Fundos e tecnologia dos EUA alimentam os sistemas de armas avançadas da China

- THE EPOCH TIMES - Antonio Graceffo - Trad. C. Tonheiro - 15 dez, 2021 -

Este pôster de procurados — cinco oficiais militares chineses acusados de espionagem econômica e roubo de segredos comerciais — foi exibido no Departamento de Justiça em Washington em 19 de maio de 2014. (Foto da AP)

A China conseguiu acelerar as capacidades tecnológicas de seus militares, o Exército de Libertação do Povo (PLA), roubando tecnologia dos EUA, acessando os mercados de capital dos EUA e cortejando investidores americanos.


A comunidade de defesa dos EUA está muito preocupada com o recente teste de mísseis hipersônicos do PLA. Essas armas tecnologicamente avançadas têm capacidades, o que as torna extremamente difíceis de se defender. Elas também são caras, mais de US $ 105 milhões por míssil. O arsenal de armas de alta tecnologia de Pequim — como satélites, canhões ferroviários magnéticos, armas nucleares e hipersônicas — é muito caro, razão pela qual 41% do orçamento de defesa de US $ 252 bilhões da China é gasto em pesquisa e desenvolvimento.


Parte do custo de P&D do PLA é custeado pelo roubo de tecnologia dos Estados Unidos. E parte da tecnologia é comprada de desenvolvedores americanos, usando fundos de investidores americanos. Por exemplo, o Centro de Pesquisa e Desenvolvimento Aerodinâmico da China (CARDC), uma instalação de teste hipersônico, depende de um supercomputador que usa tecnologia de chip americana.


Ao se listar nas bolsas dos Estados Unidos e obter acesso aos mercados de capitais americanos, o Partido Comunista Chinês (PCC) se beneficia dos bolsos profundos de investidores americanos para financiar seus projetos de desenvolvimento. Atualmente 248 empresas chinesas estão listadas nas três maiores bolsas dos Estados Unidos, com um valor total de mercado de US $ 2,1 trilhões. Oito dessas empresas são estatais (SOEs). Uma porcentagem muito maior tem propriedade estatal significativa ou é propriedade de empresas estatais. Cerca de metade deles usa uma entidade de interesse variável (VIE), uma empresa de fachada das Ilhas Cayman, para listar nas bolsas dos Estados Unidos, de modo que os verdadeiros proprietários não são conhecidos. Outras empresas, como Weibo Corporation, não são estatais, mas agem de acordo com as ordens do PCC para realizar operações, incluindo vigilância.


O governo Biden anunciou que manterá as proibições da era Trump aos investimentos dos EUA em empresas que tenham ligações com os militares chineses. De acordo com as regulamentações, as empresas e os cidadãos americanos estão proibidos de comprar ou vender ações de empresas chinesas restritas, incluindo as principais fabricantes de chips, produtores de petróleo e empresas de tecnologia. As empresas de tecnologia se tornaram uma ameaça especial, pois estão ajudando a China a desenvolver seus recursos de computação quântica.


De acordo com as regras implementadas pela Comissão de Valores Mobiliários dos Estados Unidos (SEC) em maio, as empresas chinesas que desejam se listar nas bolsas dos Estados Unidos devem divulgar se são de propriedade ou controladas por Pequim. Essas novas regras se estendem às empresas chinesas, listadas nos Estados Unidos, sob VIEs. Essa estrutura é frequentemente usada por empresas de tecnologia porque, de acordo com a lei chinesa, elas não podem ter propriedade estrangeira. Assim, as empresas de tecnologia chinesas formam empresas de fachada registradas nas Ilhas Cayman, e essas empresas de fachada são listadas nas bolsas dos Estados Unidos. De acordo com as novas regras da SEC, mais de 200 empresas podem ser retiradas da lista.


As empresas chinesas envolvidas na computação quântica, bem como na fabricação de chips de memória e chips de navegação, estão entre as empresas que foram adicionadas à lista negra dos Estados Unidos. A lista de entidades dos EUA contém os nomes de empresas chinesas, a maioria delas estatais, que Washington deseja impedir de obter propriedade intelectual (PI) e tecnologia de defesa dos EUA . O governo Trump colocou várias empresas chinesas na lista e o governo Biden acrescentou dezenas de outras.


Junto com a ameaça direta representada pelo financiamento de empresas chinesas, que aumentam as capacidades militares de um estado beligerante, a lei chinesa efetivamente transforma cada empresa e cidadão em um agente. De acordo com a lei de segurança nacional, a lei nacional de inteligência e a lei nacional de cibersegurança, os cidadãos e entidades são obrigados a ajudar o PCCh na coleta de informações. Isso inclui roubar PI.


