navios dentro do prazo caíram para cerca de 40%. Isso causou armazéns lotados, capacidade excessiva de estradas e ferrovias e outros pesadelos logísticos nos Estados Unidos.


Walmart, Lululemon, Ikea e outros grandes varejistas fretam seus próprios navios porta-contêineres, enquanto alguns varejistas, como a Home Depot, estão mudando para aviões. Os terminais aéreos têm visto um aumento acentuado na carga. Alguns grandes aeroportos nos Estados Unidos, como Chicago, estão relatando atrasos de até duas semanas para que a carga seja reclamada.


Os atrasos nos embarques da China afetaram mais algumas indústrias dos EUA do que outras. Os fabricantes de automóveis relataram que tiveram que interromper a produção porque não conseguiram as peças. A escassez global de semicondutores também está reduzindo os volumes de produção nas fábricas de automóveis. O aço é um importante insumo para veículos e os preços do aço subiram, em parte devido ao aumento dos custos de transporte. Algumas montadoras estimam que essas e outras carências e aumentos de preços aumentaram o custo de fabricação do carro em cerca de 10%.


Os problemas com o transporte marítimo global estão impactando os negócios domésticos de muitas maneiras que não poderiam ser imaginadas antes. A Domino's Pizza informou que teve que atrasar a abertura de novas lojas porque o equipamento estava chegando tarde. Outros varejistas dos EUA estão relatando vendas perdidas como resultado da falta de mercadorias. A ferrovia Union Pacific na verdade suspendeu o serviço de carga da costa oeste para o hub de Chicago por sete dias para permitir que os caminhões liberassem cargas e contêineres em atraso.


Os problemas de transporte marítimo da China causaram interrupções na cadeia de abastecimento global, escassez de bens e insumos, atrasos no transporte e inflação de preços nos Estados Unidos e em todo o mundo. Não há indicação de que as coisas vão melhorar tão cedo.

As opiniões expressas neste artigo são as opiniões do autor e não refletem necessariamente as opiniões do Epoch Times.


Antonio Graceffo, PhD., has spent over 20 years in Asia. He is a graduate of Shanghai University of Sport and holds a China-MBA from Shanghai Jiaotong University. Antonio works as an economics professor and China economic analyst, writing for various international media. Some of his China books include "Beyond the Belt and Road: China’s Global Economic Expansion" and "A Short Course on the Chinese Economy."


PUBLICAÇÃO ORIGINAL:

https://www.theepochtimes.com/containerized-shipping-bottlenecks-caused-by-china_4051201.html


Acesse a minha HOME PAGE, para assistir meus vídeos e ler meus livros: https://www.heitordepaola.online/


31 views0 comments

Related Posts

See All