Gaiolas de morcegos no laboratório Wuhan P4

- THE EPOCH TIMES - 23 JUN, 2021 - EVA FU E FRANK YUE - Tradução César Tonheiro -

O pessoal de segurança se reúne perto da entrada do Instituto de Virologia de Wuhan durante uma visita da equipe da Organização Mundial da Saúde em Wuhan, na província chinesa de Hubei, China, em 3 de fevereiro de 2021. (Ng Han Guan / AP Photo)

Imagens oficiais aprovadas pelo estado chinês de quatro anos atrás, mostrando morcegos sendo mantidos no Instituto de Virologia de Wuhan (WIV), alimentou ainda mais o escrutínio da pesquisa conduzida na instalação secreta.


Um vídeo promocional de 2017 apresentado no site da Academia Chinesa de Ciências (CAS), um importante instituto de pesquisa estatal chinês que administra o WIV, mostrou morcegos vivos mantidos em gaiolas dentro do laboratório. Nele, um pesquisador usando luvas cirúrgicas azuis segurava um morcego e o alimentava com um verme.


O vídeo, feito depois que o instituto de pesquisa obteve a primeira designação P4 do país — a mais alta classificação de biossegurança — na primavera de 2017, também mostrou morcegos em uma gaiola dentro do laboratório. Ele afirmou que os pesquisadores do WIV coletaram mais de 15.000 amostras de morcegos de várias partes da China e da África.

Um pesquisador do Instituto de Virologia de Wuhan em Wuhan, na província de Hubei, no centro da China, alimenta um morcego com uma minhoca em um vídeo de 2017. (Captura de tela)

Embora alguns meios de comunicação de língua chinesa tenham citado o vídeo no ano passado em relatórios que levantaram preocupações sobre o laboratório, ele tem atraído mais atenção ultimamente, já que a possibilidade de que o vírus pode ter escapado de um laboratório chinês ganhou força.


O WIV entrou com pelo menos duas patentes relacionadas à criação de morcegos. O primeiro, apresentado em junho de 2018 e concedido cerca de meio ano depois, descreve uma gaiola de criação de morcegos com porta frontal de vidro, cabide, abertura de alimentação e tubo de água potável, projetada para permitir o “crescimento saudável e reprodução dos morcegos em condições artificiais [s]. ”

Morcegos em uma gaiola no Instituto de Virologia de Wuhan em Wuhan, na província de Hubei, no centro da China, em um vídeo de 2017. (Captura de tela)

A segunda patente, depositada em outubro passado, instrui pesquisadores sobre como criar morcegos selvagens para melhorar sua reprodução e sua taxa de sobrevivência.


Uma descrição do WIV em uma página da Web afiliada ao CAS disse que o instituto tem três “instalações de barreira” que envolvem animais de laboratório — totalizando cerca de 13.100 pés quadrados (cerca de 4.000 m2) — nas quais há 12 gaiolas para morcegos.


As evidências de morcegos vivos sendo criados no WIV contradizem as declarações feitas pelo zoólogo norte-americano Peter Daszak, um dos especialistas liderados pela Organização Mundial da Saúde (OMS), que foi à cidade de Wuhan estudar as origens do vírus no início deste ano.


Daszak, em uma postagem no Twitter feita em dezembro passado que ele excluiu, questionou um artigo do The Independent que afirmava que “amostras dos morcegos foram enviadas ao laboratório de Wuhan para análises genéticas dos vírus coletados no campo”.

Peter Daszak, membro da equipe da Organização Mundial da Saúde que investiga as origens do COVID-19, falou à mídia em 3 de fevereiro de 2021, após chegar ao Instituto de Virologia de Wuhan, localizado na província de Hubei, no centro da China. (Hector Retamal / AFP via Getty Images)

“Erro importante nesta peça. Nenhum BATS (morcegos) foram 'enviados ao laboratório de Wuhan para análises genéticas de vírus coletados no campo'”, escreveu ele.


“Não é assim que essa ciência funciona. Coletamos amostras de morcegos e as enviamos para o laboratório. LIBERAMOS morcegos onde os pegamos! ”


Daszak afirmou ainda que o artigo “descreve o trabalho que sou o líder nos laboratórios e com quem colaborei durante 15 anos”.


“Eles NÃO têm morcegos vivos ou mortos. Não há nenhuma evidência em qualquer lugar de que isso tenha acontecido. É um erro que espero que seja corrigido”, disse.


A EcoHealth Alliance da Daszak, uma organização sem fins lucrativos com sede em Nova York que conduz pesquisas globais relacionadas à saúde, ajudou a canalizar mais de US $ 800.000 em doações federais dos EUA para o WIV estudar coronavírus em morcegos, de acordo com documentos internos recém-divulgados .


Daszak admitiu em 1o de junho — uma semana depois que informações vazadas notaram que três pesquisadores WIV foram hospitalizados um mês antes do COVID-19 relatado como “paciente zero” da China — que questões sobre se o WIV tinha morcegos nunca foram levantadas durante a investigação da OMS.


