Fundos de pesquisa de trilhões de yuans da China gastos principalmente em viagens e lazer

- THE EPOCH TIMES - Jessica Mao - TRADUÇÃO CÉSAR TONHEIRO - CMENTÁRIO HEITOR DE PAOLA - 18 AGO, 2022 -


Em 1957 Milovan Djillas já denunciou isto em seu livro A Nova Classe - uma análise do sistema comunista. Djillas era dissidente do PC Iugoslavo onde chegou a ser do Comitê Central. Em 1980 Michael Voslensky - dissidente da URSS - publicou Nomenklatura: a classe dirigente soviética.

NADA DE NOVO NO FRONT! Comunismo é isto e nada mais! A tal "utopia" é para os "idiotas úteis" (apud Lenin) acreditarem.

HEITOR DE PAOLA -


As autoridades chinesas tinham grandes esperanças para a indústria de chips da China, esperando ver um “milagre de semicondutores”, que então afirmaria a “vantagem de todo o sistema nacional da China”, bem como superar as sanções tecnológicas impostas pelos Estados Unidos.


No entanto, oito anos após o estabelecimento do Fundo de Investimento da Indústria de Circuitos Integrados da China, também conhecido como “Big Fund”, trilhões de yuans foram esgotados com pouco sucesso em inovação tecnológica.

O órgão anticorrupção da China lançou uma investigação sobre os antigos e atuais executivos do “Big Fund” em julho, e sete altos funcionários ligados ao “Big Fund” foram rebaixados desde então.


Na verdade, o uso indevido de subsídios governamentais de pesquisa e desenvolvimento (P&D) é comum na comunidade científica da China.


Para onde foram os trilhões de fundos de pesquisa da China


Em abril de 2018, a mídia estatal chinesa Sina Finance publicou um artigo, fazendo a pergunta: “A China gasta há muito tempo trilhões de yuans no campo de semicondutores todos os anos, mas para onde foi a enorme quantidade de fundos?”


O artigo continuou dizendo que nos últimos anos, cerca de apenas 40% do financiamento de pesquisa do país foi realmente gasto em pesquisa e desenvolvimento de ciência e tecnologia, e 60% foi gasto em reuniões e viagens de negócios.


“Sempre que há chances de reuniões de negócios, pode-se reembolsar despesas de viagem, custo de gasolina, e o custo de viagem pode ser enorme quando as pessoas vão ao exterior para participar de reuniões. Mesmo pesquisadores da Universidade de Tsinghua e da Universidade de Pequim não são exceção”, disse. “A Universidade de Engenharia de Anhui também descobriu que os fundos de pesquisa são usados para reembolsar entretenimento, hidromassagem para os pés, taxas de condomínios e outras despesas não relacionadas ao projeto. Além disso, a universidade observou um aumento drástico de viagens de negócios ao exterior nos últimos anos.”


Um pesquisador revelou ao Sina Finance que geralmente para as chamadas viagens de inspeção em países estrangeiros, os pesquisadores simplesmente faziam uma breve aparição em seus locais de inspeção direcionados, e o resto do tempo era gasto em viagens, lazer e passeios turísticos.


Além de realizar ou participar de reuniões de negócios, as instituições de pesquisa chinesas também são obcecadas pela compra de equipamentos, segundo o artigo.

“Todo ano, quando o financiamento é alocado, a primeira coisa que eles fazem é atualizar todos os laptops, scanners, telefones celulares e outros recursos da equipe, e às vezes um mentor com vários tópicos em mãos pode conseguir vários dos mais recentes laptops”, disse.


Fraude de P&D


Muitos pesquisadores são muito habilidosos em vender uma ideia – exaltando um conceito, às vezes a ponto de cometer fraudes de Pesquisa e Desenvolvimento (P&D), a fim de solicitar uma quantia considerável de financiamento. “Alguns projetos-chave podem receber vários milhões ou mesmo várias dezenas de milhões de yuans como bolsa de pesquisa. O desejo dessas pessoas por capital é maior do que ter os pés no chão com a pesquisa científica”, dizia o artigo.


Citando o escândalo Wuhan Hongxin como exemplo, o artigo relata que em agosto de 2002, Chen Jin, então reitor da escola de microeletrônica da Universidade Jiaotong de Xangai, comprou um chip Motorola dos Estados Unidos e contratou alguns trabalhadores migrantes para lixar a logomarca MOTO do chip e polir. Ele então pagou uma pequena empresa para colocar a marca “Hanxin One” na superfície polida do chip. Através de camadas de suas conexões pessoais, ele conseguiu obter várias certificações, alegando que era o primeiro chip DSP de ponta da China com direitos de propriedade intelectual independentes.


“Como toda a nação ficou emocionada com sua afirmação, Chen se candidatou a dezenas de projetos de pesquisa de uma só vez e até enganou o Departamento Geral de Armamento das forças armadas da China para apresentar um Projeto de Inovação Tecnológica em Armas e Equipamentos. Ninguém notou nenhum problema antes ou depois. Então ele conseguiu fraudar mais de 100 milhões de yuans de fundos de pesquisa científica”, dizia o artigo.

Chen Jin, o cientista da computação chinês acusado de fraude

Em uma entrevista ao Epoch Times em 12 de agosto, o especialista em China no exterior Lu Tianming apontou que a ambição da China de pesquisa e desenvolvimento rápido de chips em si é uma boa meta a ser estabelecida, mas o fato é que o Partido Comunista Chinês está podre até o âmago.


“Pode-se dizer que todo funcionário comunista é corrupto”, disse Lu. “Na verdade, seria anormal se algum funcionário ou supervisor envolvido não desviasse os fundos. Todos eles desejam encher seus próprios bolsos quando têm essa oportunidade.”


Jéssica Mao é escritora do Epoch Times com foco em tópicos relacionados à China. Ela começou a escrever para a edição em chinês em 2009.


PUBLICAÇÃO ORIGINAL >

https://www.theepochtimes.com/chinas-trillion-dollar-research-funds-mostly-spent-on-travel-and-leisure-chinese-state-media_4672564.html


17 views0 comments