Uma das principais razões para a guerra comercial EUA-China é o roubo de propriedade intelectual dos EUA pela China. Em uma pesquisa do CNBC Global CFO Council, quase um terço das empresas norte-americanas disse que a China havia roubado sua propriedade intelectual na última década. Em 2020, o FBI tinha mais de 1.000 casos abertos, relativos a roubo de PI por entidades com vínculos com o PCC. William Evanina, diretor do National Counterintelligence and Security Center (NCSC), estimou o valor do roubo na China em US $ 500 bilhões por ano. O Departamento de Justiça dos Estados Unidos declarou que o regime chinês é o principal culpado em cerca de 80% de suas investigações de espionagem industrial.

Um caça stealth J-20 chinês se apresenta no Airshow China 2018 em Zhuhai, província de Guangdong, sul da China, em 6 de novembro de 2018. (Wang Zhao / AFP / Getty Images)

A aquisição legal e ilegal de tecnologia dos Estados Unidos, combinada com subsídios estatais, está impulsionando o avanço tecnológico chinês, inclusive no campo de armamento avançado. Do ponto de vista econômico, roubar tecnologia alivia a China de ter que pagar centenas de milhões de dólares por pesquisa e desenvolvimento. Isso coloca as empresas chinesas em posição de reduzir seus concorrentes norte-americanos. Do ponto de vista da defesa, o roubo de tecnologia dos Estados Unidos pela China significa que, em caso de guerra, os militares americanos enfrentariam suas próprias armas e que o PLA conheceria as capacidades e vulnerabilidades do hardware e dos sistemas de defesa dos Estados Unidos.


Os Estados Unidos têm alguns controles de exportação, evitando que certas tecnologias e equipamentos sejam vendidos a certas entidades estrangeiras. A proibição das exportações dos EUA para a China inclui “itens com origem nos EUA” — componentes que podem ser usados em equipamentos militares.


No entanto, as empresas americanas podem contornar essas regras investindo diretamente nessas tecnologias na China. É muito mais difícil para uma democracia, como os Estados Unidos, restringir o comportamento dos cidadãos, do que para o PCC. Consequentemente, os investidores americanos, determinados a investir diretamente na China, estão livres para fazê-lo. De acordo com autoridades comerciais dos EUA, Washington provavelmente não reprimirá ou aumentará o escrutínio dos investimentos externos dos EUA.


Junto com os investimentos em tecnologia de defesa, Pequim também está trabalhando para controlar as matérias-primas essenciais para a defesa. O governo Biden advertiu que a China está tentando controlar os mercados mundiais de cobalto, privando os Estados Unidos e outros países de um elemento-chave necessário para armas e veículos elétricos.

O filho do presidente Joe Biden, Hunter Biden, foi fundamental para ajudar o PCC a comprar $ 3,8 bilhões de cobalto. A empresa de Hunter, BHR, formalmente denominada Bohai Harvest RST (Shanghai) Equity Investment Fund Management Company, fez parceria com empresas estatais chinesas para comprar cobalto da República Democrática do Congo. Bohai também ajudou um conglomerado de defesa chinês a comprar uma fabricante de peças de automóveis dos Estados Unidos.


Os legisladores dos EUA estão trabalhando para restringir o fluxo de tecnologia e dinheiro para o PCCh. Mas cada lei é apenas uma solução band-aid para um problema muito grande.


Trabalhar junto com aliados dos EUA em um programa combinado de remanejamento da manufatura doméstica, restringindo o investimento na China, bem como restringindo o acesso de Pequim aos mercados de capitais ocidentais, privaria o regime chinês da oportunidade de roubar ou adquirir tecnologia do Ocidente, bem como inibir sua capacidade de investir em pesquisa e desenvolvimento. Além disso, criaria incentivos para que os Estados Unidos e as nações ocidentais redirecionassem suas cadeias de suprimentos para longe da China e expandissem sua própria base de manufatura.


As opiniões expressas neste artigo são as opiniões do autor e não refletem necessariamente as opiniões do Epoch Times.


Antonio Graceffo, Ph.D., passou mais de 20 anos na Ásia. Ele é graduado pela Shanghai University of Sport e possui um MBA na China pela Shanghai Jiaotong University. Antonio trabalha como professor de economia e analista econômico da China, escrevendo para vários meios de comunicação internacionais. Alguns de seus livros sobre a China incluem "Além do cinturão e da estrada: a expansão econômica global da China" e "Um curso rápido sobre a economia chinesa".


PUBLICAÇÃO ORIGINAL >

https://www.theepochtimes.com/us-funds-and-technology-fuel-chinas-advanced-weapons-systems_4149997.html


Acesse a minha HOME PAGE, para assistir meus vídeos e ler meus livros: https://www.heitordepaola.online/


15 views0 comments