“Eu não ficaria surpreso se, como muitos outros laboratórios de virologia, eles estivessem tentando criar uma colônia de morcegos”, disse ele , parecendo contradizer sua declaração no Twitter.


Lapsos de segurança

Um morcego está pendurado no chapéu de um pesquisador do Wuhan Institute of Virology em um vídeo de 2017. (Captura de tela)

Uma cena do mesmo vídeo de um morcego pendurado no chapéu de um pesquisador, que usava apenas um par de óculos e uma máscara cirúrgica normal enquanto coletava amostras de morcegos na selva, levantou mais questões sobre as medidas de segurança no laboratório.


Capturas de tela de um relatório de 2017 veiculado na emissora estatal CCTV também mostraram bolhas no braço de um pesquisador do WIV devido à mordida de um morcego durante seu estudo do vírus SARS (síndrome respiratória aguda grave).


Os morcegos “podem morder suas mãos através da luva”, disse o pesquisador, Cui Jie, do WIV à CCTV. Ele descreveu a sensação como semelhante a "ser espetado por uma agulha". Em outra filmagem, marcada com a data 28 de dezembro, sem nenhum ano atribuído, outro pesquisador do WIV estava segurando um morcego ao ar livre com as duas mãos expostas.

Um pesquisador do Instituto de Virologia de Wuhan mostra bolhas após ser mordido por um morcego. (Captura de tela via CCTV)

Em 2018, as autoridades americanas que visitaram as instalações de pesquisa enviaram cabos de volta a Washington alertando sobre os fracos padrões de segurança no laboratório.

Dois funcionários da embaixada dos EUA disseram que o laboratório tinha “uma séria escassez de técnicos e pesquizadores devidamente treinados, necessários para operar com segurança este laboratório de alta contenção”, de acordo com o telegrama, relatado pelo The Washington Post.



Questões de Transparência

O laboratório de Wuhan começou como um projeto colaborativo entre a China e a França em 2004 para estudar doenças infecciosas emergentes após o surto de SARS, que se espalhou da China para mais de duas dezenas de países.


A construção do laboratório P4 foi finalizada em 2015. Em 2017, o ex-primeiro-ministro francês Bernard Cazeneuve fez do laboratório sua primeira parada em Wuhan e participou da cerimônia de inauguração. O plano na época era que 50 pesquisadores franceses fossem ao laboratório nos próximos cinco anos, mas isso nunca aconteceu.


Os cientistas franceses foram rapidamente postos de lado. O Comitê Franco-Chinês de Doenças Infecciosas Emergentes, grupo criado para a cooperação entre as duas partes, parou de realizar reuniões em 2016, segundo a France Bleu, parte do grupo de radiodifusão pública nacional Radio France.


O vídeo do laboratório de Wuhan em 2017 mencionou brevemente a colaboração sino-francesa, observando que os dois lados tiveram “mais de uma década de intensos confrontos devido a diferenças de origens culturais e ideologia”. Ele observou que o laboratório P4 "definitivamente contribuirá para a saúde física do público e para a paz mundial" e servirá como um "centro de compartilhamento de tecnologia de classe mundial em grande escala".


Os dados brutos do WIV permanecem fechados para a OMS e outros especialistas internacionais. Em setembro de 2019, a instalação colocou em off-line seu principal banco de dados de amostras e sequências virais. O banco de dados era o maior da Ásia em 2018, de acordo com um comunicado à imprensa no site do WIV.

A virologista chinesa Shi Zhengli é vista dentro do laboratório P4 em Wuhan, capital da província chinesa de Hubei, em 23 de fevereiro de 2017. (Johannes Eisele / AFP via Getty Images)

Shi Zhengli, diretora do centro de pesquisa do WIV para doenças infecciosas emergentes que agora está no centro da controvérsia sobre o vírus, afirmou que o instituto está aberto a sondagens externas. Falando recentemente com o The New York Times, ela chamou as acusações de retenção de dados do laboratório de "especulação enraizada em total desconfiança".


Um informativo de janeiro do Departamento de Estado sob a administração Trump afirmou que os pesquisadores do WIV começaram a conduzir experimentos envolvendo o RaTG13, identificado como tendo a similaridade genética mais próxima ao vírus COVID-19, já em 2016.


Além de se envolver em pesquisas de “ganho de função” para criar vírus quiméricos”, o WIV se envolveu em experimentos com animais de laboratório em nome dos militares chineses desde pelo menos 2017, de acordo com o informativo. A pesquisa de ganho de função envolve a criação de vírus artificiais adicionando recursos novos ou aprimorados com o propósito de estudar quais novos patógenos podem surgir e como se proteger contra eles.


PUBLICAÇÃO ORIGINAL:

https://www.theepochtimes.com/footage-of-bats-kept-in-wuhan-lab-fuels-scrutiny-over-its-research_3871801.html


Para acessar o Conteúdo acima, acesse a Home Page aqui. https://www.heitordepaola.online/


61 views0 comments